Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

...palavras ao vento

Ao raio de sol perante o clima plúmbeo dos corredores...
É inevitável redigir-lhe e não cai na tentação do encanto, pois é justamente isso que tu aguças e significas. Se – como dizem – a poesia é um presente dos Deuses, então recebo essa inebriante graça e a ti ofereço-a, mesmo que eu não cumpra devidamente com o zelo apropriado – mas que, sem dúvida, se revela ingenuamente afável aos variados momentos. Interpelar-me se cumprir com tal encargo é difícil? Não, não faça isso – tardiamente digo-te! No entanto, se tento te escrever, uma constante irremediável me atrapalha. Relembro muito da Idéia Fixa de Assis, com ressalva que essa estimulava o cumprimento de uma tarefa, enquanto aquela impede. Impede-me. Assim, peço-lhe, caso eu seja incauto na minha forma de expressão, paciência nessa leitura se, porventura, ela se torne redundante. Digo-te que essa repetição ocorre em virtude de seres o que és, de representares o que representas. Talvez seja por sua incalculável beleza, pela doçura de sua voz, pelo seu olhar fascinante, pelo delicado andar que possui, por...
Não é a representação de ser indigno disso, mas confesso-lhe que jamais encontrarei algo equiparável a sua reluzente beldade. É, por conseguinte, o texto mais complexo com o qual me deparo. Apesar da curta duração de nosso convívio, venero-te de modo incansável e progressivo. E caso haja alguma objeção à minha idealização, aquela está, desde já, a interpretar erroneamente. Mas, nesse texto, tu não estás sendo posta em sua forma mais encantadora; estás a parecer uma lucerna, enquanto devias apresentar sua magnificência solar, sua origem das origens das luzes, sem a qual não existe vida, felicidade, pé se quer de flores. Pois és imprescindível para a luminosidade desse universo, palpitante a cada piscar seu. A importância que exerces é tal que se perde em meio às infinitas maneiras de combinação das diversas letras. Sinto que estou à beira de exauri-las e não desempenho devidamente a confiança que me foi atribuída pelos Deuses. Isso ocorre em virtude de que nada – nem ninguém – pode se equiparar a sua unicidade. Mas se algo um dia conseguir realizar tal proeza, considere-me não apto a escrever-lhe – proponho, no entanto é inútil; sei, pois, que és inigualável.
A verdade é simplória: tu és a mais bela; Afrodite não espere estar dignamente ao nível. Nem mesmo os espartanos – em período da religiosidade matriarcal – teriam dúvida em fazer menção desse fato. Esse é visivelmente inquestionável. Assim, estando acima de um dos Deuses e sendo esses os concessores do presente, és tu quem me oferece tal divindade; tento apenas retribuir-lhe essa dádiva, da maneira mais grata que se possa imaginar. Pois não é qualquer pessoa que conseguiria manter-se ao chão com isso. Mesmo assim, arrisquei. Lancei mão de infinitos zeugmas à minha frente para dizer algo sobre o encanto que lhe pertence de forma única e específica. E só agora percebo que eles não foram nada além que paliativos de minha redundância.
   Alexandre J. Nobre.
Alexandre Nobre
Enviado por Alexandre Nobre em 21/11/2007
Reeditado em 22/11/2007
Código do texto: T746942

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre J. Nobre). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Nobre
Maceió - Alagoas - Brasil, 29 anos
7 textos (659 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 10:43)
Alexandre Nobre