Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMO BEIJAS, DONA-BEIJA!

(Resposta à belíssima Crônica de Paulo
Tadao Nagata- Monita, a Rolinha Sociável)

Este chove-não-molha me deixa frustrado
É tempo bom para quem vive noutro planeta...
O astro-rei há quase um palmo de se despedir
Ainda cintila, garantindo ao final do dia
Muito calor para a noite que já desce sua cortina!

Nesta tarde somente nós dois- Dona beija e eu
Sou remetido àqueles longínquos dias quentes de Paracatu
Dos tempos áureos do século dezoito
Lembrei-me daquela fonte de Araxá
Onde ela, rotineira e sem muito recato
Tomava seu banho matutino ou vespertino
Fosse em que hora fosse, era motivo de se esbarrar
No caminho, para vê-la no seu dia-a-dia de luxuosa cortesã
Dona de metade Minas, Goiás e alhures,
Que a seus pés se prostravam!

-Ó Dona Beija!

Neste momento me recolho ao quarto
E tento descrever a emoção sentida:
Nesta tarde somente nós dois- Esguicho
bem alto a água da mangueira, de que tanto precisava-
Ela faceira, não se descompõe
Sua capa de um azul-ferrete a cobrir todo seu esguio corpo
Dava-lhe a dignidade que tiraram da mulher-dama
Daquelas terras do ouro e di-amantes!
Com sofreguidão, não sabia se tomava da água
Ou se nela banhava, dentro daquela
Imensa catarata que se formava!
Lá estava ela, sem tempo para se despedir
Há pouco mais de dois metros à minha frente
Assentada na pequena árvore de Lichia
Guardiã da jabuticabeira, mais velha, ao fundo
Tomava despreocupadamente seu delicioso banho!
Naquele passado fora generosa, emprestando seu nome àquela Mineira!

Às vezes nos acontece de precisar, desesperadamente
De um chuveiro, assim, no fim de um dia quente de viagem
E isto não está disponibilizado no momento
Simplesmente, por falta d’água!

Sabe, amigo Tadao, rolinhas e beija-flores são mesmo
Seres sociáveis, numa troca que conosco fazem:
Damos, ou propiciamos a eles, víveres, água, proteção
E recebemos sua honrosa e inusitada visita, numa monótona
Tarde quente de quase verão!

Ansioso para que chegue novo dia
Quando estarei espiando, com todo respeito
Dona-Beija, se regalando nas cataratas do meu Quintal!
A religar suas potentes turbinas e desaparecer
Num instante!

Sobradinho-Df,                                   21/11/07



abello
Enviado por abello em 22/11/2007
Reeditado em 23/11/2007
Código do texto: T747040
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
abello
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 75 anos
937 textos (65596 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 17:19)
abello