Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

E SEU EU MORRESSE AMANHA?

http://www.lunaeamigos.com.br/aconteceu/aconteceu55.htm

AconteceuLunas

&

E SEU EU MORRESSE AMANHÃ?


Nasci ao amanhecer e sei cantar para dançar. Saberei cantar para morrer. Sei chorar de alegria, sorrir de amargura, correr andando, sair, lépida, como pensamento, voando em outros planos.

Outro dia, estava a ler Álvares de Azevedo - "Lira dos Vinte Anos" e lembrei-me daquele poema - Se Eu Morresse Amanha! - fiquei imaginando como seria se soubéssemos que no amanhã já seriamos ontem - e, aí a idéia do nosso  ACONTECEULUNAS.

Morrer...

Sempre imagino esse momento. A morte sempre esta presente em minha poesia - não como adeus - mas como recomeço.

Aliás, para todo recomeço, algo teve de morrer pelo caminho, é o que digo em " Chegando ao Fim...":

"... Há algo errado,
Um barulho... um galho seco no telhado,
Uma música de morte
No silêncio da noite...

O espelho reage chocado
Com a imagem que reflete
No seu puro cristal..."

Morre-se toda hora, todo momento - e na continuidade não é a dor, nem o medo do desconhecido, nada tem de segurar o próximo passo.

Próximo passo, não pensar em portas fechadas, nem que todas as pistas são sem soluções... Todos temos canções para contar, poesias para escrever, sensações para sentir...

E neste momento me confronto com a verdade - a minha verdade:

"... No meu ouvido, ouço
Todos os chamados,
Em meus olhos, vejo
Todas as visões.
Creio já estar pronta!"
(Estou pronta para ir)

Na despedida que traço, fito teus olhos, te deixo na porta, e, ao voltar-me, já não estas... Essa é a morte no coração.

"Te ouço, te sinto, te espero
séculos e séculos.
Perdura, em mim, o som de tua melodia,
e me chegas no frescor da manhã,
como uma rosa matutina"
(Despedindo-me do passado...)

Frágil que somos, na aparente força, na verdade - fino cristal que se despedaça com a infelicidade de um sonho esquecido... Isso é morrer!

Se eu morrer amanhã a vida seguirá seu rumo - nada irá parar. Já escrevi sobre isso - lembro-me dos versos, pois cantam em mim:

"Todos os dias, todas as horas
Deparo-me com a vida e a morte
Um buraco negro, infinito no infinito...
E me preenche o medo...

Ao olhar para a frente
Imaginando o futuro
Sobre minhas atitudes
Paira uma espada, hirta, fria,
Me lembrando a morte, a saudade, a dor...

O medo é do desconhecido,
Ou deveria ser.
O que me aguarda depois de fechar os olhos ?

Depois de repousar a mente,
De deitar o corpo cansado, canhestro, rígido,
Quem me abraçara?

Por que tenho medo de deixar o que não sou?
Sim, deixar o que não sou...
Pois, se o corpo que habito,
Pois, se os que eu amo,
Pois, se do que gosto,
Tudo ficará no abandono...

Fecharei os olhos e deitarei meus sonhos
No sono profundo, sem consciência de corpos,
Serei apenas eu, na esfera, sem matéria,
Além das sensações e idéias...

E não morrerei no espírito,
O que deixarei neste mundo
Será apenas o que nasceu comigo.
Eu já existia, vim de outras eras, de outras vidas,
Sou eterna, sem corpo, sem dinheiro, sem nome,
Massa disforme, sem volume, sem ego!

Etérea luz, voltarei a ser o que sempre fui,
Eu, apenas eu, areia neste ponto infinito,
Lua, frágil que se levanta e se deita todos os dias,
E que nunca, nunca, nunca, vai embora!"
(Fecharei os Olhos e Deitarei Meus Sonhos...)

O que morrerá em mim será apenas a matéria - mas eu continuarei - seguirei fazendo parte do movimento criado, tornando-me eterna no meu elemento, na matéria, ectoplasma, e ficará o amanhã, perdido,

 "E amanhã?!
Amanhã sentirei estes mesmos sabores e odores?
Não sei... o tempo, inexorável, nada me diz...
Sofro... Lamento...
Acabo de descobrir a fugacidade da vida,
E tanto escorreu-me pelos dedos..."
(O tempo, inexorável, nada me diz)

Discípula aplicada e amante da poesia de Álvares de Azevedo, refugio-me na morte pelo sonho e pela fantasia e decido que:

"Não existe nem ontem nem amanhã.
Só existe este momento,
que deve ser aproveitado,
por ser mais precioso do que pensamos.

Na beira do rio,
lado a lado com as lembranças,
através das lentes escuras,
olhando os círculos que se expandiam
na superfície, estávamos, eu, e o Hoje...

O sol já se despedira,
uma leve brisa afagava meus braços...
Estava pronta para voltar.
(Nem ontem, nem amanhã)

Já escrevi meu desfecho - quero que figure, mais ou menos assim, no epitáfio:

"Se eu morrer amanhã, que não chore minha irmã, que não lamente o salgueiro triste, continue cantando sabiá-laranjeira do quintal, voe alegre arara-azul, vergue no vento paineira da praça, filhos voem na vida o seu caminhar, parceiro não lamente, vou contente, pois se eu morresse hoje, agora, a data da minha partida já estava prevista no livro da vida, e a luz do amor romperia o véu da tristeza..."

Epílogo

Uma brisa amaina as horas do sol
que deixa tudo na cor bronze.
Os olhos secos e poeirentos
com força e vigor brilham na face
vincada pelo tempo.

Tempo inclemente,
dia a dia esconde o semblante.
E nos rostos dos passantes procuro uma imagem,
perdida, vaga, farsante,
mas ainda em minha mente.

Lembranças que se esvaem no negrume do vácuo
do silêncio que ameniza as verdades...
Nesta vida tudo é questão de tempo,
nos diferentes tons de branco-saudade.

Escrevo meu epílogo.
Jogo fora os " eus " que carrego.
Sou tantas e são tantos os meus " eus “
que já não os quero, nem recordo.

Eu no espelho vejo
eu-viva,
eu-morta
eu-anônima,
eu-passado;
eu-paixão;
eu-grotesca;
eu-funesta;
eu-arrogante;
eu-errante;
eu-passante, cega, pedinte,
Nenhum eu especial....
Todos a deriva, meus e pequenos " eus"
presentes e presos no meu grito,
escancarados, esparramados, encurralados " eus ",
eu-sem-saída, trágico epílogo,
eu-sem-final...

Leiam os versos e prosas de nossos escritores sobre o tema.

Delasnieve Daspet (Luna)
www.delasnievedaspet.com.br (referendado pela UNESCO)
www.pantanalms.tur.br (referendado pela UNESCO)
www.lunaeamigos.com.br (referendado pela UNESCO)
http://br.egroups.com/group/LunaeAmigos
www.ebooklunas.com.br

 
 
 
Delasnieve Daspet
Enviado por Delasnieve Daspet em 23/11/2005
Código do texto: T75136
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Delasnieve Daspet
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 66 anos
654 textos (28497 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 07:06)
Delasnieve Daspet