Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOMENTE AMOR

Evaldo da Veiga

Antigamente, um bolero era o que a moçada queria.
Dois pra lá, dois pra cá, rodopiar grudadinhos, rosto colado.
Hum... sentir a respiração forte dizendo de desejos...
O perfume simples da farmácia do bairro, 
todo aroma era amor.
Hoje, já não se dança um bolero como antes, 
a coreografia está pra show,
antes ela ditava os movimentos do desejo no amor.

O som além da música, gemidos incontidos baixinhos,
barulhinho de dois, somente para os dois.
Mas se o bolero sumir? Inventa-se algo que ligue ainda mais,
sons em surdina ouvidos pelos dois 
e brotados na santidade do pares que se imaginam sós, 
no salão, onde todos fazendo amor,
aplaudem sem movimento invasivo,
os amores que acontecem no salão.

evaldodaveiga@yahoo.com.br

Evaldo da Veiga
Enviado por Evaldo da Veiga em 02/12/2007
Reeditado em 31/08/2011
Código do texto: T761494

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Evaldo da Veiga
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 74 anos
952 textos (314109 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 17:20)
Evaldo da Veiga