Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MAIS UM DEZEMBRO ABRE CAMINHO...

         


           A tarde se debruça  em caminhos iluminados
           e aquele   vento que mal toca a nossa pele,
           suave brisa hesitante e fugidia,
           apenas se insinua
           passando pelos vãos das janelas,
           agitando de leve os cabelos,
           descendo com a pétala
           que hesitante flutua e cai sem pressa ...
           Brisa que estremece a superfície das águas
           e murmura entre as folhagens
           memórias de encantamento!
           Você tão meu em instantes fugidios,
           as tuas palavras passeando,
           acariciando meus olhos atentos!
           Sinto aqueles dias tão sossegados
           que pareciam eternos, na nossa calma distraída,
           enquanto eu imaginava selados os destinos
                                                 nas quatro luas ,
            nos ventos frios que se repetiriam  a cada ano,
            e, a cada primavera,
            nas mesmas flores de laranjeira...
            brilhando nas noites enluaradas,
            em brancas aquarelas pelos quintais adormecidos.
             
             A tarde silenciosa  repete seus cenários
             e se esparrama pelos céus em busca do horizonte,
             mas esse dezembro que abre caminho sobre
             os escombros de uma  primavera perdida,
             que esvoaça na esperança de dias vindouros,
             sorrindo nas asas das brancas borboletas,
             já vem tingido de hibernais prenúncios,
             nada me diz em murmúrios desconexos
             e nas flores que se entreabrem em esplendorosos
                                                             azuis...
             A história da vida se repete
             na natureza  e nos destinos por cumprir.
             Mais um dezembro abre caminho,
             mas esta tarde é simplesmente a hora
             que se repete há milênios sob o Sol,
             ao qual a Terra vai mostrando sua face
             e é só isso, verdade rasa,
             dor  em flecha pontiaguda,
             esplendor e morte,
             vigência de átomos
             em leves estremecimentos
             de uma flor...
             
             

tania orsi vargas
Enviado por tania orsi vargas em 02/12/2007
Reeditado em 06/04/2008
Código do texto: T761713
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
tania orsi vargas
Taquara - Rio Grande do Sul - Brasil
772 textos (51484 leituras)
4 áudios (521 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 18:51)
tania orsi vargas