Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

se...

se, nos teus olhos, na argumentação frígida das palavras, na ilusão do ébrio, fosse eu, mandava construir uma estátua de mim.
então, beijaria o vento, vibrando no sexo do mar, trespassando distâncias. sopraria na noite, perder-me-ia nos enleios de camas alheias, corpos, carnes, tremores alheios, fraternidades ocasionais em ebulição.
se, no cigarro ofusco, crepuscular, na púrpura seda
da realização, no dever que se quer cumprido, nos devaneios de outrém e da terra em sangue, fosse eu, sê-lo-ia
sem o ser, relâmpago amigo, consciência, consagração, sem escrúpulos.
se, nas linhas que coso, glória existencial parda, tudo conseguisse absorver, no quarto, na rua, em mim, plantasse árvores na avenida dos homens, inscrevesse meu nome
no registo da humanidade, violar-me-ia em candura, sabendo ser o futuro magia do desejo.
se, na amargura feliz em doses fáceis, fosse eu, seria também tu, ele, ela e eu, vivendo dessa forma, mergulhando nos outros, ao mergulhar em mim.

e só depois descreveria uma rosa.

torres vedras, novembro de 1992
Nuno Trinta de Sá
Enviado por Nuno Trinta de Sá em 28/12/2005
Código do texto: T91519
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nuno Trinta de Sá
Portugal, 43 anos
73 textos (1677 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 14:48)