Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Que por baixo da superfície das coisas, haja vida.

Que por baixo da superfície das coisas, haja vida.
Que acima de nós: perigo! (pois uma vida plana apenas engana, transcorre e não se sustenta).
Que no fundo haja substância, clemência, insolência. Que sejamos capazes de dar um passo a mais.
E que no fim da rua, posto que não acredito mais em estradas, não se encontre um fundo cego.

Que nas reentrâncias se acomode aquilo que irá ficar.
Que a escova lave, com seu sabão iodado, o que pelo ralo vai.
Que nas entranhas a bruxa leia, sem mais, futuro e paz. Se forem as minhas, que eu nunca saiba da notícia o mote.
Que nas veias escorra o doce mel da veracidade, a angústia dos hipertérmicos, a solenidade das bulhas.
E que os ossos perdurem misturados à terra, sem traslados e exumações inoportunas, para tornar-se folha, leite e mó.


Que nos desvarios da noite haja um silêncio em pó.
Que no frigir da carne haja grandeza e dó.
Que ao derreter-se a bomba, reste seiva e dor, mas nunca haja alguém só.
Que se descubra um eu que simplesmente responda e vá.

Renato van Wilpe Bach
Enviado por Renato van Wilpe Bach em 31/12/2005
Código do texto: T92604
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Renato van Wilpe Bach
Ponta Grossa - Paraná - Brasil
95 textos (17726 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:31)
Renato van Wilpe Bach