Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FALAR DE JOYCE DEIXA AS PESSOAS ULISSES

     De que maneira somos dominados pela tirania dos meios de comunicação? Qual é o contraponto existente entre a vida cotidiana e o brilho sedutor da nossa modernidade?
     Em “Experiência e pobreza” (1933), o pensador alemão Walter Benjamin reflete sobre a impossibilidade da experiência comunicável no mundo contemporâneo, mediante o monstruoso desenvolvimento da técnica. Segundo Benjamin, os fatos perderam qualquer significado ‘a priori’. Desse modo, o homem deve enfrentar o mundo a cada instante como se fosse o primeiro. Não há nenhuma ordem prévia que estruture o real, nem a possibilidade de sedimentação das experiências vividas. Não há mais a possibilidade de transmissão da experiência, já que não é mais possível a constituição de uma tradição. A miséria do homem contemporâneo é a sua impossibilidade de adquirir, sedimentar e transmitir qualquer experiência. Neste texto, como em “O Narrador” (1936), Benjamin relaciona essa nova condição da experiência do real com a experiência estética da arte de narrar:

“(...) o narrador é um homem que sabe dar conselhos. Mas, se ‘dar conselhos’ parece hoje algo de antiquado, é porque as experiências estão deixando de ser comunicáveis. Em conseqüência, não podemos dar conselhos nem a nós mesmos nem aos outros. Aconselhar é menos responder a uma pergunta que fazer uma sugestão sobre a continuação de uma história que está sendo narrada (...) O conselho tecido na substância viva da existência tem um nome: sabedoria. A arte de narrar está definhando porque a sabedoria - o lado épico da verdade - está em extinção.”

     De outra parte, o romance “Ulisses”, de James Joyce, considerado por muitos como o mais audacioso projeto de ficção contemporânea, parece querer encerrar todas as narrativas em um só livro, visto que busca representar o todo de uma cultura, na sua diversidade de histórias e de línguas, em uma única narrativa.
     Dessa forma, segundo Benjamin, seria correto afirmar que a narrativa joyceana dá por encerrado o ciclo da originalidade antes concedida à experiência humana? Não há nada de “novo” para ser contado em nossos dias?  Será James Joyce o “grande narrador” que comunica a sua própria desorientação, na qual a tradição não está ausente, mas agonizante? Aliás, quando nos defrontamos com o “Ulisses” joyceano, não residiria neste gesto um esforço no sentido de entendermos a desorientação e a cegueira do nosso próprio tempo, mergulhado na orgia do cotidiano?
     Segundo tantos, dentre eles Jorge Wanderley:

“Falar de Ulisses deixa as pessoas cegas.
 Joyce, pelo menos, a gente vê
 num restaurante austríaco, almoçando
 com a família entre valsas e dramas,
 e tal.
 Mas Homero, esse a gente não sabe se
 ele era a versão de Borges
 ou aquele busto que poderia ser de Sócrates.
 O grego, portanto, leva a uma cegueira maior
 que a da estátua, olho opaco fechado no aberto.

 Falar de Joyce deixa as pessoas Ulisses
 e os cegos pelo menos têm um olho
 polifêmico e vulnerável
 que nos mira antes de almoçarmos
 para então chorar os nossos mortos,

 Borges também deixa todo mundo
 cego e grego:
 o Imortal e seu cão Argos e tudo. São
 protonautas do táctil, do auditivo,
 do sensitivo mar no olhar enxuto?

 Falar de Homero deixa as pessoas
 Joyces e Borges
 deitadas no mesmo verde do cego.
 Há aquilo que vêem para dentro, é certo,
 assim:
 o olho opaco fechado no aberto
 chora seus mortos com Argos e tudo
 e o sensitivo mar
 do olhar enxuto
 assim se encerra assim.”

(Jorge Wanderley .“Que coisa tão literária”. Folha de S.Paulo. S.Paulo. 11 março 1984. Folhetim, p.12)


PROF. DR. SÍLVIO MEDEIROS
   verão de 2006


SÍLVIO MEDEIROS
Enviado por SÍLVIO MEDEIROS em 16/01/2006
Código do texto: T99366

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor (Prof. Dr. Sílvio Medeiros) e o link para o site www.recantodasletras.com.br/autores/silviomedeiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
SÍLVIO MEDEIROS
Campinas - São Paulo - Brasil, 61 anos
267 textos (351945 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:43)
SÍLVIO MEDEIROS