Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DO CONCEITO DE ARTE À CULTURA CRISTÃ

A partir das primeiras manifestações artísticas, o homem foi redefinindo o conceito de arte

No processo de produção de conhecimento, o homem foi obrigado a desenvolver suas primeiras experiências de vida. Diante dessas experiências, surgiu o sentimento, característica que o difere de outros animais, e que o levou a desenvolver manifestações para demonstrar as emoções.  A essas manifestações, dá-se o nome de “arte”. Resumindo, a arte é a manifestação dos sentimentos do ser humano, a forma de expressar por meio de objetos, esculturas, pinturas, o universo de suas emoções.

Os primeiras indícios artísticos surgiram no Período Paleolítico, tendo como evidência as pinturas nas cavernas que retratavam elementos naturais, ou seja, a visão que o “homem das cavernas” tinha do meio em que vivia. As pinturas, desenvolvidas com apenas contornos ou cores brilhantes, revelavam uma visão fantástica da vida. O pintor do período supunha ter poder sobre o animal desde que o representasse inferiorizado, como é o caso do “Bizão Ferido”, encontrado na caverna de Altamira, Norte da Espanha. Em virtude do desconhecimento do homem na participação do processo de reprodução, era concedida à mulher uma idealização divina, sendo elas assim apresentadas. Ainda na Pré-História, na Idade da Pedra Polida – Neolítico – ocorrem grandes transformações na história da arte. O homem começa a abandonar o estilo naturalista e inicia a representação de sua vida coletiva, surgindo uma idéia de movimento por meio da imagem fixa, como danças, que poderiam estar ligadas ao trabalho de plantio e colheita. A primeira forma de escrita também data-se desse período, baseada na remodelação da natureza pelos desígnios, desejos e da satisfação interior do ser humano, e que consistia na representação de seres e idéias por meio do desenho. Mais tarde, essa satisfação seria chamada pelos gregos de prazer estético. A  preocupação  com  a  beleza fica evidenciada nas artes em cerâmicas. As  construções  de  moradias  de  pedras  (dolmens) são consideradas uma das primeiras obras de arquitetura que a história registra.

Ao descobrir sua capacidade de adaptar-se ao mundo, o homem começa a se tornar civilizado, descobrindo-se agricultor e organizando a sociedade em que vive. Como elementos da estrutura do poder, há a união da força física e das idéias e, como fruto desse trabalho intelectual, surgem os primeiros sinais sagrados.

Na Antigüidade, as manifestações artísticas das chamadas grandes civilizações iniciaram-se na Mesopotâmia, onde ainda não havia um conceito definido. A arte, assim como a música e a dança, consistia num elemento da religião, vista também como um instrumento do poder. A ética da religiosidade não era bem definida, não havia uma concepção de separação entre o bem e o mal, reverência a Deus e ao Demônio. Notava-se um tratamento especial para os olhos, vistos como as janelas e as portas da alma. A arquitetura caraterizava-se pela presença de argila em substituição às pedras, como os Jardins Suspensos da Babilônia.

Os egípcios pensavam na vida como uma espécie de penitência e não como uma dádiva divina, o que os levavam a uma preparação para a morte, considerada a grande ideologia do povo. Assim, surgiram uma das mais importantes manifestações arquitetônicas de arte: as pirâmides ou suntuosos túmulos dos faraós. A partir da 4ª dinastia, as pirâmides foram substituídas por túmulos menos suntuosos, caracterizando-se como artes convencionalistas. Foram também os egípcios que iniciaram a trabalhar os “capitéis”,  que mais tarde influenciariam os gregos.  Nota-se na arte egípcia a exposição das figuras com os rostos de perfil, contudo com os olhos, também vistos como as janelas da alma, e o corpo, em virtude do posicionamento do coração, apresentados de frente. As esculturas, sempre talhadas em pedra, tinham a caraterística de serem pintadas com cores berrantes.

O Classicismo, ideal de beleza e perfeição, representou o apogeu da arte grega. Apesar da importância artística dos egípcios, foi na Grécia que surgiu o conceito contemporâneo de arte, tratando-se de uma visão racional, uma tentativa de explicar o mundo pela razão e não pelos sentidos (mítico, místico, religioso e esotérico) presentes nas culturas anteriores. Contudo, o pensamento racional  ainda  não consegue se libertar dos pensamentos anteriores.  A arte  grega  teve  a  egípcia  como  a maior fonte inspiradora, aplicando a mesma simetria natural para representar o corpo humano,porém com uma anatomia diferente, mais desenvolvido   e com mais vivacidade. A força física era considerada o padrão ideal para modelar o corpo masculino, e indicava uma  preparação para a guerra. Pelo fato de não ter uma função religiosa a exemplo do Egito, a arte pôde evoluir livremente. Os templos, considerados como as casas de Deus, são as edificações que mais despertam interesse na arquitetura, mais influenciada pelos cretenses e constituída por três ordens arquitetônicas, termo utilizado somente em relação à arquitetura grega: dórica, jônica e coríntia. O teatro de tragédias e comédias, como manifestação artística, também surge na Grécia.

A mitologia, ou seja, todo o pensamento possível para explicar os acontecimentos até que haja uma teoria racional, teve a sua origem nas tradições gregas como cultura oral, transformada em literatura pelo precursor Homero (fato ou lenda), que escreveu “Ilíada” e “Odisséia”.  Pela importância da mitologia no mundo antigo e até no contemporâneo, a mitologia pode também ser vista como uma manifestação artística. Uma importante característica no estudo mitológico é a representação de deuses com a imagem e semelhança dos homens. Se Homero constitui a fonte primária para o estudo da mitologia grega, Hesíodo também merece destaque, por retratar em “Teogonia” a criação do mundo na visão de seu povo. Do conflito de duas forças antagônicas, o Caos, entidade não material, e o Eros, que representava a união e a ordem, nasce uma entidade física denominada Gaia, a deusa terra.

Pelas poderosas estruturas coercitivas (força física e ideológica) presentes no Império, os romanos estruturam seu poder. Da união dessas forças, surgiu o “Direito Romano”, cujos princípios estão presentes na vida do ser humano até a atualidade. A maior manifestação artística da arte romana é a arquitetura, clássica do ponto de vista formal e voltada à exaltação do Império na visão do conteúdo. O Coliseu, enorme anfiteatro no centro velho da cidade e o Pantaleão, templo dedicado a todos os deuses, são exemplos da engenharia arquitetônica. Em Pompéia, encontram-se os últimos vestígios de afrescos, técnica úmida de pintura em paredes que imitavam painéis e cenas arquitetônicas, como testuras naturais de pedra ou figuras não abstratas. Em pinturas  encontradas na Casa de Ivete, a manifestação dos desejos  carnais do homem é representada de maneira explícita para os padrões da época. Exageradamente apaixonados pela cultura grega, os  romanos  acabaram  trabalhando  os  mesmos  temas
clássicos.

A religiosidade constituía um dos pontos vulneráveis do Império, que não a impunha aos povos conquistados justamente pelo fato de não ter uma religião definida. Com o surgimento e a longa perseguição ao Cristianismo, perdura em Roma durante vários séculos um classicismo decadente, acompanhado de uma nova cultura e manifestação artística em ascensão, a paleocristã ou primitiva cristã. Inicialmente, durante a repressão romana, a única forma de arte que merece destaque são as pinturas nas paredes das catacumbas subterrâneas, utilizadas pelos cristãos para enterrar seus mortos e para pregações. O fim do Império Romano do ocidente e o início da Idade Média marcou o triunfo do Cristianismo, após ser oficializado pelo Imperador Constantino. A arquitetura do período foi marcada pela construção de igrejas. A escultura teve um papel secundário devido à proibição de imagens contidas no Velho Testamento, restringindo-se a formas pequenas que retratavam passagens e temas bíblicos. Os sarcófagos construídos para os membros mais ricos da congregação são considerados as primeiras esculturas cristãs.

Após a oficialização do Cristianismo e o surgimento da arte paleocristã, outras manifestações foram surgindo como a cultura bizantina (Império Romano do Oriente), nome referente à cidade de Bizâncio que foi alterada para Constaninopla em homenagem ao imperador Constantino. No Ocidente, segue uma cultura hemogênea chamada de arte românica, tendo a literatura como a grande manifestação da época. Por fim, a arte gótica, surgida na Europa Setentrional, expressada principalmente pela construção de suntuosos reinos medievais.

TEVE ALGUMA UTILIDADE PARA VOCÊ?
ENTÃO, FAÇA UM DONATIVO PARA QUE POSSAMOS POSTAR MAIS TEXTOS DE INTERESSE GERAL!
Banco do Brasil
Agência: 2051-6 / Conta Corrente: 58.819-9
José Donizetti Morbidelli
Enviado por José Donizetti Morbidelli em 03/02/2006
Reeditado em 30/12/2016
Código do texto: T107667
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Donizetti Morbidelli
São Paulo - São Paulo - Brasil
219 textos (629812 leituras)
24 e-livros (1403 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/04/17 05:25)
José Donizetti Morbidelli