Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Antropologia cristã


No cristianismo o homem aparece como um ser conduzido pela providência divina. Nele se revela uma profunda dependência de Deus, numa relação de intimidade que difere muito em relação á concepção platônica de Idéia, e da de Aristóteles sobre o Primeiro motor.
O fato é que , ao contrário do que muitos defendem, o cristianismo não valorizou somente a alma do homem. Muitos pensadores como São Boaventura e Tomás de Aquino apreciaram a matéria.
Por muito tempo o platonismo foi a base da filosofia e antropologia cristãs. No Fédon encontram-se as bases para as idéias cristãs sobre a vida futura, céu e inferno, castigos e recompensas. Mas Aristóteles também influencia o pensamento cristão, e a partir dele se dissemina a concepção de alma como a forma do corpo.
O cristianismo tem por finalidade a salvação individual do homem concreto.Cristo veio salvar o homem, e não somente a alma. O homem é então um ser racional composto de alma e corpo. Durante muito tempo as concepções sobre o homem oscilaram entre o platonismo e o aristotelismo, com o risco de comprometer, pela concepção platônica, a unidade do homem, bem como a imortalidade da alma pela adoção da concepção aristotélica.
Santo Agostinho adota a concepção platônica. Para ele, o homem não é corpo nem alma, mas sim uma alma que se serve de um corpo. A alma é o homem. O corpo aparece numa relação de submissão com relação à alma.
Gregório de Nissa adota uma concepção aristotélica com relação à alma, e é combatido por Nemésio. Porém esta concepção de Aristóteles apresenta um problema: se o homem é formado de corpo e alma, sendo que nesta relação a alma é a forma do corpo, organizadora deste, quando o corpo morre, o que acontece com a alma? Não há mais o homem. O corpo é simples matéria em decomposição. E a alma?
Avicena, no século XIII, tenta uma síntese do pensamento de Platão e Aristóteles, e teve forte influência na filosofia cristã dos séculos XIII e XIV. Para Avicena, se falamos da alma considerada em si, adotamos Platão, já a alma com relação ao corpo pode ser entendida a partir de Aristóteles. Mas de tudo isso resulta uma constatação: a união de alma e corpo não está incluída na essência da alma, e o homem não é um ser em si, mas um ser acidental.
A solução vem com Tomás de Aquino. Para ele, a alma é forma que possui e confere substancialidade. Ela é incorpórea, mas não na substancialidade. O homem é, então, unidade de uma alma que substancializa seu corpo, e do corpo em que essa alma subsiste.

Tiago Nunes Soares
Tiago Nunes
Enviado por Tiago Nunes em 15/11/2010
Código do texto: T2617302

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tiago Nunes
Ponta Grossa - Paraná - Brasil, 26 anos
170 textos (10274 leituras)
12 áudios (690 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/14 14:45)
Tiago Nunes



Rádio Poética