Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                                      Paulo Freire: 
      Educação para a transformação do Brasil e do mundo

                                                     




           Como mecanismo propulsor dos mais importantes avanços humanos, a educação constitui um meio para a melhoria do Brasil e do mundo. As práticas pedagógicas estabelecem diferentes maneiras de se transmitir o conhecimento, principalmente pelo diálogo entre professores e alunos. Após longas análises sobre tais atividades pedagógicas, o autor Paulo Freire construiu um arcabouço de novos conceitos no âmbito do ensino, de modo a desenvolver métodos que propiciassem o implemento de uma educação crítica e questionadora da realidade.



             Dessa forma, é imprescindível perquirir e concretizar as idéias do mencionado autor, a fim de que as palavras “ordem e progresso” deixem de ser apenas um lema estampado na bandeira brasileira, mas se viabilizem como ações de um País no qual a educação seja instrumento de mudanças sociais, políticas e econômicas. O poder transformador das práticas educativas se torna cada vez mais profícuo tanto para o desenvolvimento interno dos países quanto para a pacificação das relações estabelecidas internacionalmente. Construir uma comunidade mais cooperativa e menos litigiosa, seja em termos brasileiros ou globais, demanda sobretudo uma pedagogia voltada à tolerância e ao respeito das diferenças intersubjetivas. 



             Nesse sentido, Paulo Freire edificou várias obras em prol da aludida pedagogia, com perspectivas construtivas e conscientizadoras, em três grandes períodos de sua vida. Nascido na cidade de Recife, em 1921, Paulo Reglus Neves Freire iniciou na capital pernambucana as atividades intelectuais que marcaram o primeiro grande período de sua vida, no qual estabeleceu boa parte de seus fundamentos e concepções sobre a educação. Já na década de 1940, Freire iniciou estudos de Direito em Pernambuco e foi professor de língua portuguesa no Colégio Oswaldo Cruz, experiência que lhe trouxe uma série de subsídios para o desenvolvimento de seus métodos pedagógicos.



               Ademais, o referido autor também exerceu magistério no Serviço Social da Indústria (SESI) e na Universidade do Recife, de modo a aprofundar suas idéias sobre os aspectos filosóficos do processo educativo. No decorrer da década de 1950, Paulo Freire começou a afirmar-se de maneira mais nítida como educador progressista, sobretudo após escrever a monografia “Educação e atualidade brasileira”, tese com a qual foi aprovado no concurso para a cadeira de História e Filosofia da Educação, na Escola de Belas Artes pernambucana. As idéias centrais dessa primeira obra de Freire dizem respeito à necessidade de se construir uma escola prioritariamente democrática, que seja apta a solidificar no educando a passagem da consciência ingênua à consciência crítica.



                Em tal transição, os métodos pedagógicos devem proporcionar ao indivíduo o enfoque no que tange aos problemas de seu País, do mundo e da própria democracia. Para o implemento desse novo processo educativo, Paulo Freire substituiu a organização tradicional das salas de aula em carteiras enfileiradas por círculos de debate entre educadores e educandos, o que facilitaria o intercâmbio de saber entre ambos os agentes. A referida técnica foi aperfeiçoada nos primeiros anos da década de 1960, período em que o método freireano passou a ser utilizado pelo Programa Nacional de Alfabetização do Ministério da Educação e da Cultura (MEC). Paralelamente, o aludido método também foi implementado no Projeto Educacional de Adultos, dirigido por Paulo Freire em parceria com o Movimento de Cultura Popular, de modo a desenvolver atividades de alfabetização junto a comunidades carentes do Brasil, como aquelas situadas em Angicos, no Rio Grande do Norte.



                  O caráter crítico do método de Paulo Freire, de certa forma, colidiu frontalmente com os interesses do regime militar instaurado após o golpe de 1964, o que ensejou a prisão e o posterior exílio do educador. Esse acontecimento iniciou o segundo grande período da vida de Freire, caracterizado pela maior abrangência internacional de suas idéias e técnicas. Entre os anos de 1964 e 1969, o autor residiu em Santiago do Chile, onde revisou a obra “Educação e atualidade brasileira” com o novo título de “Educação como prática da liberdade”, além de ter escrito a “Pedagogia do Oprimido”, vista por muitos intelectuais no sentido de ser a obra-prima freireana. O tema central da referida obra diz respeito à idéia de que deve existir um intercâmbio contínuo de saber entre educadores e educandos, com o escopo de que os últimos não se limitem a repetir mecanicamente o conhecimento transmitido pelos primeiros. Por meio do diálogo entre professores e alunos, estabelecem-se possibilidades comunicativas em cujo cerne está a transformação do educando em sujeito de sua própria história.



                     Traduzida em diferentes idiomas, a Pedagogia do Oprimido revela que a educação conscientiza os indivíduos sobre as diversas contradições e disparidades do mundo, de modo a incutir-lhes a demanda por mudanças na realidade social. Ademais do referido livro, outras relevantes obras foram escritas por Freire no transcorrer de seus anos no exílio, tais como “A Contribuição ao processo de conscientização do homem na América Latina” e a “Ação cultural para a liberdade”. Já durante a década de 1970, Paulo Freire passou a residir na Suíça, de modo a lecionar na Universidade de Genebra por sucessivos anos. A partir de então, Freire começou a expandir suas idéias sobre a prática educacional para diferentes países da Ásia, da América e da África, por meio de palestras em universidades e de contínuas traduções de seus livros.



                     Em 1971, o educador fundou o Instituto de Ação Participativa (IDAC), com sede em Genebra, a fim de promover estudos com outros exilados brasileiros e de aprofundar sua práxis pedagógica. Com a concessão de anistia pelo governo do Brasil, Paulo Freire retornou ao País em 1980 e transferiu a sede do supracitado instituto para a cidade do Rio de Janeiro. Após quinze anos de vida como exilado, o aludido educador passou a ter residência na capital paulista, de modo a iniciar um terceiro importante período de sua trajetória intelectual. O livro preponderante que marca esse período é “A importância do ato de ler”, primeira obra publicada por Freire em âmbito brasileiro após o exílio, cujo tema precípuo diz respeito à idéia de alfabetização como mecanismo que possibilita o entendimento do mundo. Assim, o ato de alfabetizar traz em seu cerne um vínculo dialético entre linguagem e realidade.



                  Por meio da leitura, exercitam-se reflexões por parte dos indivíduos acerca do contexto sócio-político e econômico no qual se inserem, de modo a se propiciar uma leitura crítica e fomentadora de transformações. Outros grandes livros foram escritos por Paulo Freire após seu retorno ao Brasil, entre eles “Educação popular” e “Aprendendo com a própria história”, esse último publicado em co-autoria com Sérgio Guimarães. Tal obra versa, basicamente, sobre a forma pela qual os fatos sociais e políticos vivenciados por Freire no decorrer das décadas de 1960 e 1970 influenciaram a elaboração de seu método pedagógico. Por meio da publicação dos referidos livros e de aulas ministradas em instituições como a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), o mencionado educador aprofundou suas idéias sobre as práticas educacionais , de modo a ampliá-las no contexto brasileiro.



                 Entre os anos de 1989 e 1991, Paulo Freire foi Secretário de Educação na capital paulista, o que fundamentalmente lhe propiciou a possibilidade de concretizar algumas de suas teorias pedagógicas. As atividades como secretário educacional ainda ensejaram subsídios para que Paulo Freire escrevesse o livro “Educação na cidade”, cuja abordagem é composta por várias entrevistas concedidas pelo autor sobre sua meta de estabelecer uma escola verdadeiramente democrática. Editado logo após a saída de Freire da Secretaria de Educação, o referido livro explicita a idéia de que a escola pública é um direito inalienável dos indivíduos, mediante o qual deve ser implementado o diálogo construtivo entre professores e alunos.



                   Em linha argumentativa análoga, Freire escreveu a obra “Pedagogia da esperança”, que traz uma síntese acerca das principais temáticas de cunho social, político e econômico, verificadas na América Latina durante séculos de exploração. Assim, o livro citado proporciona a noção central de que a esperança pode ter primazia no tocante às opressões sofridas por diferentes povos, sobretudo se a dignidade humana for reconstruída por meio de uma educação crítica e conscientizadora. Ainda durante a década de 1990, Paulo Freire publicou diversos livros sobre o tema pedagógico, tais como “Professora sim, tia não”, “Política e educação”, “Pedagogia da autonomia”, “Cartas a Cristina”, “À sombra desta mangueira”, entre outros. Os três primeiros livros supracitados revelam facetas já conhecidas do pensamento freireano, no sentido de abordarem aspectos concernentes à construção crítica e politizada do saber individual. Já as duas últimas obras denotam as habilidades mais poéticas e filosóficas de Freire, de forma a minudenciar memórias do autor sobre sua trajetória de vida. Em diferentes obras, Freire salientou a importância de se implementarem técnicas educativas que proporcionem o entendimento sobre os problemas do Brasil e do mundo.



                     A partir desse prévio entendimento, é possível estabelecer ações efetivas para a resolução de imbróglios e contendas que se multiplicam incessantemente em âmbito brasileiro e mundial. Ademais, o método freireano também incluiu como um de seus pressupostos a conscientização sobre a necessidade de tolerância e respeito, seja entre os indivíduos ou entre os países. Paulo Freire teria propiciado muitas outras lições à humanidade se um infarto não tivesse lhe ceifado a vida, em 1997, após décadas de engajamento em prol de uma pedagogia crítica. Com toda essa abordagem sobre as principais obras e idéias de Paulo Freire, torna-se nítida a importância da educação para as transformações tanto do mundo quanto do Brasil. 


-----

http://reflexoesliterariasonline.blogspot.com.br/
http://pt.shvoong.com/social-sciences/education/630254-Pedagogia do Oprimido

Juliana Silva Valis
Enviado por Juliana Silva Valis em 11/01/2007
Reeditado em 01/04/2012
Código do texto: T344154

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Juliana Silva Valis
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 30 anos
3937 textos (841874 leituras)
4 e-livros (1837 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/14 05:56)
Juliana Silva Valis



Rádio Poética