CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

ALGUMAS IDÉIAS DE PAULO FREIRE

Paulo Freire não foi apenas um mero expectador da história do seu povo, de modo que suas ideias trazem clara e explicitas as marcas da  sua experiência vivida pelo Brasil. Ele soube reconhecer com clareza as prioridades nesta etapa crucial assinalada pela emergência política das classes populares e pela crise das elites dominantes. E como o seu ponto de partida, e sua opção radical é a libertação dos oprimidos, o sentido mais profundo da sua obra é ser a “ expressão dos oprimidos". Tem mérito não apenas de denunciar uma educação supostamente neutra, como o de distinguir claramente a pedagogia das classes dominantes da pedagogia das classes oprimidas. A sua pedagogia não é apenas para os pobres, mas também era do seu desejo ver os não- pobres e as classes médias se engajando na transformação  do mundo.

A pedagogia freireana

A nossa educação é sustentada por dois tipos de humanismos que embora se  combatam são ambos conservadores: o humanismo idealista e o tecnológico. O primeiro se perde na contemplação dos ideais de uma sociedade humana “ acima da luta de classes” e o segundo elimina todo o ideal, substituíndo-o pela ciência e pela técnica, por essa razão deve ser modificada, tornado-se transformadora e libertadora; para isso precisa-se construir entre educadores e educandos uma verdedeira consciência histórica. A visão da liberdade na pedagogia de Paulo Freire é a matriz  que atribui sentido a prática educativa que só pode alcaçar efetividade e eficácia na medida da participação livre e crítica dos educandos. As suas afirmações básicas recaem numa epistemologia dialética para interpretar o desenvolvimento da consciência humana e seu relacionamento com a realidade. Estudar é uma forma de reinventar, recriar, reescrever e isso é “uma tarefa do sujeito, não de um objeto". O empenho ético e a alegria de aprender  é todos terem acesso ao conhecimento e as relações sociais e humanas renovadas, envolvendo transdisciplinaridade, transcurricularidade e interculturalidade. Freire sabia trabalhar com vias disciplinas  e teorias ao mesmo tempo e insistia que os alunos buscasem ora de seu currículo outros conhecimentos.

O conhecimento e a escola

O conhecimento deve ser um bem imprescindível à produção da nossa existência, por essa razão não pode ser “sujeito de compra e venda", cuja posse fique restrita   a poucos. Paulo Freire tinha um verdadeiro amor pelo conhecimento e pelos estudos, dizia que conhecemos para  entender o mundo, para averiguar  e para interpretar  e transformar o mundo. O conhecimento deve constituir-se numa ferramenta essencial para intervir no mundo, pois conhecer é descobrir e construir, não copiar. A escola constroí saber que é poder, não distribui o poder, o seu papel consiste em colocar o conhecimento nas mãos dos excluídos de forma crítica, porque a pobreza política produz pobreza econômica.

A consciência

“Consciência é intencionalidade em direção ao mundo”. Através da problematização das relações entre os seres humanos e o mundo, é possível para eles recriarem, remarcarem o processo natural através do qual a consciência apareceu no processo de evolução.

Humanização e autolibertação

A humanização é nossa “vocação ontológica”. Somos requeridos continuamente pelo que somos para humanizarmo-nos,  para expressar, sustentar e expandir  nossa humanidade em permanente  práxis  compartilhada. Somos chamados para dialogar, nomear o mundo em ação - reflexão com outros humanos. A noção de vocação ontológica é idêntica a práxis universal e humanizadora de e pelos oprimidos, ao invés de e para eles. A “práxis genuína e libertadora não cessa mesmo com o ato revolucionário de autolibertação. A verdadeira vocação da humanização é libertar a humanidade, incluíndo os opressores e aqueles  como os profesores que são frequentemente recrutados pela elite para trbalhar com os oprimidos, mas que, sem reconhecer, perpetuam o domínio através do ensino.

A cultura

A cultura pode ser um complemento do que aprendemos na escola como também, um motor do conhecimento. A educação como uma ação cultural está relacionada ao processo de consciência crítica e como educação apresentadora de problemas, tem por objetivo ser um instrumento de organização política do opromido.

As histórias

As historias que os alunos contam - baseadas nas suas próprias experiências -  são  muito importantes para o ensino- aprendizagem e não deve ser ignorada pelos educadores. Tais histórias necessitam serem faladas, ouvidas  e afirmadas, mas também criticadas  quando personificam.  
Catia Assis
Enviado por Catia Assis em 28/08/2007
Reeditado em 16/10/2010
Código do texto: T627672
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (PINHEIRO,Catia Torres). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Catia Assis
Salvador - Bahia - Brasil, 31 anos
11 textos (513495 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/09/14 18:02)