Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Buraco Negro

Não há como bater sempre na mesma tecla se o percurso do Universo não encontra resposta significativa. Conturbado e retalhado. Desta forma assisto Nosso paciente na mesa de cirurgia aguardando a retirada de seus órgãos vitais. Pedacinhos de memórias, alguns heróis mortos buscantes e acreditantes em seus próprios Universos. Paz, Justiça, Ecologia. Pois bem. Pra quê tentar abrir os olhos que não enxergam e falar aos ouvidos das consciências inalteradas? Não há entendimento. Pobres crianças. Escravas de si. Cegas em si. Sem óptica de visão.

Perdi-me em esperanças de encontrar a luz no escuro. Encontro-me sugada pelo buraco negro do Espaço e de mim. Repleto de infinitos sentimentos poéticos e galáxias perdidas... Poéticos.. Poéticas... Poeta?!

Minha Mãe Natureza está sozinha. Possui camadas de ozônio nos poros e precisa respirar... Empresto-lhe um respirador artificial, verifico a pressão arterial... Não adianta... Quanto tempo útil lhe resta? Não sou médica. Não há nada que eu possa fazer. Com a minha pouca sabedoria de mulher apreensiva e minha ciência patética e ultrapassadamente retrógrada, assisto alguns “insight” de sua fúria em pontos diferentes, ainda tentando alertar; mas Ela é Mãe e piedosa. Dá uma nova chance. Ainda tenta nos recuperar e alertar.

Há um calor nunca dantes ali. Outro, um frio dilacerante.. Um mar de gelo escorrendo em superaquecimento. Flores pedindo passagem diante de imensos blocos de cimento e concreto; elas teimam aqui e ali. Meninas insistentes... Persistentes, pacientes – tentam. E a terra? A terra aguarda sementes viciadas.

Fixo o pensamento em meu Planeta que de alguma forma tenta manter a tradição e luta por sobrevivência. Há nêutrons, prótons, elétrons. Cruzamentos de espécies. Bombas e irradiação. Césio. Capitalismo moderno? Medieval? Feudal?
O Homem. O ser inteligente. O bárbaro. O animal irracional...

Agora tento olhar a Justiça, mas vejo-a presa em uma cela especial. Cela superior. Rindo das letras. Debochando dos pratos onde não se equilibra a balança. Protegida da própria Lei. A Lei com óculos escuros e grau máximo de miopia.

Aguardo, Não sei o quê. Será que há lugar pra mim dentro desse buraco? Nesse mundo de pecados capitais, é louco e ridículo entitular-se poeta e, mais ainda, jurar que ainda vencem as flores.



Rose de Castro
A ‘POETA’
Rose de Castro
Enviado por Rose de Castro em 17/11/2007
Código do texto: T741458
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rose de Castro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
200 textos (22281 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 15:09)
Rose de Castro