Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os pobres e a ética

Os pobres e a ética
Pedro Madeira

Resenha Crítica
Mauro Gouvêa
Coordenador e Professor do Curso de Administração das Faculdades Integras ASMEC UNISEPE

Pedro Madeira detona os preceitos de Peter Singer. Analisando a luz do que foi exposto, uma vez que não conheço a obra de Singer em sua íntegra, o que ele propõe é politicamente correto e exemplarmente ético, no entanto, com uma racionalização cínica porém verossímil, Madeira transforma Singer numa espécie de “Poliana”.
Negar as proposições de Singer é ir contra nossa educação judaico-cristã, mas indignar-se com as cruas conclusões de Madeira é assumir um cinismo e uma hipocrisia que normalmente escondemos dentro de nossas bíblias e mascaramos com nossa roupa domingueira de ir à missa.
As premissas foram muito bem exemplificadas e argumentadas. O que Madeira nos leva a refletir é sobre nossas posturas éticas vivenciais. As temos?
O que é realmente combater a pobreza, ainda mais a pobreza absoluta? Bastaria indignarmo-nos e distribuir esmolas ou levarmos uma vida de anacoretas? A civilização ocidental e a moral cristã nos obrigam a isso. Mas o fato de pertencermos a um mundo capitalista onde o “Ter” é muito mais interessante do que o “Ser”, também é algo inegável. Sob esse aspecto é muito pouco provável que pensemos em ética quando se trata de abdicar de nossa zona de conforto e de nosso status e do “status quo” dominante.
Vemos que é muito barato comprar uma postura ética e uma consciência tranqüila, basta darmos esmolas. Uma moeda é muitas vezes o preço de um coração leve. Quanta hipocrisia!
Como Madeira mesmo citou, as duas primeiras premissas de Singer são facilmente racionalizadas, é claro que os exemplos citados são paródias por serem extremos e contextualizadas podemos escolher entre sermos heróis da ética ou ícones da vilania. Quem se habilita?
Como negar que a pobreza absoluta é um mal? Ou ainda, será mesmo um mal necessário? São respostas muito mais filosóficas do que práticas, mas a erradicação deste mal nos leva a uma sociedade utópica, pois teria que se eliminar não só as diferenças econômicas e sociais como também as diferenças comportamentais de cada indivíduo sobre a face da terra.
Por fim, Madeira nos propõe um dilema e joga sal (ou ácido) sobre a ferida exposta de nosso individualismo. Somos responsáveis não só por nossas ações pontuais mas também e principalmente, por nossa inatividade e inércia no que tange a sermos éticos ou simplesmente, menos egoístas.
Mauro Gouvêa
Enviado por Mauro Gouvêa em 28/04/2006
Reeditado em 18/04/2013
Código do texto: T146936
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mauro Gouvêa - www.recantodasletras.com.br/autores/maurogouvea). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mauro Gouvêa
Alfenas - Minas Gerais - Brasil, 51 anos
432 textos (56520 leituras)
3 áudios (837 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 14:55)
Mauro Gouvêa