Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pássaros de Papel em Nuvens de algodão(Auto-resenha-crônica)

19/11/2005 07h15
Pássaros de Papel em Nuvens de Algodão
Sempre tive um olhar fascinado sobre a síntese.Gosto de coisas pequenas,que revelam mais,ou muito.
Na década de 60,nos meus tempos de Gazeta Comercial(Juiz de fora,MG),recebi de um poeta que era carteiro,morador de Itajubá,um livrinho onde expunha seus dístico.O mais simples deles ficou-me na memória:

"Como o café é o amor,
se esfria,perde o sabor."

Não sei se estou enganada,mas penso que seu nome completo é José Nogueira da Costa-e já mandei um e-mail para a Terzinha Ophélia Rennó,presidente da Academia de Letras de lá,que confira,para mim.

Passei um bom período escrevendo o que intitulei minipoemas.Era a moda da minissaia,lançada pela inglesa Mary Quant e que tanto escandalizava os pais mineiros.Morava em Juiz de Fora.Eu filha de nordestinos,rígidos em questões demoral,mas liberais com "menos roupa",por causa dos hábitos de vida praiana,claro,usava vestidos e saias sobre meias arrastão ,meias brancas cintilantes,com a aprovação paterna.Artistas também adoraram a moda,e sempre lembro da Suely Costa com suas irmãs ,Telminha e Lisieux:lindas vozes,lindas pernas.A primeira é compositora de renome nacional.Quando chegamos à "Manchester Mineira",na década de 50,estranhávamos porque quase ninguém viajava ou conhecia praia,de perto,só os mais ricos ou os mais atirados.Nos Anos 60 começou a moda de irem passar férias em Cabo Frio,depois nas praias capixabas.Depois que se é batizado pelo mar,não se consegue mais viver tanto tempo sem ele.Era comum casais economizarem o ano inteiro para essas férias praianas...
Eu falava antes de minipoemas,que divagação!.
Colecionava um tanto,contrastantes com meus verdadeiros derrames de versos brancos,ou os cordéis.Lembro uma vez de ter mandado minha enxurrada poética para dois poetas amigos,Kiko Consulin,paranaense radicado no Maranhão(do qual estou preparando uns comentários para postar)poeta de primeira linha e originalidade absoluta e Hegel Pontes,trovador e sonetista apurado.Eles se espantaram com a torrente verbal.
Na Internet,meu antigo divulgador cultural,Jorge Gonçalves inscreveu-me em Palavreiros,pois eu ainda não tinha PC.Dessa forma,iniciei uma troca de e-mails com o webmaster José Geraldo Neres,afeito a releituras que geravam belezas como o seu Projeto de Poemínimos.
Um dia resolvi fazer um e-book e convidei-o para integrá-lo.Não fizemos aqueles livros onde um escreve e o outro responde.Na verdade,são dois livros em um e que fez considerável sucesso no Brasil e em países de Língua latina.O Neres chamou à parte dele "Pássaros de papel,"numa referência ao origami,penso.Eu intitulara ao meu,"Nuvens de Algodão".Não se abalem se lhes parecer um nome pueril.O excelente poeta-arquiteto Almandrade chamou a um de seus livros,do qual gosto demais,de "Arquitetura de Algodão".Lindo.Chamei-o de livro definitivo,em um comentário.
Pois bem,o e-book do Neres e meu chamou-se "Pássaros de papel em Nuvens de algodão",o próprio título,um minipoema,com feitio oriental,mas sem a modelação do haicai(tercetode 5,7 e 5 sílabas poéticas).Poderia ser poetrix,com até trinta sílabas.A maioria não gosta muito dessa palavra(*).
Há um texto ótimo do Jurandir Argolo,explicando o que é essa modalidade de Poesia e suas diferenças com o haicai.
Os meus,podem ter mais ou menos versos,de forma que mantenho o termo minipoemas.Neres mantém o poemínimos.
No final do livro virtual há uma série dele ,à parte,à qual respondo(ver no final).

A MariaInês ,da AVBL,fez a primeira versão e o Baçan, do CEN, a segunda.
O endereço das bibliotecas virtuais é:

www.ebooknet.com.br/clevanepessoa

www.portalcen.org/bv/clevane/clevane.htm

Essa capa é a da Maria Inês Simões.Depois colocarei a do Baçan aqui.

Um trecho de meu prefácio:
****************************************************************

Título: Pássaros de Papel em Nuvens de Algodão


Autores: Clevane Pessoa de Araújo Lopes

José Geraldo Neres



"...Amo a pequenez das coisas: o minivergel sob a relva, cujas flores mínimas em tudo lembram as de tamanho normal... Na adolescência, pensava: será um jardim de duendes? Fadinhas?... Colecionei miniaturas de muita coisa: casinhas, corujas, tartarugas, borboletas, elefantes... Em cada cantinho de minhas agendas, há numerosos pequenos desenhos... Menina, queria ouvir mais a história do Pequeno Polegar, da Polegarina..." (Clevane Pessoa)
******************************************************************************************

E eis algums das respostas que dei à série do Neres(apêndice):


ORQUÍDEA______Neres:

Traz a rama
na trama do tempo

ORQUÍDEA_______Clevane:

Tear do tempo
tessitura ardente...

>>>***>***>***>***
OUTONO________Neres:

azul-orvalho
gotas de dias

OUTONO________Clevane:

amarelo ouro
folhas que caem...


>>>***
clevane pessoa de araújo lopes
Enviado por clevane pessoa de araújo lopes em 19/11/2005
Código do texto: T73426

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autor e o link para o site "www.sitedoautor.net(Clevane pessoa de araújo lopes;(www.clevanepessoa.net/blog.php)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
clevane pessoa de araújo lopes
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 69 anos
555 textos (176736 leituras)
21 e-livros (13423 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:29)
clevane pessoa de araújo lopes