Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O MESTRE DOS MARES-O LADO MAIS DISTANTE DO MUNDO

O MESTRE DOS MARES-O LADO MAIS DISTANTE DO MUNDO
Por FLAVIO MARTINS PINTO

A tradução mais correta do filme de Peter Weir seria MESTRE e COMANDANTE- DO LADO MAIS DISTANTE DO MUNDO( Master and Commander- the far side of the world).
Inúmeras vezes o título comercial do filme nos dá uma pista do que ele é, outras despista.
E de fato, e o que se vê em Mestre e Comandante- prefiro este nome- é o pleno exercício da ação de um comandante militar, no qual destaca-se o compromisso com o Dever e a Missão a cumprir.
Ambientada no tempo em que o Mundo era apenas a Europa no período  napoleônico, a ficção gira em torno de uma ordem dada ao capitão JACK AUDREY, da Marinha britânica e comandante do HMS SUNRISE, para perseguir o ARCHEON, uma moderna fragata francesa e muito bem artilhada, que levava o terror aos mares do Sul e, de acordo com os britânicos, queria levar a guerra ao Pacífico. A perseguição foi da costa do BRASIL á Galápagos e inicia com ataque surpresa daquela belonave francesa ao SUNRISE quase o pondo á pique.
O comandante decide que o conserto não seria em Terra firme e sim em alto mar, revelando seu tino de comandante fortalecendo a auto estima da tripulação e a confiança no seu comando. O HMS SUNRISE volta ao combate com o moral da tripulação fortalecido, apesar do ceticismo do médico/naturalista de bordo, que por sinal não era militar e pouco afeito aos ditames da caserna e não aceitava aquela situação.
Desde o início nota-se o cuidado a detalhes da linguagem náutica, típica dos homens do mar, e o guarda-roupa esmerado e ambientado.
A estratégia , desde a Antiguidade, é a arte dos generais  e ela se faz presente nas melhores decisões de AUDREY, em mais uma brilhante interpretação de RUSSEL CROWE, assim como o foi em GLADIADOR. Ele consegue passar ao público os momentos mais decisivos de uma ação/decisão personificando-a com seu carisma, chamando para si a responsabilidade inteira da cena, mas não tirando o brilho dos coadjuvantes. Em o ÚLTIMO SAMURAI, TOM CRUISE em contraste com RUSSEL, atua tal qual um pintor que coloca seu nome bem suave e discreto ao pé de sua obra-prima.
JACK AUDREY , personagem criado por PATRICK O’BRIAN, pseudônimo de RICHARD PATRICK RUSS, comanda o navio com técnica de mestre náutico e instinto de homem do mar que navega e caça. E a caça era o ARCHEON.
O comandante. A responsabilidade de um comandante militar é intrínseca aos atos em função de comando. Ele é o exemplo, guia, instrutor, orientador, fiscalizador, líder de seus comandados e do meio que dispõe para cumprir sua missão. É sua a responsabilidade pela vida dos subordinados e, com propriedade o filme nos mostra o comandante AUDREY, ou JACK, O SORTUDO, como carinhosamente o chama a tripulação, orientando os Aspirantes no uso do sextante; decidindo pela sobrevivência da embarcação em detrimento ao socorro a um homem caído ao mar, pois com tal o navio afundava; treinando e exigindo  dos artilheiros no manejo dos canhões; conferindo o cordame  e postando-se na proa como a mostrar que é o líder; o vimos quebrar a palavra dada ao médico, que desejava sobrepor interesses da História natural ao cumprimento da missão;  vimos também o comandante chamar a atenção de um subordinado que falhara na sua tarefa e cobrar-lhe a atitude compatível sem deixar de orientá-lo. JACK, em ação,  é um comandante militar na sua plenitude empregando todos os seus conhecimentos guerreiros na perseguição do seu objetivo, ou  melhor dizendo, no cumprimento de sua missão.
O médico. Em contraposição as atitudes de JACK, STEPHEN , misto de médico e naturalista da embarcação, trabalha no cotidiano de um navio de guerra do final do Séc XVIII e início de XIX com todos os seus problemas de tempos de calmaria e pós combate. Tratamentos duros, amputações, cirurgias – inclusive uma nele próprio com auxílio de um prático- em meio a consertos de violino e violoncelo e discussões  com JACK. Nas suas confidências, STEPHEN não aceitava as atitudes de JACK, pois não era muito afeito aos ditames militares. Claro, o médico tem formação humanista e o comandante um guerreiro por natureza. A medicina militar é distinta da civil pelo convívio de mentalidades e do meio militar e assim é tratada nos conflitos.  Contudo, num dos seus arroubos naturalistas em Gálapagos onde se deleitava com a fauna e flora raras, divisa o inimigo entrando na baía , informando imediatamente o comandante que toma as decisões para as ações finais de perseguição. Assim como participa de um conflito a bordo contra a tripulação do ARCHEON e dá informação sobre o destino do comandante francês derrotado.
A tripulação.  Composta por toda sorte marinheiros, desde jovens oficiais a velhos lobos do mar, é mostrada nos mínimos detalhes. Alguns pouco percebidos. A roupagem, a faina diária, a alimentação, o respeito ostensivo á hierarquia, as superstições, a responsabilidade a solidariedade na execução das tarefas diárias, as cobranças, o sentimento e o amor pela Pátria, o romantismo e a saudade da terra firme nas canções singelas, a confiança no comandante, tudo com um linguajar adequado e muito bem falado pela marujada. Dadas as sua aparições e ações bélicas surpreendentes surgindo do nada, naquele tempo em que a visão era o único meio de alerta, o ARCHEON era tratado como um fantasma com todas as suas conseqüências no moral da tripulação. Foram atacados duas vezes e sabiam que a terceira seria fatal.
O HMS SUNRISE. Barco de guerra pesado, lento, foi milagrosamente recuperado pela tripulação após ataque do ARCHEON. Técnica e materialmente inferior ao seu inimigo lograva êxito na perseguição pela coragem e técnica náutica da tripulação e astúcia do comandante.

O inimigo. O ARCHEON era um barco poderoso militarmente, moderno e veloz para sua época. Nunca é mostrado por inteiro e sim como um ponto futuro a ser atingido. Na sua construção estava presente a futura indústria naval norte americana de guerra.
A intensidade das cenas e a proximidade com o espectador o coloca dentro do ambiente que viviam os marinheiros nos vasos de guerra daquela época.
Em resumo, Mestre e Comandante nos mostra o universo inteiro de um ambiente militar em combate, degladiando-se o médico, humanista por formação, com o comandante guerreiro personificado por RUSSEL CROWE e a tripulação ciente da sua missão e que busca cumprí-la a despeito dos meios que recebe e dos percalços do caminho. Suprem, comandante a e tripulação, a carência dos meios com competência, criatividade, obediência, firmeza, confiança mútua, intenso amor á Pátria e satisfação do dever cumprido. O moderno versus o antigo manejado com amor e competência.
O MESTRE DOS MARES, ou como prefiro, MESTRE E COMANDANTE, nos mostra a ação de um militar no trato de tudo que gira em torno de sua esfera de responsabilidade, indo do trato experiente com os homens á plena exploração militar nas circunstancias em prol do cumprimento da missão recebida. E o que mais me fascinou foi o confronto de gerações e de mentalidades: o moderno contra o antigo, o humanista contra o guerreiro, a superstição contra a realidade, a confiança contra a ceticismo, o dever e obrigação acima de tudo.

FLAVIO MPINTO
Enviado por FLAVIO MPINTO em 19/01/2006
Código do texto: T101111

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FLAVIO MPINTO
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 65 anos
530 textos (94087 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:57)
FLAVIO MPINTO