Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma Sinfonia de Silêncio (Suíte Havana)

Com quantas palavras se faz um filme, uma obra de arte? Fernando Pérez precisou de pouquíssimas. Na verdade, pode-se dizer que, em “Suíte Habana” (Suíte Havana – Cuba, 2003), seu último filme, temos um magnífico registro de pessoas comuns de carne, osso e vida, feito a partir, basicamente, dum profundo silêncio. Vários silêncios, aliás.

E como dizem, os silêncios! Cada qual com seu matiz específico, cada um com sua própria luz que é uma e todas ao mesmo tempo. Um close do feijão na panela, um velho assistindo TV, uma criança lanchando no intervalo da escola, uma vendedora de amendoins, seu olhar triste e distante em meio à cidade que, implacável, segue em desconhecê-los a todos, cheia de ruídos... o de um avião partindo pra um “aqui ao lado” tão longe... ondas estourando no Melecón, salgando os pés da velha Havana... Sim, olhares, gestos do dia-a-dia, a vida em sua prisão de tempo a escoar nos dizem muito sobre a Ilha de Fidel, sua gente, seus sonhos...

Quem são aquelas pessoas? O que nos interessa a vida delas? Gente que conjuga em si um misto de alegria e desalento de esperanças não realizadas, mas, ainda assim, esperanças. Até quando esperanças? E que cidade é essa Havana, esse persnagem, em cujo tecido vivo caminham, constroem suas insignificâncias, choram suas perdas, divertem-se, trabalham?

A revolução? Sim, a revolução: aquela antiga fotografia pendurada na parede (do tempo?) sem reboco, enquanto, na cozinha, a avó faz o café pra ser tomado ali mesmo com cream-craker e a luz do fim de tarde vai entrando pela janela...

O filme não deixa de ser uma lúcida e angustiante reflexão sobre a contemporaneidade de Cuba e a da América Latina, (não, nada de panfletário...), porém é, acima de tudo, um filme sobre gente de verdade – não à toa é um documentário – gente com as quais esbarramos todos os dias nas ruas de qualquer cidade de um Brasil, por exemplo. Belém?

É. Aquele merengue rasgado colorindo o centro da cidade, bem poderia ser um tecno-brega bem maluco, um “pancadão”, um forró – por que não? – uma guitarrada talvez. E quem nunca presenciou aquela torcida de pescoço que o ambulante dá em direção a morena que passa e que é tão comum e natural quanto ele próprio ou as risadinhas das pessoas que, vendo a cena, continuam a esperar no ponto de ônibus? Ou a cantada barata (vulgar mesmo! Dessas de virar e dar uma tapa na venta do infeliz) não é algo de universal? E há sempre o sexagenário morador de uma “cidade velha” ou “marambaia” da vida que vai sempre escutar seu radinho de pilha depois do almoço. Há isso em toda a parte: quer em Havana, na Lapa, no Mercado Modelo em Salvador, no Ver-o-Peso...

Ah, o Ver-o-Peso! Os feirantes do Ver-o-Peso despertam pra lida do mesmo modo que os de Havana: todos iguais em amanhecer, compartilhando um mesmo silêncio de 3:00h da manhã, assim repleto da sonoplastia da carga e descarga de mercadorias... E mais tarde, quem sabe não é a mesma chuva que vai lavar seus corpos e de todos os outros trabalhadores? Irmãos em batismo...

E em desejos. Como desejam, esses seres. Teimam em olhar as estrelas. Cultivam sabe lá quantas vidas paralelas; costuram uma teia quase que infinita de sonhos. Quase... Dar uma vida melhor para os filhos? Ajudar o marido aposentado? Dançar ou atuar num grande palco? Cantar travestido de mulher para um monte de gente numa gafieira? Construir a casa da mãe? Ser feliz. Desejos que cotidianamente adiamos; desejos nossos que calamos, por necessidade até.

Sim, o silêncio nos diz muito sobre nós mesmos. Mais que isso, nos convida a falarmos com nós mesmos. Faz-nos pensar em nossas alegrias e tristezas, nossa infância, nosso futuro, nossos hábitos, nossos sonhos, nossas pessoas... são tantas... nossas vidas... E, talvez, isso seja essencial.

Suíte Havana: um ótimo filme.


(pubicado no Portal Cultura de Comunicação disponível em http://www.portalcultura.com.br/clube/cinema/colunistas.php?id=71)
Harley Dolzane
Enviado por Harley Dolzane em 25/04/2006
Código do texto: T145069
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Harley Dolzane
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
56 textos (7793 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:09)
Harley Dolzane