Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"A loja de pianos da Rive Gauche"

“A loja de pianos da Rive Gauche” T.E.Carhart

Um americano radicado em Paris passeia pelas redondezas de sua residência e é atraído por uma pequena loja repleta de peças para piano, tais como pedais, cordas, teclas, tampos e feltros. Senta-se à mesa de um café de onde pode observá-la melhor. Pensa em algum pretexto para entrar na loja e lhe vem, de assalto, a idéia de retomar seus estudos de piano que abandonara na juventude.
Para tanto seria necessária a aquisição do instrumento. Encontra então a senha para adentrar-se na lojinha que tanta curiosidade lhe desperta.

O americano é o próprio autor, T. E. Carhart que, com uma prosa delicada e sensível, narra neste livro sua história de paixão por este complexo instrumento – “uma harpa dentro de uma caixa”- segundo o poeta inglês Leigh Hunt.

A editora Record não dá o crédito da capa, uma interessante foto, meio Kafkiana, da ruela estreita e antiga, onde se destaca a placa com o nome da loja, Desforges.
Quando Carhart passa a freqüentá-la vai descobrindo tratar-se não só de uma loja destinada a consertos e reformas de pianos, mas de uma espécie de confraria cujos membros são aficionados por música.

Lá encontra os mais diversos exemplares de pianos, vindos de vários lugares, de épocas remotas e de diferentes marcas como Erard, Pleyel, Steinway, Bechstein, e outros. Na descrição dos pianos, Carhart lhes atribui personalidades que variam de acordo com o tipo de madeira, de caudas ou meias-caudas, de armários e talhas. Assim, temos os pianos sisudos e os alegres, os solenes e os informais, os bons e os medíocres.
Um piano, para estar e manter-se vivo, deve ser tocado. Conclui que é melhor um piano mal tocado que nunca tocado. Dedilhar suas teclas prolonga-lhe a vida, lição que aprendera com Luc, funcionário e especialista nos mecanismos da “harpa”.

O americano encontra seu piano, retoma seus estudos e relembra as primeiras experiências com este instrumento. Primeiro, aos cinco anos, na França. Depois, aos oito, na América do Norte. Estas lembranças nos revelam como a formação musical em Conservatórios nos EUA, década de 60, seguiam um método bastante semelhante ao adotado aqui na mesma década. Remeteu-me aos meus próprios estudos, na infância, em uma pequena cidade do interior do Paraná!
Hanon era, para sua professora americana, a bíblia de estudos técnicos. E o mico de apresentação para convidados, os próprios pais e familiares de todos os alunos, ao final do ano, também acontecia do outro lado do oceano. Divertidas estas lembranças.

T. E. Carhart nos remete tanto à história da  música clássica, quanto à história do piano como instrumento; nos dá como referência de seu aparecimento, o ano de 1694, e seu inventor, o florentino Bartolomeo Cristofori.. Descreve o aperfeiçoamento pelo qual o piano foi passando e sua repercussão nos meios musicais com as novas composições feitas para ele, como as sonatas de Haydn e Mozart.
 
Um livro para saborear ao som de um piano qualquer da vizinhança, com intervalos para dar atenção exclusiva a este som, imaginar quem o produz, identificar uma sonata, esperar pelo acorde que virá ao final de uma execução. E retomar a leitura, ávido de notas de música e sensibilidade.


Rocio Novaes
Enviado por Rocio Novaes em 10/04/2006
Reeditado em 19/03/2011
Código do texto: T137051

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rocio Novaes
Curitiba - Paraná - Brasil
203 textos (55093 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 07:59)
Rocio Novaes