CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

A coerência Textual - Ingedore Villaça Koch; Luiz Carlos Travaglia (resumo)

A coerência Textual. Ingedore Villaça Koch, Luiz Carlos Travaglia. 17ª edição. 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2008.

A interpretabilidade é fator fundamental para determinar a coerência de uma produção textual. A falta de relações lógicas entre as idéias apresentadas, contradições e a ausência de conhecimento de contextos gerais de produção podem tornar um texto incoerente, dificultando o entendimento entre os falantes da língua em uma situação de interação comunicativa.
Segundo Koch & Travaglia a coerência não depende apenas da forma como elementos lingüísticos são utilizados, mas também do conhecimento de mundo apresentado pelos interlocutores. A partir do conhecimento arquivado na memória do ouvinte/leitor, um texto, por exemplo, que não possui ligações sintáticas explícitas entre suas partes pode apresentar uma unidade de sentido, tornando-se coerente para o receptor da mensagem que decide cooperar e aceitar a sequência de idéias como sendo um texto. Para a relação entre elementos do texto ser considerada explícita, inclusive sintaticamente, recursos da coesão são utilizados, auxiliando a produção de coerência textual, embora aquela não seja uma condição necessária para que essa ocorra.
Além de relações semânticas e gramaticais, podem ser estabelecidas também relações pragmáticas, ou seja, as que ocorrem por meio das ações realizadas durante os atos de fala.
A continuidade de idéias e conhecimentos ativados nos interlocutores que levam a formação de uma unidade de sentido no todo do texto é considerada a base da coerência por Beaugrande & Dressler (1981) e Marcuschi (1983) (Apud Koch e Travaglia), pois ativa conhecimentos através de expressões no texto. Essa continuidade de sentidos engloba conceitos e relações subjacentes á superfície textual, estabelecendo uma coesão do texto de forma cognitiva entre os usuários da língua. Tais relações não são lineares, tornando a coerência uma organização reticulada, tentacular e hierarquizada. Embora a continuidade seja um fator essencial para um texto ser considerado como coerente, nem sempre a descontinuidade representará uma incoerência, podendo ser utilizada como recurso de produção, dependendo da intenção do produtor do enunciado.
A coerência textual é global. Um texto será coerente a partir do momento em que sua totalidade puder produzir uma única unidade de sentido. Essa coerência global é resultado de um conjunto de coerências locais, ou seja, sequências lógicas dentro do texto que, quando reunidas, serão capazes de promover uma intenção comunicativa.
Para que essas relações sejam harmoniosas e não produzam incoerências, é necessário que a relação entre coerência e coesão seja realizada de maneira adequada. Enquanto a coerência é subjacente ao texto e não-linear, a coesão deverá dar sentido entre os elementos da superfície textual, sendo revelada por meio de marcas lingüísticas, dando-lhe um caráter linear. A coesão, conectora das diferentes partes do texto, é sintática e gramatical, mas também semântica.
A coerência é a responsável para que uma sequência lingüística seja considerada texto, pois é através dela que relações (sintático-gramaticais, semânticas e pragmáticas) poderão ser estabelecidas formando uma unidade global de sentido e dando a ela a textualidade. A coesão auxilia nesse processo, mas não é responsável pelo fenômeno da textualidade, já que não é necessária nem suficiente para isso.
Considerando a produção textual uma atividade interacional dependente não só de aspectos lingüísticos teóricos, mas também de uma situação comunicativa, a incoerência não dependerá apenas de sequências lingüísticas, mas também de seus usuários, intenção e situação comunicativa. Um texto pode ser considerado incoerente em determinado momento, mas fazer sentido em outro, dependendo do contexto em que será aplicado, do conhecimento de mundo e compartilhamento desses conhecimentos entre os falantes e da aceitação ou não pelos usuários, ratificando o conceito de interpretabilidade como princípio da coerência e levando a considerar que não existe um não-texto.
Ainda ao considerar a interpretabilidade como fator fundamental de coerência, não seria possível definir diversos tipos de coerência, mas sim considerar que dependendo da intenção do produtor textual ou da superestrutura do texto que se pretende trabalhar, os mecanismos lingüísticos e cognitivos serão utilizados de forma diferente, a fim de obter o resultado final esperado, alcançando o objetivo determinado previamente pelo enunciador.
Segundo os autores, de acordo com o exposto, fica claro que a construção da coerência depende de vários fatores, sejam eles lingüísticos, cognitivos, culturais, interacionais. Assim, do ponto de vista lingüístico, elementos utilizados no decorrer da produção textual são de indiscutível importância para que a coerência seja estabelecida, pois funcionam como pistas que servirão como ponto de partida para sua realização. Conhecimento de mundo, conhecimento compartilhado e inferências, respectivamente, relacionam-se com a bagagem de conhecimento que cada interlocutor possui, que compartilham e que podem ser ativados a partir de mecanismos lingüísticos utilizados no decorrer da interação; os fatores de contextualização ancoram o texto em determinada situação comunicativa, auxiliando na localização do receptor e na decodificação da mensagem; a situacionalidade permite a adequação do texto à situação sociocomunicativa; a informatividade refere-se ao grau de previsibilidade ou expectabilidade da informação presente no texto. Quanto mais previsível a informação contida no texto, menos informação nova ele proporcionará; a focalização acorre quando produtor e receptor concentram-se em apenas uma parte de seus conhecimentos, para que não haja problemas de compreensão e incoerência; a intertextualidade é a possibilidade de um texto recuperar ou recorrer ao conhecimento prévio de outros textos por parte dos interlocutores; intencionalidade e aceitabilidade referem-se ao modo como o emissor utiliza-se de produções textuais para alcançar seu objetivo e produzir efeitos esperados, e ao estabelecimento da coerência do receptor que age cooperativamente para dar sentido ao que lhe foi exposto, respectivamente; por fim, consistência e relevância exigem que os enunciados de um texto não sejam contraditórios entre si e que sejam interpretáveis como tratando de um mesmo assunto.
Para finalizar, Koch e Travaglia buscam mostrar pontos principais que possam auxiliar o trabalho de professores de língua Portuguesa, no que diz respeito à coerência, coesão e texto do ponto de vista lingüístico, sem a necessidade de detalhar técnicas de ensino ou se aprofundar em questões teóricas, mas abrindo os olhos dos profissionais quanto as suas metodologias, concepções sobre educação, preparo e segurança diante dos alunos e das possíveis respostas que irão receber durante o processo de interação em sala de aula.
Hevellyn Amorim
Enviado por Hevellyn Amorim em 05/03/2010
Código do texto: T2122486

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Hevellyn Amorim
Santos - São Paulo - Brasil, 29 anos
3 textos (36859 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/09/14 04:01)