Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RESUMO ANALÍTICO DO LIVRO ‘A PROCURA DE JANE’ DE GIZELDA MORAIS

RESUMO ANALÍTICO DO LIVRO ‘A PROCURA DE JANE’ DE GIZELDA MORAIS
teacherginaldo@hotmail.com


Segundo a autora Gizelda Morais, A Procura de Jane “foi escrito entre 2004 e 2005, e presta uma homenagem a Miguel de Cervantes, cujo Dom Quixote de la Mancha comemorava, naquela época, quatrocentos anos de edições, levando ao mundo a mensagem dos sonhadores em seu confronto com a dura realidade”.
O título é também sugestivo com um elevado tom de ambiguidade: A Procura de Jane pode ser interpretado como sendo a procura da protagonista por um sentido a sua vida, ou a procura de seus escritos que lhe foi roubado. Escrito em terceira pessoa, de forma intimista, a narrativa é caracterizada pela temporariedade: presente e passado se fundem como princípio fundamental para entendimento da obra. O narrador, através de comentários específicos e psicológicos, traça um perfil da personagem ao revelar detalhes que não se limita apenas a um narrador observador, mas também, a um narrador protagonista atento aos sentimentos conflituosos que envolvem a personagem no decorrer da narrativa.
Dividido em três partes, a viagem, a chegada e a busca, o enredo é basicamente a história da protagonista Jane que está de retorno dos EUA para o Brasil, depois de uma longa viagem, realizada com a venda de seu único imóvel e só possível depois de sua aposentadoria. Há questões abordadas de forma crítica e filosófica em relação ao que a protagonista observa atentamente à medida que os fatos lhes são revelados. Esta viagem foi acima de tudo, o sonho da protagonista. E para realizá-lo, não pensou duas vezes. Vendeu o apartamento e com o dinheiro saiu em busca desse sonho.
Na primeira parte da obra, intitulada A Viagem, há uma inversão temporal na narrativa. O início da história se dá com o retorno de Jane ao Brasil. Esse retorno, nada prazeroso, faz com que a protagonista se questione sobre a sua própria nacionalidade e se há sentido para a sua volta. Faz dura crítica ao idioma inglês e a maneira pela qual os americanos tratam seus turistas estrangeiros e a frieza das pessoas que passaram por ela com total indiferença, por ruas, estações de trens e aeroportos.  Para ela, professora aposentada de Filosofia, é comum a reflexão sobre o que acontece ao seu redor, a fim de chegar a uma conclusão sobre qual o sentido exato da vida. Jane sente-se desprivilegiada por ser uma professora no Brasil. Entende a desvalorização sofrida pela classe de professores, e pergunta-se para que serve tanta cultura, já que tudo acaba com a morte.
Percebe que somente agora é que a ideia da morte a atormenta, já que o jovem nunca pensa que um dia irá morrer. Somente a eles, os velhos, é que esta ameaça se faz presente, junto com o medo da velhice e da solidão. Questiona sobre o tempo e as mudanças que o ser humano sofre com o passar do tempo. Reflete sobre antigos professores, vivos e mortos e teme ter o mesmo destino de muitos que já morreram solitários, solteiros e velhos. Lembra-se que fora justamente por esses anseios que decidira viajar pelo mundo. Decide então fazer o roteiro de sua viagem, a começar pela Escandinávia e a venda de seu apartamento antes de se tornar ela também uma inválida, afinal não é fácil ser velho no Brasil e contar apenas com a aposentadoria para manter-se viva. A questão da moradia também é abordada por ela como parte da injustiça social.  Toda essa reflexão se dá de dentro de um avião, onde Jane se encontra sentada em sua poltrona, fazendo o percurso de volta ao Brasil de sua viagem, através de suas lembranças, mesclando o tempo presente com o passado.
Jane mostra-se indignada pelo fato de seus escritos terem sido roubados pela sua psicóloga. O encontro com a psicóloga se dá após o acidente, o que resulta na entrega de seus manuscritos para que fossem lidos por ela. Neste instante há um momento de introspecção da personagem quando se vê no olhar do outro. Lembra-se do pai e da vida árdua que tivera e de seu difícil nascimento, arrancada a ferros, o que resulta na morte de sua mãe para que ela sobrevivesse.  A sua frustração inicial tinha sido pela perda de seus manuscritos. Depois lhe veio o ódio quando o descobriu publicado com o título de “Jane Brasil”, quando se encontrava de férias em Salvador, em um tabuleiro de promoção, numa livraria. Com essa descoberta, mudam-se também seus planos: teria que encontrar a psicóloga e desmascará-la para reaver seus manuscritos numa eterna busca depois de 15 anos.
Depois de muitas tentativas descobriu que o livro tinha sido composto em uma gráfica, sem endereço, apenas indicando a cidade de Aracaju como referência. Dali em diante, encontrar a mulher que lhe roubou os seus escritos tornou-se uma obsessão. O avião sobrevoa a floresta Amazônica e ela encanta-se pela beleza do jovem rapaz sentado ao seu lado. Deixa-se embriagar pela beleza num momento de criação. O velho e o novo perdem suas idades, restando apenas o momento de adoração. Não possui pressa de chegar a algum lugar, pois sabe que vai chegar. Aproveita o máximo o momento de beatitude que o jovem lhe proporciona e deixa-se divagar com as impressões que teve desse encontro: o primeiro causado pela antipatia, pelo fato do jovem estar usando um chapéu do Mickey Mouse. O segundo de fascinação pela beleza, comparando-o a Clark Gable. Outro momento que a remete ao passado é a fragrância do perfume Tsar que o rapaz está usando.
A culpa também a persegue devido a sua concepção. Para ter nascido fora preciso que a mãe morresse num embate entre mãe e filha pela vida.  Chega-lhe a visão imaginária da mãe sendo violentada e em seguida a sua condição de filha de um estupro, causando-lhe um trauma pelo seu nascimento forçado e depois a condição de como fora deixada pela avó na porta de um orfanato, onde recebeu o nome de Jane Bahia. O significado do roubo de seus manuscritos está associado a sua identidade. Depois de mergulhar na revisão de sua gestação e nascimento, Jane volta ao presente aceitando a dura realidade e trauma existencial: nascera na presença da morte de sua matriz e de seu irmão gêmeo.
Com a chegada do avião ao aeroporto de São Paulo dá-se também o fim da viagem e a segunda parte da história, intitulada A chegada. A realidade torna-se dura por sua condição: gastara todo o seu dinheiro da venda de seu apartamento e de seu fusca. Nada mais lhe restara. Necessita fazer o movimento de volta, a partir do desenraizamento progressivo, e a triste realidade de regressar para o apartamento que já não lhe pertence. A negatividade está presente na personagem quando se questiona sobre sua profissão. Arrepende-se por ter vivido tanto tempo dentro de uma sala de aula, sua condição como professora regrada em que tinha de submeter-se a regras e cumprir programas. Fora preciso envelhecer para poder apender rápido, usando as conexões de sua experiência. Convenceu-se, por fim, que a sabedoria é adquirida com a idade e a verdade é apenas um fragmento do que lhe é imposto pela realidade a que seus olhos lhe permitem ver.
Não há para ela nenhuma possibilidade de que milagres aconteçam, visto que, a religião para Jane é apenas uma necessidade devido aos medos e desejos não realizados. Acredita, no entanto, em equívocos. Ao entrar no apartamento, recebe o zelador que lhe entrega uma carta escrita em inglês. O destinatário era-lhe desconhecido: João dos Santos Silva. Era uma carta em tom saudosista, com envelope azul e perfume suave. Fica a revirar a folha perguntando-se quem seria o feliz destinatário e a romântica remetente de letra tão primorosa. Deixa fluir então sua imaginação criativa ao compor uma história de amor entre João dos Santos Silva e Yakiko. O vazio instala-se dentro dela. Tenta escrever. E o simples ato que a acompanhou por muito tempo, agora é quase uma impossibilidade. Com caneta e papel a mão, faltou-lhe a inspiração. Desiste pelo fato de estar ela também condicionada ao computador, como algo divino e fundamental para o homem.
A felicidade para Jane perde o seu sentido. Questiona-se o que é ser feliz e o que é a felicidade. Justo ela que após rodar o mundo, continua sem saber explicar o sentido do termo felicidade. A narrativa, neste ínterim, baseia-se nas memórias da personagem a fim de conceituar a concepção de uma vida perfeita. Lembranças de um passado remoto a invade num flashback atemporal. Que importam as causas? Reconhece que teve o direito da escolha. Ao sair do apartamento, dentro de um taxi, faz um balanço dos fatos no mundo. Em 1968, as dificuldades, as guerras, a transformação do mundo, ditadura e repressão. Tece amarguradamente uma crítica específica a guerra: cada geração tem a sua própria guerra. Divaga sobre a sua volta ao apartamento. O significado da Psicologia, num istmo entre realidade e sonhos, comparando-se a personagem Cabíria pelo sentimento de abandono, numa referência direta à “Noites de Cabíria” de Frederico Fellini. Outros personagens ilustres aparecem em sua guerra íntima: Dario, Alexandre, Júlio César, Genghis Khan, Napoleão, Hitler, Saddam e Busch, compondo em fragmentos uma colcha de retalhos histórica e tristezas no coração humano. Convenceu-se de que os sentimentos são universais e a Psicologia é a ciência da alma e que um segundo é quanto dura um olhar, mas pode dizer tudo.
No quarto da pousada sente a falta de seu computador  Pentil 1, já ultrapassado, pois em matéria de tecnologia basta um ano para o novo tornar-se obsoleto. As mudanças ocorrem também nos hábitos alimentares. A comida a quilo mudara o hábito dos conterrâneos, mesmo em cidades pequenas. Em um Cyber café depara-se com o fascínio que a internet provoca em seus usuários. Faz a pesquisa pelo nome Jane Brasil e espanta-se com a rapidez da resposta. Depois de várias pesquisas na internet, Jane descobre onde se encontra a autora de livro não autorizado.
Na terceira parte, intitulada A busca, Jane viaja a Poço de Caldas. A busca é interminável. O desencontro entre as duas personagens faz com que Jane permaneça na cidade. Emociona-se ao se deparar numa praça com uma orquestra tocando músicas de Roberto Carlos. Observa as pessoas atentamente e encanta-se pela beleza da diversidade. Sente-se feliz por se encontrar ali no meio de pessoas que dançam, como se estivesse em uma festa medieval, livres da influência da nova tecnologia, das ambições televisivas e de eletrônicos de última geração, especificamente o celular que invadiu o cotidiano das pessoas tornando-as escravas incapazes de resistir à tentação. E neste momento de epifania, depara-se com um cavalheiro de triste figura que a convida para dançar. A veia literária de Jane é aguçada por esta estranha presença, que a remete a Miguel de Cervantes e sua personagem Dom Quixote de La Mancha. Acredita ter dançado com os dois. Nada mais lhe é importante. O que importa se não encontrar agora a trambiqueira?
Resolve então escrever uma carta a autora do livro publicado, expondo a sua indignação com o ocorrido em sua vida. A resposta vem de forma explicativa e defensiva. É a versão da acusada contra Jane. Diante desse novo fato, especula-se a veracidade da história de Jane. A própria Jane é questionada quando mostra a carta para o amigo Ubaldo, afinal, ela sofrera realmente um traumatismo craniano quando fora atropelada e passara por um breve período de esquecimento, causando-lhe uma amnésia parcial e provisória.
Baseando-se em que a dúvida é o melhor para se chegar à verdade, abre o exemplar do livro e começa a lê-lo analisando cada parágrafo como se estivesse em busca de uma certeza. Depois da leitura e a certeza de que o livro é realmente seu, decide voltar à casa da escritora mais uma vez. A tentativa torna-se em vão, pois encontra a casa fechada, como se estivesse abandonada. Decepcionada e cansada, senta-se ao batente da casa e tenta chegar a uma decisão. Lembra-se de como começou essa busca incansável por seu livro roubado. No princípio tinha ido a Salvador em busca de suas raízes, sua mãe inventada, quando se deparara com o livro exposto em uma livraria. Então desviou sua rota.
Nunca suspeitara da adoção. A verdade só veio à tona dezoito anos depois na hora da partilha dos bens. Chocada com a revelação, indagou a todos sobre a sua origem. Recém-nascida foi abandonada na rua, depois entregue ao juizado de menores. Agora precisava procurar elos perdidos, quando deixou a família adotante sem jamais informar o seu destino. Dá-se então início a nova busca. Dessa vez Jane iria à busca de sua mãe e irmãos. Quer reencontrar o elo partido na história de sua vida.
Essa nova busca também começa de forma complicada. Decide-se por procurar o irmão Hildo Brasil na OAB, pois se lembrou de que ele estudava Direito quando ela saiu de casa. O primeiro encontro se dá com o neto de sua mãe adotiva. Depois de alguns questionamentos, Jane recebe o endereço de sua mãe na fazenda, no município de Irecê. Antes, porém, um novo reencontro é decisivo na história: Jane reencontra o sobrinho, que é justamente o jovem que viajara com ela e usava um chapéu do Mickey Mouse.
A narrativa final ganha certa expectativa depois do reencontro entre mãe e filha. Novos destinos são traçados. No café da manhã, surpreendentemente, diante do casal, a mãe declara ter decidido morar com a filha. Diante desse novo impasse, Jane volta para Belo Horizonte a fim de se organizar para receber sua mãe. Na rodoviária se depara com um pedinte em dificuldades que lhe quer vender um bilhete da mega-sena.
Após um breve cochilo, acorda com a voz do repórter anunciando o grande ganhador da mega-sena. O prêmio tinha saído para Salvador. Jane começa a fazer planos para o que iria fazer com o dinheiro do prêmio. Realidade e sonho se misturam na narrativa fazendo com que o leitor acredite ser ela a ganhadora. O desfecho se dá com o retorno de Jane entrando em um ônibus conferindo o bilhete de passagem. Tudo não passara de um sonho. Um relâmpago, um reflexo de seus desejos. Os números sorteados não condiziam com os números em seu bilhete. A alegria, porém se dá, ao se deparar com o sobrinho antes de embarcar. Ele tinha ido comunicar-lhe que não se preocupasse com a reforma de seu apartamento e que iria viver bem com a mãe.
O final da história é surpreendente: Jane embarca no ônibus e o término do romance é sem um final concreto. O narrador deixa o leitor definir um possível final da história. De concreto mesmo só o acerto de contas de Jane Brasil com a sua família.

ginaldo
Enviado por ginaldo em 12/07/2010
Código do texto: T2373644

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ginaldo
Aracaju - Sergipe - Brasil, 46 anos
56 textos (162070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/10/14 15:30)
ginaldo



Rádio Poética