Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NAS TUAS MÃOS - INÊS PEDROSA


“Vem para dentro de mim, não tenhas medo.”

A intimidade é o tema central do livro Nas tuas mãos de Inês Pedrosa. A dificuldade de assumir completamente as vivências e angariar a cumplicidade para um mundo de obscuridades perpassa três gerações. Os segredos são revelados no diário de Jenny, no álbum de fotografias de Camila e nas cartas de Natália. Confissões a serem desvendadas por cada mulher no universo contextualizado de outros, épocas e características.

As surpreendentes revelações das personagens não geram a vívida intimidade. Quase memórias, são registros de sentimentos cerzidos e fragmentados, retratos suspensos de um tempo vivido, fantasias de amor, realidades documentadas. Cada mulher vive a própria solidão. A juventude virginal de Jenny, o contraste da dor de Camila, os desafios e as possibilidades de Natália são relatados distantes das ilusões que as personagens vivem. Palavras que denunciam, absolvem quando se despem dos interditos e afirmam experiências amorosas intensas.

“Dizem que o amor se faz de uma comunidade de interesses subterrâneos, restos de vozes, hábitos que nos ficam da infância como uma melodia sem letra, paixões pisadas na massa funda do tempo, mas nesses anos entre guerras os sentimentos explicados não interessavam a ninguém. O amor era então uma criação fulminante do tédio e da inocência, feito do carnal recorte da beleza, magnífico de crueldade.”

Jenny vive o amor idealizado distante da realidade da pele, recria-se numa personagem sedutora entre dois homens; Camila resiste ao amor na morte dos amantes e, sem compreender a própria origem, perpetua no ventre a imensidão de um continente, e Natália resgata no diário de sua avó e no álbum de sua mãe a permanência do sentimento e o desejo de realizá-lo.

Inês Pedrosa desvirgina a intimidade e cria uma estreita relação com os leitores. Uma instigante narrativa que alcança, além do amor, os preconceitos, as guerras mundiais e na África, o movimento feminista e suas repercussões, as amizades, os desafetos, as amarguras e as esperanças.

“A vida é uma infindável colecção de testemunhas: precisamos que nos observem, na vitória como no fracasso, precisamos que nos prestem atenção.”

Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 16/10/2006
Código do texto: T265731
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (790173 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:53)
Helena Sut

Site do Escritor