CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

O QUE É HISTORIA- Vavy Pacheco Borges-


O QUE É HISTÓRIA
Vavy Pacheco Borges

História é algo que aconteceu ontem, e acontece hoje e vai ser ligada ao amanhã. Não é apenas a descrição dos fatos antigos, mas algo que liga o passado ao presente que nos faz compreender os tempos modernos.
Não é apenas uma disciplina é algo que leva uma grande reflexão sobre os tempos, como as sociedades estavam firmadas e compreender o porque do modo de vida de cada povo, cada cultura e sociedade.
Heródoto surge nesse contexto de criação da historia de uma forma que agrega sentido na palavra investigação e pesquisa histórica, ele utiliza-se fortemente de fontes orais, para ter maior conhecimento do povo e como ele vivia.
Já Tuocides surgiu com um ar mais criterioso sobre a historia o que considerava verdade e mito, ele esta inteiramente ligada ao que chamamos de historia imediata, ou dos tempos presentes.
Políbio se integra por aqui e ele foi um geografo e historiador da Grécia Antiga, em sua historiografia relata muito sobre a ascensão do império, em uma de suas obras conhecida como "História Universal sob a República Romana", relata o seguinte:
O peculiar de minha obra, e o que causará a admiração dos presentes é que, assim como a Providência tem feito inclinar a balança de quase todos os acontecimentos do mundo até um ponto e os tem forçado a tomar um mesmo rumo, assim também eu nesta História exporei aos leitores sob um só ponto de vista o mecanismo de que ela tem se servido para a consecução de todos os seus desígnios.
Enquanto isso na Idade Média a historia é “segundo a providencia divina” muito ligada ao monoteísmo, crença em um só Deus, segundo eles tudo que acontece é permissão divina é uma ideia linear descrita no livro “ Cidade de Deus” de Santo Agostinho.
O cristianismo é algo ligada em sua totalidade a historia, pois em relata muito de sua historia de vida em suas fontes  e documentos oficiais.
As perspectivas históricas mudam muito o conceito histórico e consequentemente muda o modo de interpretação e escrita da história. Os antiquários se multiplicam trazendo novas técnicas de documentação, acredito que seja inteiramente ligado a arqueologia, a laboratório e catalogalização de artefatos históricos.
Com a burguesia do século XVIII na era do Iluminismo, surge o interesse pela história nacional, se cria vários grupos de pesquisa sobre governo e sociedades em particular.
Enquanto isso na Alemanha com Leopold Von Ranke conhecido como pai da “ história cientifica” se preocupa em transformar a historia em uma ciência  na Escola Científica Alemã,  com uma grande influência do positivismo, ele toma algumas teorias e praticas emprestada das ciências sociais.  Nesse tipo de historia é dado destaque a feitos políticos, dinastias que era o nome dado a membros de algumas oligarquias ou a reis de pequenos territórios, batalhas e tratados diplomáticos.
Hegel grande filosofo alemão, inaugura a dialética forma de conversação cuja o foco é contradição das ideias , ele faz isso com suas leis da tese, antítese e síntese as quais mostram  que “a primazia fundamental das ideias do homem em relação a realidade e ao desenvolvimento do processo histórico” uma verdadeira revolução na forma a dialética.
Ainda falando de século XIX aparece o materialismo histórico com Marx e Engels que criam novas teorias que tentam explicar a realidade segundo as  “condições materiais e as relações entre homens, que esta condicionam”.
Marx e Engels foram bem destacado em sua época por criar os novos pensamentos comunistas um nova etapa no pensamento socialista, com sua obra “Manifesto Comunista” que distinguindo as várias formas de opressão social durante os séculos e situa a burguesia moderna como nova classe opressora.
No século XX aparece a  Escola dos Analles  que tinha como destaque tendo se destacado por incorporar métodos das Ciências Sociais à História, com forte meio de comunicação, que era a sua publicação da revista Analles onde espumam seus ideias a população, sua  produção era voltada a “ historia vista de baixo”, rompendo com as ideias positivistas, abrindo várias fontes e possibilidades  e temas para o estudo histórico, também criador da fonte iconográfica , ou seja, estudo de imagens.
Após a Segunda Guerra Mundial a Europa coloca sua posição ao resto do mundo sobre “a função da história da civilização ocidental”, isso seria importante para explicar o mundo.
Hoje em dia, a historia é basicamente ligada a desvendar os acontecimentos ligada a evolução humana, cada passo dessa evolução é popularmente conhecida como processo histórico.
A função historia é de criar uma forte definição da origem dos homens, usando como aliado o tempo que ajuda a interpretar cada vestígio achado, cada fragmento da nossa origem, e fundação social, como era os costumes antigos de nosso povo, e como ele foi sendo modificado com o tempo.
O pensamento da historia não é uma linha continua sempre a rupturas que modificam significativa o modo de viver da sociedade.
A historia é apenas um discurso com regras pré-definidas segundo os historiadores isso se da ao fato de que não se pode saber toda a história, sendo assim se estabelece um padrão de como a historia deve ser recriada, acredita-se que a historia-sintetizada não tem um valor significativo pelo mesmo motivo.
 Com já dizia Braudel “a historia é filha do tempo”, a historia atual descreve sobre indagações e problemas contemporâneos ao historiador, sendo moldada pelas tendências e novas possibilidades, sendo criada dessa forma de problematização somente.
A historia é dividida em três níveis: econômico, político e ideológico. E os historiadores só descrevem a partir do real que tem comprovação, tudo que eles descrevem viram documentos históricos, os mesmos que dizem ao historiador pesquisador o que ele vai necessitar para sua pesquisa.
No Brasil já a historiografia oficial e ligada ao estado, seu valor deve ser visto em torno de seu contexto de produção, por muito tempo essa historiografia se encontrou conservadora, etnocêntrica e maniqueísta. A “historiografia alfa” (primeira) como eu chamo sofre influencia no século XIX do romantismo.
O Revisionismo histórico que é estudo e a reinterpretação da História, baseado na ambiguidade dos fatos históricos e na imparcialidade com que esses fatos podem ter sido descritos, surge para reverter essa tendência, que era baseada apenas na memorização positivista e de decoração de fatos sobre fatos.
 As universidades se fecham a novas ideias enquanto as escolas convivem com as informações desatualizadas, isso faz com que as informações aparecessem tardiamente, por falta de interação escola-universidade.
A história na verdade nunca deveria ficar só no circulo dos historiadores, afinal todos somos produtos da história.
Acredito que o livro é uma breve síntese da discussão historiográfica, uma pequena porção de conhecimento para iniciantes no estudo da historia, acredito que o livro pode trazer futuramente novas versões ou novo modulo de atualização das tenências pesquisas e de como a historia esta sendo escrita nos dias atuais.
Finalizo com a frase de Marc Bloch que acredito ser a definição do livro “o que é historia".
"O objetivo da História é por natureza o homem." (Marc Bloch)


Jully Plauth
Enviado por Jully Plauth em 22/04/2012
Código do texto: T3626791

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (JULLY SAVI). Você não pode fazer uso comercial desta obra.

Comentários

Sobre a autora
Jully Plauth
Passo Fundo - Rio Grande do Sul - Brasil, 20 anos
10 textos (6350 leituras)
5 e-livros (249 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/07/14 20:16)