Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

“Caso Escola Base: os abusos da Imprensa”

Resenha Crítica do livro de Alex Ribeiro, “Caso Escola Base: os abusos da Imprensa”

Caso Escola Base: os abusos da imprensa, de Alex Ribeiro, é um excelente trabalho documental de amostragem da irresponsabilidade ética por parte da imprensa, e de certa forma da sociedade.
A narração sistemática, conduz o leitor a inteirar-se do processo histórico do caso como testemunha ocular. Desde o início da narração, leva o leitor – sem convidar – a se colocar numa posição de investigador, acreditando na hipótese de incoerência de fatos. Como leitora, senti-me convocada a refletir a respeito da posição de jornalista, editores, opinião pública, acusadores e acusados, principalmente.
Seu trabalho é crítico, competente e de extrema importância à reflexão profissional de toda pessoa ligada à esfera pública, de maneira imprescindível, ao mundo jornalístico. Esses têm maior poder – por meio de seus veículos – de inocentar ou punir alguém. Nesse último caso, a punição psicológica ou moral, deixa marcas profundas na vida dos acusados, que nem mesmo a prova de sua inocência ou o tempo conseguem apagar. Foi exatamente isso, que aconteceu na vida das pessoas envolvidas no caso descrito no livro.
Mais uma vez, confirma-se o provérbio popular: “Aquele que levanta falso testemunho, é semelhante a alguém que solta as penas de uma galinha de um prédio. Mesmo que queira, nunca mais recolherá todas as penas.” A desculpa de jornais e jornalistas foi louvável, mas como as “penas” jamais se tirará a fama causada pela calúnia.
Questiono-me a respeito da posição dos pais – de maneira, especial, das mães – de colocarem abertamente as denúncias-acusações sem se incomodarem com o “amor-próprio” a si mesmas. Talvez, o desespero tenha sido tanto, que não se preocuparam com o fato de estarem “manchando seus nomes”, expondo seus filhos à opinião pública, sem terem certeza do incidente. Pois, segundo o relatório da psicológa Marylin Tatton, constata-se que a mãe, em entrevista, demonstra Ter questões não resolvidas, sobre sua educação sexual. Isso transparece em seus posicionamentos em relação às atitudes do filho.
O posicionamento dos acusados, em nenhum momento, segundo citações no livro, manifestou comprometimento com o caso. Ao contrário, as interrogações iam surgindo, ao passo que se levantavam novas suspeitas. Desde o início, deram pouca importância à versão dos acusados. No entanto, deram demasiada importância aos veredíctos dos acusados e sociedade.
Durante todo o processo, os acusados – as vítimas – sofreram imensa pressão psicológica por parte da mídia, através das denúncias que se assomavam ao processo de investigação.
Para mim, pessoalmente, viveram uma Semana Santa de torturas, como Jesus Cristo, e até hoje, estão em busca da Ressurreição que começa na terra através da Justiça; ao contrário de Jesus que conquistou após três dias. Espero que um dia, eles consigam superar tamanho trauma e possam reconstruir suas vidas com tranqüilidade.

Antonia Alves
Enviado por Antonia Alves em 29/08/2007
Código do texto: T629931

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Antonia Alves
Alto Araguaia - Mato Grosso - Brasil, 45 anos
39 textos (105865 leituras)
2 e-livros (80 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 07:22)
Antonia Alves