CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

"PAIXÃO DE CRISTO" Texto teatral de Flávio Cavalcante

 

PAIXÃO DE CRISTO
Peça teatral de:
Flávio Cavalcante





Sinopse

É incansável para qualquer escritor descrever a fabulosa história do homem que revolucionou o mundo. A vida e morte de Jesus Cristo, ainda hoje é marcada pelas suas escrituras deixadas pelos grandes profetas da época.

A história de um homem que deixou ensinamentos de um Deus vivo e fonte de amor.

Já se passaram mais de 2000 anos de seu desaparecimento da terra e ainda hoje se guarda o respeito pela divindade de seu nome.
Jesus Cristo era o filho de Davi prometido ao povo de Abraão.

 

Flávio Cavalcante






ROLL DOS PERSONAGENS

JOÃO BATISTA
JESUS CRISTO
MULHER 1
MULHER 2
HOMEM 1
THIAGO
JUDAS
PEDRO
CAIFÁS
ESCRIBA 1
ESCRIBA 2
ANCIÃO 1
ANCIÃO 2
ANCIÃO 3
MULHER 1
MULHER 2
MULHER 3
MULHER 4
MULHER 5
MULHER 6
POVO 1
POVO 2
POVO3
GUARDA 1
GUARDA 2
GUARDA 3
MULHER DE PILATOS
PILATOS













NARRAÇÃO 1
Um dia... Numa pequena cidadezinha da Galiléia, nasceu um menino chamado Jesus... Era filho de uma virgem chamada Maria e um carpinteiro chamado José... Era um tempo muito difícil. Naquela época, o povo vivia momento de repressão; pois Pilatos Governador da Judéia fazia questão de mostrar o seu lado animalesco por causa das cobranças de impostos, tirando das garras daquele povo humilde o que eles não podiam pagar. Fazia quinze anos que Tibério era imperador de Roma. Segundo contos religiosos, Jesus cresceu e aos doze anos afastou-se da família para viver com grandes doutores da lei. A sua volta após muito anos, tornou-se um caos para muitos que até então, acreditavam em ensinamentos de um Deus de barro ou feito de ouro. Foi surpreendente a aparição de Jesus ás margens do rio Jordão, onde seu primo João Batista pregava um batismo de conversão para o perdão dos pecados, segundo o livro do profeta Isaías. Tentaremos dar uma idéia de como pôde ter acontecido...

CENA1
Margem do Rio Jordão. João Batista batiza Jesus Cristo aos olhos de muitos pagãos e diz ver o espírito de Deus descer ele em forma de pomba.

JOÃO BATISTA
(Na parte alta da montanha, quase em berros). Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus. Como dizia o profeta Isaías... Vós do que clama no deserto, preparai o caminho do senhor e endireitai suas veredas. Façam coisas para provar que se convertestes e não comecem a pensar. Abraão é nosso pai. Porque eu lhes digo... (Pega algumas pedras no chão). Até destas pedras, Deus pode fazer filhos de Abraão. O machado já está posto nas raízes das árvores e toda árvore que não der bons frutos será cortada e jogada no fogo.
MULHER 1
João... O que devemos fazer para chegar ao pai?
JOÃO BATISTA
Quem tiver duas túnicas dê uma a quem não tem... E que tiver comida faça a mesma coisa...
HOMEM 1
(Severo). Quem és finalmente? O messias... O prometido filho de Davi?
JOÃO BATISTA
(Responde grosseiramente). Não! Eu sou apenas um mensageiro do Deus vivo que está nos céus... (Molha a cabeça de algum pagão). Eu vos batizo com água para arrependimento... (Pausa. João Batista avista Jesus no meio do povo, vindo em sua direção. Transição). No meio de vós, senhores... Existe alguém mais forte do que eu... E eu não sou digno sequer de desamarrar as suas sandálias... (Empolgado). Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo...
JESUS CRISTO
(Se aproximando de João Batista). João... Batiza-me...
JOÃO BATISTA
(Perplexo). Eu é que preciso ser batizado por ti... E tu vens a mim?
JESUS CRISTO
Tudo tem que ser feito conforme a vontade do pai... Faça-se cumprir a profecia do profeta... (João molha a cabeça de Jesus e o mesmo se afasta). Vi sobre ele uma luz em forma de pomba descendo dos céus... (Empolgado). Este é o espírito de Deus!
VOZ CELESTIAL
Este é o meu filho amado em quem me comprazo... (João Batista o observa se afastando e a cena vai escurecendo gradativamente).

NARRAÇÃO 2
Das margens do rio Jordão, Jesus foi para o deserto onde esteve sem comer e sem beber durante quarenta dias. Por causa do sol causticante, sentiu suas forças fraquejando aos poucos. Quando repentinamente... Satanás apareceu...

CENA.2
Cansado, Jesus está prostrado em uma pedra, próximo a um precipício e é atentado por satanás, que aparece misteriosamente dando gargalhadas sarcásticas.

SATANÁS
Olhem só quem vejo! (Gargalha ironicamente). Se és mesmo o filho de Deus... (Expõe algumas pedras). Ordena que estas pedras se transformem em pães... (Pausa). Vamos... Estou esperando... Ordena que estas pedras se transformem em pães... (Gargalha).
JESUS CRISTO
Está escrito... Nem só de pão vive o homem... Mas de toda palavra que procede da boca de Deus...
SATANÁS
(Continua gargalhando ironicamente). Hummm... Venha aqui... (Puxa Jesus para o penhasco). Se és mesmo o filho de Deus... Lança-te daqui a baixo... Certamente seu Deus enviará anjos para guardá-lo e defendê-lo... (Outra gargalhada).
JESUS CRISTO
Também está escrito... Não tentarás teu Deus e senhor...
SATANÁS
(Gargalha em tom de fúria). Ora... Ora... Estás vendo todo este reino, exércitos imbatíveis... Poder e toda riqueza? (O encara). Eu te darei... Se prostrardes de joelho e me adorares...
JESUS CRISTO
(Severo). Afaste-se de mim, Satanás... Está escrito... Adorarás ao senhor teu Deus e só a ele servirás... (O satanás desaparece e Jesus continua em oração).

NARRAÇÃO 3
Então Jesus... Começou a realizar seus milagres... Arrebanhou apóstolos... Grande multidão o seguia. Sua palavra mansa transmitia paz e amor. Era ele o profeta do perdão que todos esperavam? Jesus seguiu para as montanhas arrastando grande multidão para ouvir a sua palavra.

CENA.3
Sermão da montanha. Jesus se destaca de todos ficando na parte alta de um morro e ali pregava o seu evangelho através de um belo sermão.

MULHER 2
Olhe ele ali!
JESUS CRISTO
Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus! Bem aventurados os que choram, porque serão consolados! Bem aventurados os mansos, porque herdarão a terra! Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos! Bem aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia! Bem aventurados os limpos de coração, porque verão á Deus! Bem aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus! Bem aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus! Bem aventurados sois, quando por minha causa vos injuriarem e vos perseguirem e mentido disserem, todo mal contra vós! Regozijai-vos  e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus! Pois assim perseguiram os profetas, que viveram antes de vós...

NARRAÇÃO 4
Depois de muito tempo, Jesus chega em Jerusalém montado sob um jumento e é recebido com glórias e muita agitação. O povo com vários ramos nas mãos davam glórias ao Deus do amor, que aquele simples homem tanto pregava; pois acreditavam eles, que ali, estava o messias tão esperado. (A cena mostra o povo entrando em Jerusalém gritando glória e acompanhado em procissão Jesus montado sob o jumento).

NARRAÇÃO 5
Havia chegado o dia da páscoa. Jesus reuniu-se com seus apóstolos, numa grande sala preparada para aquele momento de muitas revelações.

CENA.4
Santa ceia. Jesus senta juntamente com seus doze apóstolos para uma ceia larga e comunicar algumas revelações.

JESUS CRISTO
De muito desejava comer essa páscoa convosco... Em verdade vos digo! Que mais tereis oportunidade de tomar outro alimento até que tome assento em meu trono na glória de meu pai... Tomai e comei deste pão... Ele é meu corpo que vos deixo como alimento. Fazei isto em memória de mim... (Reparte o pão para os apóstolos e depois pega uma jarra de vinho). Bebei deste vinho todos vós! Porque este é o cálice da nova aliança, que contém o meu sangue e que será derramado por vós para a salvação de muitos... (Serve o vinho sempre olhando atentamente para o Judas. Transição). Em verdade vos digo! De um dentre vós me trairá...
THIAGO
Sou eu mestre?
JESUS CRISTO
O que mete a mão comigo no prato... Esse me trairá... (Olhando atentamente para o Judas).
JUDAS
(Desconfiado). Acaso sou eu, mestre?
JESUS CRISTO
Tu o disseste! Por que não fazes o que tens de fazer, Judas? (Judas sai de cena desconfiado). Em verdade vos digo! Esta noite todos vós escandalizareis comigo... Porque tudo está escrito!
PEDRO
Ainda que venha ser um tropeço para todos, nunca o serás para mim, senhor!
JESUS CRISTO
Pedro... Tu me amas?
PEDRO
Claro que sim, mestre! Mas por que me perguntas?
JESUS CRISTO
Tens certeza que me amas realmente?
PEDRO
Há dúvidas do amor que deponho a ti, mestre?
JESUS CRISTO
Em verdade vos digo! Que nesta mesma noite! Antes que o galo cante... Tu me negarás três vezes!
PEDRO
Não, senhor! Ainda que me seja necessário morrer contigo... De nenhum modo te negarei... (Música sobe e Jesus Cristo olha atentamente para Pedro. A luz vai diminuindo em resistência).

NARRAÇÃO 6
O príncipe dos sacerdotes e os anciãos do povo, reuniram-se com Caifas o sumo sacerdote, procurando um meio para incriminar a Jesus, cuja fama estava se espalhando por toda região... Não sabiam eles que a solução do problema estava bem ali, vindo em sua direção... Judas Scariordes chegava o afã de fazer o ato de traição ao mestre, este que já sabia de sua sina.
 
CENA.5
Templo dos sacerdotes. Os anciãos se reúnem com caifás para falar á respeito de Jesus e Alertá-lo para o problema que ronda as suas cabeças.

CAIFÁS
Estamos correndo um grande risco! Pois vocês sabem o que esse Galileu o tal Jesus vem fazendo...
ESCRIBA 1
O perigo ronda as nossas cabeças... Temos que usar de nossa influência para acabar com esse agitador...
ESCRIBA 2
Precisamos encontrar um meio para acabar com ele! Mas tem que ser dentro da lei... Com julgamento e tudo...
CAIFÁS
É! Ele está se tornando perigoso... Muita gente já está o seguindo... (Mais alguns do templo se aproximam).
ANCIÃO 1
(Tenta ultrapassar os guardas). Com licença, Eminência! Temos sérias denúncias a fazer!
CAIFÁS
Entrem! Acalmem-se! Não estou motivo pra tanta preocupação...
ANCIÃO 2
Há dois dias que vimos a pregação de Jesus! E ele está dizendo coisas absurdas sobre a nossa lei...
ANCIÃO 3
Ele está dizendo que vai colocar fogo no mundo... Disse que não veio trazer a paz... Mas, a espada! Quer dividir o homem! Será pai contra filho e filho contra pai...
ANCIÃO 2
E tem mais... Disse que o reino de Deus é dos pobres...
ANCIÃO 1
Ele não respeita o sábado quando não se pode fazer absolutamente nada...
ANCIÃO 3
Sabe o que ele diz aos ricos? Que é mais fácil um camelo passar no fundo de uma agulha, do que um rico entrar no reino dos céus...
CAIFÁS
(Furioso). Mas é um absurdo! Nossa riqueza é dádiva de Deus! Os pobres são pobres, porque são pecadores...
ANCIÃO 2
Até com uma samaritana ele conversou, Eminência! Se contar que algumas prostitutas também o acompanhavam...
ESCRIBA 1
Realmente precisamos acabar com ele... Para não corrermos o risco de sermos depostos de nossos tronos... (Judas tenta ultrapassar os guardas e é segurado).
JUDAS
Deixe-me entrar... Deixe-me entrar! Eu preciso falar...Tenho notícias a respeito de Jesus!
CAIFÁS
Mas o que está acontecendo por aqui? Não se fala outro assunto a não ser esse tal Jesus? Deixe-o entrar... (Ordenando os guardas). O que sabes a respeito desse tal messias?
JUDAS
Eu sei aonde podes encontrá-lo... Vim fazer uma negociação... Eu vos lhe entregarei... Por um bom preço, é claro...
CAIFÁS
E quanto desejas para este trabalho?
JUDAS
Por trinta moedas de prata! Mas temos que fazer depressa... Ele sabe que vai ser traído e sabe que o traidor sou eu... Ele está indo ao Getsemani!
CAIFÁS
E como vamos conhecê-lo?
JUDAS
Aquele que eu beijar na face... É o Jesus de Nazaré...
CAIFÁS
Combinado! (Entrega as moedas ao Judas). Aqui estão moedas... (Judas sai feliz).

CENA.6
Jesus pára no Getsemani para descansar e os apóstolos adormecem. Jesus se desespera com a aproximação dos homens da lei para prendê-lo.

JESUS CRISTO
Sentai-vos aqui enquanto eu vou orar... Pedro, Thiago, João... Venham comigo! (Todos estão dormindo). Minha alma está triste até a morte! Ficai aqui e vigiai comigo! (Observa que todos estão dormindo). Meu pai! Se for possível, afaste de mim este cálice! Todavia não se faça a minha... Mas a tua vontade! (Quase em desespero). Pedro... Então nenhuma hora pudestes vigiar comigo para que não entreis em tentação? O espírito na verdade já está pronto... Mas a carne é fraca! (Lamento). Meu pai! Se não é possível passar de mim este cálice sem que eu o beba... Faça-se a tua vontade! (Com os apóstolos). Ainda dormes e repousais... Eis que é chegada a hora... E o filho do homem está sendo entregue nas mãos de pecadores... (Implorando). Levantai-vos... Vamos... Eis que o traidor se aproxima!

NARRAÇÃO 7
Falava ele ainda! E eis que chegou Judas... Um dos doze e com ele grande turba com espadas e cacetes, vinda da parte dos principais sacerdotes dos anciãos do povo...

JUDAS
Salve Jesus filho de Davi! (O beija na face e os apóstolos acordam).
JESUS CRISTO
É com um beijo que tu vens trair o filho do homem? (Os soldados prendem a Jesus e Pedro pega a espada).
PEDRO
(Irritado). Soltem o mestre, seus vermes! (Corta uma orelha de um dos guardas, que grita de dor).
JESUS CRISTO
Guarda a espada, Pedro! Quem usar da espada para ferir... É pela espada que será ferido! (Jesus cura o soldado, colocando a sua orelha no lugar).
SOLDADO
(Feliz). Minha orelha! Ela está no lugar! É milagre! Milagre! (Causa tumulto entre o povo).
JESUS CRISTO
Essa é a hora do poder das trevas! Se é a mim que procurais, deixai ir os outros... (Jesus é levado pelos guardas romanos).

NARRAÇÃO 8
E os que prenderam a Jesus o levaram a casa de Caifás, o sumo sacerdote, onde se haviam reunidos os escribas e os anciãos. Pedro por sua vez, o seguia de longe até o pátio do sumo sacerdote e tendo entrado, assentou-se entre os serventuários para ver o fim.
 
CENA.7
Jesus diante de caifás é interrogado e humilhado pelos homens de coração frágil do templo.

CAIFÁS
És o cristo o filho de Deus?
JESUS CRISTO
(Com a voz demonstrando um cansaço). Tu o dizes...
CAIFÁS
(Aos berros). Blasfêmia! Para que desejamos ainda testemunhas?
ANCIÃO 1
É verdade! Nós temos aqui algumas testemunhas, que ouviram o que ele disse ao povo!
MULHER 1
Eu vi ele com as prostitutas...
MULHER 2
Ele fez milagres sem a autorização dos sacerdotes...
MULHER 3
Eu vi ele condenando os ricos e os chamando de injustos...
MULHER 4
Eu ouvi este homem falar que destruiria o templo e em três dias o reconstruiria...
CAIFÁS
Nada respondes o que estes depõem contra a ti? Eu tesconjuro pelo Deus vivo, que nos diga se és o cristo filho de Deus!
JESUS CRISTO
Tu disseste! Entretanto vos declaro... Que desde agora vereis o filho do homem assentado a direita do todo poderoso! E vindo sobre as nuvens do céu!
CAIFÁS
(Com ódio). Profetiza-nos oh cristo... (Bate fortemente na face de Jesus). Quem é que te bateu? (Pausa)... Não vais falar? (Jesus continua calado). Então levem-no a Pilatos! Precisamos tomar uma decisão com relação a este malfeitor! (Mais irritado ainda). Vamos... Levem-no... (Levam Jesus da sala e passam pelo Pedro).
MULHER 5
(Com o Pedro)., Este aqui também estava com o nazareno!
PEDRO
(Com muito medo). Mulher... Não faça isso... Eu não o conheço
HOMEM 1
Não queira disfarçar... És também um deles...
PEDRO
(Morrendo de medo). Não... Vocês estão enganados... Por certo me confundiram com alguém... Eu não estava com ele...
HOMEM 2
De fato! Este aqui também estava com o tal Jesus! Porque ele é Galileu...
PEDRO
Mas eu não sei do que estás falando... Eu já disse... Eu não conheço este homem... (Pedro ouve o galo cantar e lembra das palavras de Jesus Cristo).
JESUS CRISTO
(Em OFF). Antes que o galo cante...  Tu me negarás três vezes...

NARRAÇÃO 9
Então Judas o que o traiu... Vendo que Jesus fora condenado. Tocado de remorso devolveu as trinta moedas de prata aos principais sacerdotes e anciãos do templo e depois se entrega para os braços da morte, pendurado em uma árvore, mesmo antes de ver seu ato de traição se consumar.

CENA.8
Templo dos sacerdotes. Um ancião acha estranho um desconhecido se aproximar pelos cantos como um cão desconfiado.

ANCIÃO 4
Quem és?
JUDAS
(Quase em choro). Sou eu... Judas... Um renegado...
ANCIÃO 5
O que desejas? Não já te pagamos? O que queres mais?
JUDAS
(Chorando). Vendi um justo! (Em revolta joga as moedas aos pés dos anciãos). Toma este maldito dinheiro que me queima as mãos...
CAIFÁS
Não lhe devemos mais uma moeda sequer... Infelizmente não podemos botar no cofre das ofertas, porque o preço é de sangue...
JUDAS
(Aéreo em tom de arrependimento). Ele não merecia! (Aos berros). Porcos imundos! Vocês me enganaram! ((Transição arrependido). Pequei!
CAIFÁS
Ah! Não podemos fazer nada por você! Agora retire-se daqui!
JUDAS
(Lamento). Ele é o prometido... Filho de Davi! Pequei entregando a morte um sangue inocente!
CAIFÁS
O que temos a ver com isso? O problema é seu! Como eu já disse, retire-se daqui!
JUDAS
Eu não mereço a vida! Eu sou um traidor! Isto não vai ficar assim... Isto não vai ficar assim... Eu prefiro a morte do que ver um inocente pagando um alto preço injustamente! E por causa de mim... Eu prefiro a morte... (Sai alucinado). Eu prefiro a morte! Eu prefiro a morte! Eu prefiro a morte... (Sai ás pressas repetindo a mesma frase. Pausa. A sonoplastia libera um grito de horror do próprio Judas, que se funde com a música de narração).

CENA.9
Salão de festa do imperador Pilatos. Jesus é colocado diante do grande imperador para interrogações. Um tumulto povoa o império. Vários anciãos invadem o palácio, levando o mestre Jesus.

PILATOS
(Bate palmas). Parem a festa... Parem a festa... (Todos ficam em silêncio. Transição com os anciãos). Que algazarra estão fazendo aqui no meu palácio!?
ANCIÃO 2
Oh! Grande Pilatos! Sei que não é o momento de incomodares! Mas é que temos notícias ameaçadoras para a Judéia!
PILATOS
Espero que realmente seja de extrema importância o assunto que vieste tratar aqui... Pois acabastes com a minha festa! (Pausa e olha atentamente para Jesus Cristo. Transição). Quem é este homem?
ANCIÃO 1
Este homem Pilatos! É um mal feitor... Que se diz rei dos Judeus! E por isso trouxemos para tua presença!
PILATOS
(Com Jesus Cristo). É verdade isto que os meus ouvidos acabaram de ouvir? És tu, o rei dos Judeus?
JESUS CRISTO
(Suspira fortemente). Tu o dizes!
PILATOS
Não ouves quantas acusações te fazem? (Se aproxima dos anciãos). Apresentaste-me este homem como agitador do povo; mas, tendo o interrogado na vossa presença, nada verifiquei contra ele dos crimes que o acusares... Portanto, após castigá-lo, solta-lo-ei!
ANCIÃO 2
(Enfurecido). Ele deve morrer! (Todos se agitam. Alguns falam em favor de Jesus, mas, a maioria pede para soltar Barrabás)
POVO1
Por que não solta Barrabás! Soltem Barrabás!
PILATOS
Ah! Então é Barrabás que vocês querem? (Bate palmas e ordena). Tragam Barrabás! (Transição com Jesus). Que mal fez este homem? De fato não encontrei nada contra a ele para condená-lo a morte... (Transição). Está aí o que vocês pediram... Quem quereis que o solte... Jesus o Nazareno ou o Barrabás o ladrão?
POVO 2
(Aos berros). Barrabás (Todos agitam).
PILATOS
O que farei então com Jesus o cristo?
POVO 3
Crucifica-o... Crucifica-o...
PILATOS
Mas hei de crucificar o vosso rei?
MULHER 6
Não temos outro rei se não a Cezar...
PILATOS
(Ordem). Tragam-me uma bacia com água! (Pausa. Transição). Eu lavo minhas mãos do sangue deste justo... E fique o caso convosco... Levem-no daqui! (Os guardas levam Jesus).

CENA.10
Pátio da guarda. Os guardas caçoam de Jesus e lhe dão uma coroa de espinhos

GUARDA 1
(Zombaria e gargalhadas, os guardas empurram a Jesus um jogando para o outro). Ele disse que era o filho de Deus!
GUARDA 2
Manda teu Deus te libertar oh filho do altíssimo!
GUARDA 3
Disse até que é rei dos Judeus... (Deboche). Jesus... O rei dos judeus! (Transição). Vamos rei... Dê as ordens! Afinal de contas somos os seus servos!
GUARDA 2
Ora, ora! Um rei sem coroa não é rei... Que tal pegarmos uma coroa para homenagear o grande rei?
GUARDA  3
Não devemos esquecer do cetro e do manto... Afinal... Um rei sem cetro e sem manto não é rei!
GUARDA 1
Jesus de Nazaré! Rei dos judeus... Está aqui a sua coroa!
GUARDA 3
Olhe aqui seu cetro e seu manto oh grande rei! (Transição). Pronto! Ele agora está com dignidade de uma majestade!
GUARDA 2
Com essa fantasia toda, tá mais parecendo um manequim de carnaval... (Entra uma música envolvente e a mulher de Pilatos observa a Jesus de longe).
MULHER DE PILATOS
Pilatos, não julgue este homem! Já tenho escutado falar dele e sei que é homem justo!
PILATOS
Já lavei as minhas mãos! O seu próprio povo o condenou! (Transição). Por que o defendes tanto mulher?
MULHER DE PILATOS
Eu tive um sonho lindo! E no meu sonho, este homem estava rodeado de anjos e muita luz! (Transição amável). Olhe para ele Pilatos! Não vês que este homem fala ao coração? (Pilatos se aproxima de Jesus cristo).
PILATOS
Que fizestes? Até então não compreendo o motivo de teu próprio povo te entregardes a mim... (Transição). És rei realmente?
JESUS CRISTO
(Com a voz muito debilitada). Sim... Eu sou rei! Mas o meu reino não é deste mundo! Se o meu reino fosse deste mundo, meus súditos certamente teriam lutado para que eu não fosse entregue... (Música sobe).

NARRAÇÃO
Segundo alguns escritos... Seguia numerosa a multidão até gôgota... A fim de sacramentar o que os profetas já previam. Jesus foi levado ao calvário e o seu sofrimento estava por certo chegando ao fim.

CENA.11
Jesus arrasta sua pesada cruz pelas ruas de Jerusalém. A multidão dificulta a passagem.Maria em prantos tenta se aproximar do seu filho.

MARIA
(Em prantos). Meu filho! Querem matar o meu filho...
MARIA MADALENA
(Tentando também se aproximar). Deixe-me passar... Deixe-me passar... Jesus... Jesus... (Chorando). Por que fizeram isto? Ele é o filho de Deus! Jesus! (Seca o rosto de Jesus com uma toalha).
GUARDA 1
(Puxa a mulher á força). Afaste-se mulher!

CENA.12
A chegada de Jesus no calvário. Jesus é pregado na cruz aos olhos de seu povo.

GUARDA 3
Não és o grande rei? Onde está teu pai que está nos céus?
GUARDA  2
Desce da cruz oh rei dos judeus! Rei dos reis...
JESUS CRISTO
(Lamento). Pai... Perdoai! Eles não sabem o que faz...
LADRÃO 1
Se és o cristo... O salvador que todos falam... Liberta-se dessa cruz e tira-nos daqui também...
LADRÃO 2
Não temes a Deus? Nós recebemos o que merecemos! Mas este homem... Não fez mal algum! (Transição). Senhor... Lembra-te de mim quando tiveres no teu reino...
JESUS CRISTO
(Arfando). Hoje mesmo estarás comigo na casa do pai... (Transição com a Maria e o Thiago). Mulher... Eis aí o teu filho... Filho... Eis aí a tua mãe! (Transição). Tenho  sede...
LADRÃO 3
(Com ironia). O rei tem sede... (Gargalha).
JESUS CRISTO
(Grita agonizando). Meu Deus! Por que me abandonaste? Tudo está consumado! Geme). Pai... Em tuas mãos... Entrego o meu espírito! (Música sobe trovões e relâmpagos dão riqueza a cena. Música envolvente sobe. Tiram Jesus da cruz que fica nos braços de Maria).

NARRAÇÃO
Ao cair da tarde, veio um homem rico de Erimatéia chamado José... Que era também discípulo de Jesus! Reuniu-se com Pilatos a fim de guardar o seu corpo em um sepulcro, pertencente a família daquele bom homem. Jesus foi colocado no sepulcro e vigiado por guardas de Roma. No findar do Sábado, ao entrar o primeiro dia da semana, Maria Madalena e Maria sua mãe, foram ver o sepulcro.

CENA.13
Maria Madalena e Maria mãe de Jesus se aproximam do sepulcro e ambas tem o maior susto.

MADALENA
Olhe só... O sepulcro está aberto... Roubaram o corpo do mestre! (Ambas se assustam quando ver a presença inesperada de um anjo).
ANJO
Não temais! Por que procuras o que está entre os mortos? Ide dizer aos outros que o mestre ressuscitou... E brevemente estará à direita do pai que está nos céus... (O anjo desaparece).

CENA.14
A ressurreição de Cristo e o fim do espetáculo. Jesus vai subindo aos céus e deixa a mensagem para os espectadores.

JESUS CRISTO
Estou indo para a casa do pai preparar o caminho para todos aqueles de bom coração! Reúnam em meu nome... E estarei presente nas horas de maior aflição. Eu dou a minha paz a todos vós... Amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei...E que Deus abençoe a todos... (As luzes se apagam, chegando o fim do espetáculo).


FIM


TEXTO: Paixão e Martírio de Cristo
AUTOR: Flávio Cavalcante
MÊS: Maio
Ano: 2004

Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 03/04/2009
Código do texto: T1521070

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Flavio Cavalcante
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 45 anos
494 textos (285913 leituras)
31 áudios (3708 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/04/14 02:59)