CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

"O CORTIÇO" Peça teatral de: Flávio Cavalcante

 

 
O CORTIÇO
Peça teatral de:
Flávio Cavalcante







ROLL DOS PERSONGENS

MADELEINE
GILBERT








SINÓPSE


É difícil imaginar uma trama dentro de um cortiço cheio de mofo, moveis antigos e teias de aranhas espalhadas por todo lado, dando entender que o local está inabitado por muito tempo. Pensamentos perturbadores na cabeça de uma alucinada e esquizofrênica que esconde todos os seus desejos dentro de um velho cortiço, ansiando um desejo carnal por um homem, (Gilbert) que esconde vários mistérios na trama.




Cena escura, a sonoplastia libera uma música. Em cena está Madeleine tentando a arrumar a bagunça do cortiço. A sonoplastia libera um som de miado de gato, dando entender que Madeleine pisou no rabo de um.

 MADELEINE
(Desesperada). Ai Jesus! Me perdoa... Quase matei o bichano... O cortiço não está mais como estava! (Espantada). Meu Deus! Quanto barata espalhada pelos cantos desta parede! Meus gatinhos não comem baratas e você não imagina o quanto isto me atormenta! Ai, que nojo, eu tenho de baratas! Esse mofo! O cheiro entranha em meu nariz como um odor nauseobundo iinsensa todo um ambiente! As peredes estão mofadas, Gilbert! Os meus gatos parece que não me obedecem mais! Estou com medo que eles se revoltem contra a mim! Se unam aos ratos para me atormentar o juízo... Tá vendo que este cortiço não é mais como era antes?
GILBERT
(Brando). Calma! Desespero não vai levar a lugar nenhum! (Transiςão). Realmente, Madeleine... O lugar não é mais como era antes... Não se preocupe com os seus gatos, que a única coisa que estes felinos estão fazendo é deixar um odor moribundo pelos quatro cantos... Precisamos fazer uma sessão faxina aqui dentro urgente...
MADELEINE
(Surpresa). Faxina? (Transição). Espere aí... Por que estás falando assim? Pelo jeito parece que vamos dividir o mesmo quarto... (Ri irnicamente). Se for isto mesmo que estás pensando, de ante mao já te falo... Aqui não cabe mais ninguém a não ser eu e meus quarenta e dois gatos... Por enquanto... Ontem a Mary morroy apareceu com uma barriga enorme! Deve parir por estes dias...
GILBERT
(Espantado). Quem?
MADELEINE
Marylin Morroe... A bichana aqui do cortiςo...
GILBERT
(Aliviado). Que susto!
MADELEINE
Pois é! Tá com uma barriga quase arrastando pelo chão...
GILBERT
Marylin Morroe é danada!
MADELEINE
Sem vergonha... Assim como a atriz de holiood...
GILBERT
Isso quer dizer... Mais gato?
MADELEINE
Claro! Quanto mais gatos eu tiver do meu lado, mais eu fico protegida destes gabirus mostruosos... O tamanho deste ratos, Gilbert é de fazer medo a um batalhão! Se eu der mole daqui a pouco eles estão me carregando nas costas... (Sensação de arrepios). Ai... Só em lembrar deles me dar arrepios... Olhe só como estou arrepiada, Gilbert... Olhe... Estou parecendo uma mulher estérica...
GILBERT
E não é?
MADELEINE
Claro, que não... É fobia mesmo... É horror de ratos... (A sonoplastia libera uma barulho de trovão).
GILBERT
Parece que vai desabar um temporal daqueles... Como estão as telhas do cortiço, Madeleine?
MADELEINE
(Vários gatos miam como numa briga). Responde sua pergunta? (Transição falando com os gatos).  Charlie brow, não brigue... (Transiςão). Ai, meu Deus! Eles não se contentam com a gavidez da Mary Morroe...
GILBERT
Não tem problema! Eles sabem instintamente como resolver a situação.
MADELEINE
É! Sabem mesmo! E eu sei também que já está na hora de voçê se mandar daqui... Estou sentindo que seu instinto está comeςando a aflorar e...
GILBERT
Mas... Madeleine... E o temporal?
MADELEINE
Você não pode ficar aqui comigo! E a minha reputação onde fica, Gilbert? E também nesse cortiço não cabe mais ninguém além de mim e os meus lindos gatinhos...
GILBERT
Todas as tocas desse lugar estão ocupadas... E não é com gatos não, Madeleine! Não há vagas pra mais ninguém... O jeito é nos conformarmos e ver que por menor que seja o lugar, vai ter que caber nós dois sim... Mesmo que eu tenha que aturar esses bichanos! Aliás, tem que caber... Nesse momento eu não tenho pra onde ir...
MADELEINE
Então vamos abrir as janelas... Eu preciso informar isso pra todos do lugar que vamos passar á noite juntos... Eu não quero de hipótese alguma, amanhã tá ouvido chacotas da boca de pessoas que não tem o que fazer na vida... Já basta o que eu escuto por manter aqui dentro meus gatos protetores...
GILBERT
Pra que tanta complicação? Pelo amor de Deus, Madeleine... Ninguém vai saber que eu estou aqui... Já estamos em altas horas! Eu saio daqui logo que o dia comeςar a clarear... (transiςão como que implorando). Me deixa ficar... Eu prometo que não vou interferir na sua vida com seus gatos...
MEDELEINE
Antes de meus gatos acordarem... Você me promete sair bem caladinho sem ser visto por ninguém?
GILBERT
Sim, eu saio... eu prometo!
MADELEINE
Promete mesmo, que você vai sair antes deles acordarem?
GILBERT
Eu já disse que vou sair antes do nascer do sol... Ou melhor... Antes da lua se por...
MADELEINE
(Suspira forte). Sinto-me mais confortável com a sua promessa... (Transição). Desculpa, Gilbert... Mas, você há de convir, que não fica bem uma dama senhora, ficar numa hora como esta, dentro de um cortiço, cheio de gatos... Com um homem cheio de maldades!
GILBERT
(Indignado). Mas que absurdo! Eu não estou com maldade alguma! Tire isto de sua cabeςa!
MADELEINE
 (Transição). Por que absurdo? Já pensou se alguém lhe descobrir aqui?
GILBERT
Ninguém vai me descobrir aqui, Madeleine! Também eu não sou nenhum monstro! As únicas vidas existentes aqui dentro sou eu, você, e esses seus gatos... ratos e baratas... (Corre para os braços do Gilbert).
MADELEINE
(Alucinada). Não fale assim... Eu tenho pavor de baratas e ratos... Mais ainda de ratos... (Transiςão quase em loucura). Onde estão estes ladrões de lata de lixo, que não estão aqui para me proteger destes dentuςos montruosos! (Transiςão tentando se acalmar). Ainda bem que eles não voam, Gilbert... Ainda bem... (Relâmpagos e trovões dão vidas à cena. Transiςão. Apavorada). Eu tenho medo de trovões e relâmpagos também... (Abraςa o Gilbert fortemente). Abraça-me forte, Gilbert... Não me deixa ficar sozinha aqui, trancada nesse cortiço cheio de ratos e baratas... Promete que você não vai me deixar sozinha? Promete? Diz que promete!
GILBERT
(Embaraςado). Prometo... E os gatos não são os seus protetores? Pelos visto eles estão mais preocupado com a Marry morroe em cima do telhado do que com a sua proteςão!
MADELEINE
Realmente devem estar em cima do telhado á procura de uma outra gata... (Transição tensa e com raiva). Pra encher mais uma vez o cortiço de gatos... (Transiςão quase em choro). Eles fazem muito cocô, Gilbert! Se eles pelos menos fizessem alguma coisa com estes ratos... (Os gatos miam como se tivessem namorando em cima do telhado). Acabaram de encontrar outra dama de unhas afiadas... Isso quer dizer que eu estou aqui de peito aberto à espera do ataque destes roedores... (Treme nos braços de Gilbert). Me abraça, Gilbert... Me protege, pelo amor de Deus...
GILBERT
(Abraςa carinhosamente) E a sua reputação? Você me deixou preocupado com o que falou...
MADELEINE
A minha reputação? Esqueço que eu comentei sobre o assunto... O medo está falando mais alto... Prefiro intensamente ser chacoteada, do que ouvir barulhos irritantes de ratos e ver baratas sobrevoando a minha cabeça...
GILBERT
Então vamos dormir que já passa da meia noite!
MADELEINE
Tens razão! (Ri contida). Meu Deus! Como a hora passou rápido! Será que aqui ainda faz frio á noite?
GILBERT
De repente... Mas por que a preocupação, Madeleine! Lembre-se que estamos entre quatro paredes e nem pensamento nos ver nesse momento... Até agora não vi ratos nenhum e nenhuma barata sobrevoou a minha cabeça!
MADELEINE
(Transiςao mais confortável). É verdade! Esqueci deste detalhe! Desculpe-me, Gilbert!
GILBERT
Não há porque tá se desculpando toda a hora, Madeleine!
MADELEINE
É que... Eu estou um tanto nervosa.e...
GILBERT
...Mas... Por que está um tanto nervosa? Não estou vendo nenhum motivo para isto...
MADELEINE
Não sei... Me dá isso de vez em quando... Pareςo uma louca alucinada! (Transição). Sabe, Gilbert? Esse lugar está feio... Não é mais como era antes... Ele está triste... mesmo assim me faz lembrar coisas boas! Sinto-me feliz aqui dentro eu e os meus gatos! Os miados dos bichanos é como se fosse um soneto para os meus ouvidos! Apesar de um cortiço triste cheio de ratos e baratas... Escuta o miau do Serafim... Ele é um gato bonito, Gilbert! Um lugar assim me faz ouvir uma linda canção... (A sonoplastia entra com uma música romântica de época) Me faz viajar em pensamento... Ai... Que sensação gostosa, eu tou sentindo... Venha! Vamos dançar comigo... (Os dois começam a dançar)
GILBERT
Engraçado, que eu também estou sentindo uma sensação muito boa! Sei lá! Pareço estar pairando sobre ás águas do oceano... Parece que estou dentro de um ciclone! Segure firme a minha mão... Com a forςa deste vento poderemos separarmos um do outro! É um delírio não é, Madeleine?
MADELEINE
Não tenha dúvidas disso! Realmente parece estarmos pairando sobre ás águas do oceano... Estou sentindo até a brisa, esfriando o meu rosto... Feche os olhos que vais ter essa mesma sensação!
GILBERT
Estou vendo peixes acenando suas barbatanas em sinal cortesia... (Se curva diante de Madeleine).
MADELEINE
(Transiςao o observando como quem está achando que ele está viajando demais). Que fineza! Estamos viajando mesmo! Nunca vi peixe acenar pra ninguém...
GILBERT
Não quebre a corrente! Tá muito bom...
MADELEINE
(Dando corda). Tudo bem! Olhe, Gilbert... eles estão acenando para nós... Vamos acene pra eles também...
GILBERT
Por que não está olhos fechados?
MADELEINE
(A música pára). Eu não acredito que estamos fazendo papéis tão ridículos,  Gilbert!
GILBERT
(Ofegante). Ridículo foi que o que fizeste! Tiraste bruscamente o meu sonho que por um ínfimo momento estava muito bom...
MADELEINE
Sim estava! Seria muito bom, se passasse da nossa imaginação... Não posso negar, que estava maravilhoso! Mas não passa de uma gotosa sensação fictícia... Vamos cair na real!
GILBERT
Verdade! Viajei legal... (Transiςão). Estamos sozinhos num cortiço! Pelo menos Isto é uma realidade e palpável! Mofo, ratos... gatos... Já estamos além da meia noite! Os gatos estão fazendo festa em cima do telhado... Voςê está ainda segurando fortemente na minha mão! Tenho uma idéia melhor que do que ficar dando ouvidos a imaginação...
MADELEINE
(Desconfiada). O que? Poderia me falar? Sem safadeza... Lembre-se que eu ainda me preocupo muito com a minha reputaςão...
GILBERT
(Transiςão brusca). Então vamos dormir que eu estou com sono... Isto é! Se estes gatos miseráveis me deixarem dormir...
MADELEINE
(Decepcionada bate a cara de Gilbert). Grosso! Não fale de meus gatos assim... Eles são meus protetores... E não tem maldade na cabeςa como você...
GILBERT
É que...
MADELEINE
Psiu... Eles podem ouvir e ir embora daqui e como é que eu vou ficar? Pelos menos com eles por perto os ratos não têm como se aproximar... As vezes a gente tem que medir as palavas para não ofender as pessoas...
GILBERT
Perdão... Não foi a minha intenção ofendê-la... Nem a você e nem aos bichanos... (Transiςão). E os miados parecem que diminuíram... O silêncio já rodeia por aqui e eu não quero ouvir alguns vizinhos acordando com nossos murmúrios...
MADELEINE
Tens razão, Gilbert... Acho que me exaltei um pouco... (Transiςão). Mas que murmúrios estás falando... Não é o que eu estou pensando não, é?
GILBERT
Longe de mim... E não pense maldade! Eu estou sendo o mais gentil possível...
MADELEINE
Eu sei que você não teria coragem e nem ousadia de tocar um dedo em cima de mim... (Transiςão). Também eu quero que os vizinhos se danem...
GILBERT
É por aí mesmo! Fico fico feliz com a sua decisão. Bom saber que você pensa assim...
MADELEINE
Por que acha isso? Não me demonstrou muito satisfeito de ficar aqui no cortiço na companhia dos meus gatos...
GILBERT
Fecharei os olhos para eles! Falando assim fico certo de que não mais dormirei na rua...
MADELEINE
(Ri). Você é mesmo engraçado, Gilbert... Jamais eu seria tão cruel assim! Mesmo sabendo que eu iria prejudicar minha reputação perante a essa gentalha... Agora, tem que se conformar com os bichanos... Pode ficar á vontade!
GILBERT
Gentileza de sua parte... Eu não queria vir aqui... Mas... Algo me chamava insistentemente. Sinceramente... Eu esperava algum dia encontrá-la novamente... só não esperava nessas condições... E nesse cortiço sujo... Com tantos gatos espalhados pelos cantos...
MADELEINE
Não estou aqui porque eu quero estar aqui... Botaram-me aqui, Gilbert... Os meus gatos me protegem desses ratos imensos...
GILBERT
Eu sei... Eu estou sabendo de tudo... Só que ás vezes, quando se faz uma coisa sem pensar, acaba na amargura pro resto da vida...
MADELEINE
Eu fiz! Fiz tudo sem pensar! Por isso estou onde estou... E olha que estou amargurando até hoje... (Passa o rato. Transição espantada). Viu o tamanho do rato que passou bem ali no canto? (Chama os gatos). Natasha, José, Gina, Onde estão estes gatos? Na hora que eu mais preciso deles eles não estão pra me proteger... (Se abraça com expressão de pavor com o Gilbert). Me baraça, Gilbert! Me abraςa...
GILBERT
(Olhando para ela). Aqui é o habitat dele mesmo! Ratos... (Madeleine repugna). Baratas...
MADELEINE
Ai, que nojo, Gilbert! Não me tortura mais do que eu já estou sendo torturada... Sabes muito bem que eu não suporto insetos...
GILBERT
Não estou querendo de forma alguma lhe torturar, Madeleine! Eu só estou lhe dizendo pra gente se conformar! Afinal de contas não há como esconder que eles também existem no mesmo espaço que nós...
MADELEINE
Ah! Isso é uma verdade! Mas eu prefiro manter essa distanςia entre o meu espaςo e o deles... Não nos damos muito bem, sabe? É questão de afinaςão... De pele... Olha só como eu estou arrepiada, Gilbert!
 GILBERT
Estou vendo... Seus pêlos estão todos arrepiadinhos... Seu corpo está pedindo algo... Assim como eu estou querendo relembrar os bons momentos do passado... Aproveitando que estamos sozinhos... Somente eu e você... (Tenta agarrar a Madeleine).
MADELEINE
(Se afasta). Nossa! És muito rápido, Gilbert! Mantenha a classe... Eu sou uma dama de muito respeito...
GILBERT
Aceite minhas desculpas, Madeleine! Não tive a mínima intenção de ofendê-la... Devemos esquecer o que passou...
MADELEINE
Eu sei...
GILBERT
Posso ver sua resposta como um... Sim?
MADELEINE
Quem sabe? (Olha dentro do olho de Gilbert e fica sem graça. Transição). Bom... Vamos arrumar o que fazer... Gilbert! Homem dentro de casa comigo por perto, tem que trabalhar também nos afazeres domésticos... Vamos... Trate de limpar tudo! Lavar os pratos, o banheiro... (Transição). Ah! Não esquecendo de dar um jeito definitivo nesses ratos, que estão me deixando com os nervos a flor da pele...
GILBERT
Você não acha que está querendo se sair de uma situação normal, com reações anormais, Madeleine? Estamos no meio da madrugada...
MADELEINE
Não estou entendendo onde estás querendo chegar, Gilbert!
GILBERT
Sabe, sim... Não sou nenhuma criança! Como também não estou vendo nenhuma criança em você...
MADELEINE
... Mas o que você quer comigo? É transar que você quer, Gilbert? Aqui dentro deste cortiço?
GILBERT
Não... Não quis dizer isso... Você é que tá falando...
MADELEINE
Como não é isso que vcoê quer? Eu estoou sentindo que estás cheio de tesão...
GILBERT
Não é isso... Você tá entendendo mal...
MADELEINE
Estou entendo muito bem... (Rasga a blusa). É isso que você quer ver?
GILBERT
(Tapando os olhos com a mão). Olha a reputação...
MADELEINE
Nem Leonardo da Vinci conseguiria tão perfeita obra se ele me pintasse...
GILBERT
(Sincero). Olhe o exagero, não és tão perfeita assim...
MADELEINE
E prefiro não ser... Mas é a mim que estás querendo agora! Ou preferes um tipinho como a tal da monalisa? (Transiςão com iroinia). Se for, não precisa me dizer mais nada!
GILBERT
Não entendi o seu ar de ironia, Madeleine?
MADELEINE
Não estou com ironia... Apenas jamais eu iria gostar que você se visse atraído pela monalisa... Pelo o amor de Deus! Eu me sentiria um lixo de mulher...
GILBERT
Não acho tão feia assim... Uma bela dor de cotovelo deve tá tomando conta de você...
MADELEINE
Ora, Gilbert! Vamos parar por aqui... Não estou sentindo nenhuma dor de cotovelo... Apenas não gosto da obra de da Vinci, nada mais do que isto... É a minha opinião... E não me compare com ela...
GILBERT
Com quem?
MADELEINE
(Demonstrando ciúmes). Com a tal monalisa?
GILBERT
Por acaso isto é ciúme? (Ri). Não acredito! Você está com ciúme da pintura de da vinci?
MADELEINE
(Revoltada). Eu não quero ser comparada com ela!
GILBERT
Que bobagem, Madeleine! Olha só o que estamos fazendo... Existe alguma razão para estarmos discutindo desse jeito? (Madeleine pára e ri).
MADELEINE
(Sem graça). Não... Ela nem é real mesmo... Mas oh, mulherzinha feia... (Ri gostosamente). Acho que são os ratos que estão me deixando nervosa!
GILBERT
E as baratas também... Não se esqueça... Elas são voadoras... (Os dois caem em gargalhadas e se abraçam. Transição). Mas o que está acontecendo?
MADELEINE
Não sei... Com que?
GILBERT
Conosco... (Se olham profundamente). Você me olha profundamente!
MADELEINE
E você me deixa encabulada... Mais uma vez, Gilbert... Também eu não tenho nada que tá lhe olhando profundamente! Eu também tenho uma parcela de culpa!
GILBERT
Não, senhora! Se existe algum culpado aqui, esse alguém sou eu... Eu, que lhe olhei profundamente!
MADELEINE
Tá vendo só? Já estamos discutindo novamente! (Transição). Gilbert... O que você acha de mim como mulher?
GILBERT
Por que a pergunta assim tão repentina?
MADELEINE
Não me responda com outra pergunta... Por favor, eu preciso saber sua opinião!
GILBERT
É interessante... É certo que...
MADELEINE
... Já não tenho um corpinho de uma bailarina espanhola, mas, não sou de se jogar fora!
GILBERT
Eu sei disso... Vamos nos recolher... Já passa da meia noite! Daqui a pouco o galo canta e é chegada a hora deu partir...
MADELEINE
Vamos sim... Agora eu pergunto, se nesse cortiço tem alguma cama pelo menos...
GILBERT
Acho que sim... Também se não tiver, não tem problema! A gente se acomoda por aqui...
MADELEINE
Aqui por onde, Gilbert? No chão? Você deve tá brincando... Deitar nesse chão frio e ainda por cima com esse monte de ratos e baratas passeando por aqui por dentro... Nem morta eu faço uma coisa dessas!
GILBERT
Não temos outra opção! E também a essa hora da noite os ratos e as baratas, certamente estão ocupados e não irão nos incomodar...
MADELEINE
Eu não confio... Prefiro passar a noite de pé, estatelada diante da janela...
GILBERT
É um tanto incômodo! Mas já que você quer assim, eu também vou ficar estatelado aqui, diante de você...
MADELEINE
Você não deitar em algum canto?
GILBERT
Esqueceu que os ratos e as baratas podem perturbar a gente?
MADELEINE
A vizinhança também pode meter a língua em nós dois! Paredes têm ouvidos... (Transição). Escute!
GILBERT
Não estou ouvindo nada!
MADELEINE
Não foi nada... Parece os vândalos do bairro... Ontem mesmo eles destruíram e saquearam todo o supermercado da esquina... Vi tudo daqui do cortiço! Até o papai Noel do natal do ano passado não escapou das mãos dos desocupados... Isso me deixou irritada, Gilbert...
GILBERT
Que história, Madeleine! Não sabia que este lugar de aparência tão serena se transforma num verdadeiro campo de guerra...
MADELEINE
Pra você ver o que tenho que aturar nesse cortiço... Além dos ratos e as baratas...
GILBERT
Mas não tem nenhuma história agradável neste lugar? Não posso acreditar que nem a gente venha a ter um final agradável, pelo menos pra limpar um pouco essa imagem que você tem deste cortiço...
MADELEINE
O que você tá querendo realmente comigo, Gilbert?
GILBERT
Eu? Acho que você tá querendo perguntar o que a gente quer um com o outro... Estou errado, Madeleine?
MADELEINE
Não... Está certo... (Transição). Ai, meu Deus! Minha cabeça tá muito confusa... Eu não posso agir dessa forma! Tô me sentindo como uma mulher fácil... Não fique pensando que eu sou uma mulher fácil, Gilbert... Eu apenas estou me sentindo com um pouco de... Carência... Isso... Eu estou muito carente...
GILBERT
Em nenhum momento eu tive tal pensamento, Madeleine... (Tenta se aproximar de Madeleine, mas a mesma recua).
MADELEINE
Me deixa, Gilbert! Não me toca, por favor...
GILBERT
Mas eu nem encostei em você...
MADELEINE
Nem se atreva a fazer tal coisa! Se alguém pelo menos comentar alguma coisa ou ficar me chacoteando eu não vou lhe perdoar! Faço besteira comigo mesma! Eu me mato!
GILBERT
Não estou lhe compreendendo, Madeleine! A pouco você estava tão amável, tão gentil comigo! Mas de repente estou vendo outra pessoa em minha frente! Cadê o medo dos ratos... Sumiu?
MADELEINE
Talvez... Não foi nada, Gilbert! É que ás vezes eu me pego pensando... como é que pode num cortiço desse tamanho ter tanta gente que sabe da vida de todo mundo? Desocupados...
GILBERT
Não consigo entender a sua mudança repentina! Foi por causa desse pensamento que você mudou para comigo?
MADELEINE
Sim! E você acha pouco o que essa gente é capaz de falar ao nosso respeito! Só porque estamos junto essa noite!
GILBERT
(Em tom alto). Deixa falar, Madeleine! Será possível que você vai deixar o tormento tomar conta de você só por causa de língua ferinas, que não fazem outra coisa na vida a não ser se incomodar com vida dos outros?
MADELEINE
(Gritando). Você está gritando comigo...
GILBERT
(Brando). E Você queria que eu agisse como? Já conversamos a respeito disso! É só essa noite que vamos passar juntos!
MADELEINE
Tomara, Gilbert... Tomara! (Grita escandalosamente dizendo que viu uma sombra passando). Eu vi uma sombra passando bem ali no canto da parede!
GILBERT
Não tem sombra nenhuma, Madeleine! Se está tão tensa por causa dos comentários maldosos da vizinhança... Eu acho melhor eu sair de mansinho... vou beirando os cantinhos da parede! Certamente dessa forma não serei visto por ninguém...
MADELEINE
(Assustada). E vai me deixar dormir aqui com essas baratas e estes ratos, Gilbert? Sozinha?
GILBERT
(Pega Madeleine fortemente). Então pára de me atormentar o juízo!
MADELEINE
Alem do mais... Os Vândalos estão bem na porta do cortiço...
GILBERT
E o que tem a ver uma coisa com outra?
MADELEINE
A polícia vai pegá-los em flagrante! Pode sair tiroteio... E aí paga quem tem a ver e quem não tem também...
GILBERT
Você está descontrolada... Tenha calma!
MADELEINE
Como pode mandar eu ter calma se acabei de ver um vulto passar diante de meus olhos? (Se abraça com o Gilbert). Olha ali... Passou novamente...
GILBERT
Acho você um tanto louca, Madeleine! Não vi passar vulto nenhum! Acho que você está vendo miragem...
MADELEINE
Eu não sou louca! Eu vi sim... E por favor não venha me contrariar, me chamando de louca, mentirosa ou coisa parecida... Foi um vulto de um rato...
GILBERT
(Com desdém). Rato... Devia ser um rato pra ninguém botar defeito! (Cochicha). Acho que você tá precisando de um rato de verdade pra baixar esse fogo que tá lhe queimando...
MADELEINE
(Como quem não entendeu). O que foi que você falou?
GILBERT
Nada não... Eu estava aqui falando com os meus botões...
MADELEINE
Aposto que foi a meu respeito! Não venha querer me criticar, só porque estou vendo coisas aqui dentro do cortiço...
GILBERT
(Impaciente). Dá-me paciência, senhor!
MADELEINE
O que foi, Gilbert? Não está gostando da minha presença? Por favor! Se acha mesmo que eu devo ficar aqui, nesse escuro... Nesse cortiço cheio de ratos e baratas... Sem contar com as aranhas que sobem em cima da gente sem nem pedir licença... (Transição). Aposto que dentro do banheiro tem uma caranguejeira astronômica...
GILBERT
Nisso eu também aposto...
MADELEINE
Aposta?
GILBERT
Que você carrega uma caranguejeira extraordinariamente grande!
MADELEINE
Onde? Onde? Fala, Gilbert!
GILBERT
Entre as suas pernas...
MADELEINE
(Aos berros). Tira... Tira esse troço daqui! (Tira toda a roupa e fica só de calcinha). Eu senti uma coisa peluda roçando nas minhas pernas... É uma caranguejeira... E você não faz nada, Gilbert?
GILBERT
Não eu não vou fazer absolutamente nada! Não tem nada de Caranguejeira roçando nas suas pernas Madeleine... (Transição). E que saber? Eu vou embora daqui... (Madeleine o impede).
MADELEINE
Não faria tal coisa!
GILBERT
E por que não?
MADELEINE
Ora, Gilbert... Tem uma caranguejeira sim...
GILBERT
(com desdém). Chega! Tchau, Madeleine...
MADELEINE
(Pega uma faca). Se você der mais um passo! Eu juro que me estraçalho com esta faca... Eu me mato, Gilbert!
GILBERT
Ficou louca? Dê-me essa faca?
MADELEINE
Se for embora, pode mandar encomendar o meu caixão...
GILBERT
Como pode ser tão dramática...
MADELEINE
Mas eu estou falando muito sério... Faça um teste e arrede o pé daqui pra você ver se eu não faço isso!
GILBERT
Se tiver coragem mesmo, pode começa a se trucidar sozinha... Mas deixe-me sair primeiro... Não quero servir como testemunha única de um suicídio dentro do cortiço! Passe muito bem...
MADELEINE
(De salto). Não! Eu estou brincando com você, Gilbert! O seu problema é que não tem senso de humor...
GILBERT
O seu modo de ver senso de humor é bem diferente do meu... (Transição). Tudo bem... Eu fico aqui dentro do cortiço com você... Vou lhe respeitar por causa da vizinhança...
MADELEINE
(Debochada). Nossa senhora... Como você tá respeitador, Gilbert! Não percebe que eu não gosto de homem assim? Não vê que a minha reputação é no lado de fora deste cortiço? Será possível que eu vou ter que ser clara e objetiva?
GILBERT
Por favor...
MADELIENE
Eu quero que você mecoma... Me possua...
GILBERT
Tenha calma, Madeleine... Se controla...
MADELEINE
Mete a mão nos peitos... Vai... Vai... Chega pra cá... eu quero um macho viril, assim como você, Gilbert... Vai... Vai... Vai... (Gilbert mete a mão na cara de Madeleine, a qual recua chorando).
GILBERT
Controle-se, Madeleine... Tá parecendo uma mulher estérica! Vadia...
MADELEINE
Você me bateu... Homem que bate em mulher para mim é canalha... Mas eu gosto assim mesmo! (Pausa). Bate mais... Bate... Bate...
GILBERT
(Dando um basta). Chega, Madeleine... Não estou entendendo a sua reação de mulher vadia... O que deu em você, mulher...
MADELEINE
Me chama do que você quiser... Mas me trata como uma cadela no cio... Cadê esse cachorro cheio de pulgas que existe dentro de você, Gilbert?
GILBERT
Pára com isso... Não mexe com que tá quieto! Você está mais parecendo uma louca... (Madeleine não exita em parar e continua descontroladamente a sua ansia de matar seus desejos animalescos. Gilbert reage batendo fortemente na cara de Madeleine).
MADELEINE
(Recua chorando). Doeu, Gilbert... Doeu mesmo... Pra valer... Você me chamou de louca... Eu não vou perdoar isso... (Aos berros). Eu não sou louca, entendeu... Você não devia ter feito isso comigo, Gilbert!
GILBERT
Mas você quis assim... Aliás essa é a Madeleine que eu sempre conheci...
MADELEINE
O que é agora? Vai passar na cara, tudo o que aconteceu no passado?
GILBERT
(Aos berros). Vou sim... Você acha que ainda cicatrizou a ferida que você mesma abriu em mim, aqui oh... dentro do peito?
MADELEINE
Por que você está gritando comigo? Isso faz muito tempo...
GILBERT
Mas ainda hoje doi aqui... (Bota a mão no peito). Estou vendo que você já está recuperando a memória... Bom ver os fatos com os pés no chào, Madeleine! Eu lhe amei demais, mulher... Você não pode negar que eu sempre lhe tratei como uma princesa... Nunca deixei faltar nada aqui dentro de casa... Na cama nem você e nem nenhuma mulher reclamou... Eu sempre gostei de sacanagem... Puta que pariu eu sempre fui cachorro... Refrescou isso também de sua memória?
MADELEINE
Como poderia me esquecer! Eu era feliz e não sabia...
GILBERT
Eu poderia até ter esquecido... Relevar tudo o que acontceu, mas com aquele vagabundo cachaceiro? Você me trocou por ele... Eu sabia que a vida que ele tinha pra lhe oferecer não ia além desse cortiςo...
MADELEINE
Eu lhe traí com ele... Trepei com ele em cima de nossa cama sim...
GILBERT
(Alucinado). Não me faz lembrar uma porra dessa... E agora você fala de reputaςão perantes os vizinhos?... Ora! Pára de querer chacotear com a minha cara... Por que não pensou nisso antes?
MADELEINE
Pelo amor de Deus... Fala baixo... Ninguém aqui sabe do meu passado...
GILBERT
(Vai até a janela e grita). Eu quero que a vizinhanςa se foda! E você também sua vaca metida a santinha...
MADELEINE
Gilbert... Você está me ofendendo...
GILBERT
E você não me ofendeu... Me traindo com o cachaceiro na minha própria cama!? Por que ele era mais gostoso do que eu, Madeleine? O que o majestoso fazia? Por acaso fazia você expremer a calcinha de tanto gozar? O que este otário aqui nunca fez?
MADELEINE
(Assustada). O que está acontecendo com você, Gilbert? Não estou lhe reconhcendo...
GILBERT
Vá pra puta que pariu... Vá a merda! Você Vai me reconhecer agora... Vem cá vadia... (Puxa madeleine bruscamente).
MADELEINE
(Com medo). Ai, Gilbert... Desse jeito você me machuca!
GILBERT
Essa dor é dor momentânea... O câncer mesmo ainda queima o meu peito... (Grita). Vadia... (Rasga a roupa de Madeleine).
MADELEINE
Você está louco! Socorro... Estou com um maníaco aqui no cortiςo...
GILBERT
Cala a boca e vem aqui que eu vou te mostrar se eu não posso fazer melhor que ele... (Segura Madeleine fortemente)
MADELEINE
(Se saindo). Me larga... Monstro... Eu lhe traí, sim... Já estava cansada da mesmice... Papai e mamãe todo dia não há porra que aguente, Gilbert! Eu sou mulher... Minha vida era casa e tua vida era trabalho e na hora do bom mesmo... Era aquilo sem graςa... Estava cansada de ser um depósito de esperma...
GILBERT
(Gritando). E saiu á procura de mais... Agora você vai ter um macho, não como marido, mas, como um animal... Depois de todos estes anos vai relembrar os momentos amargos que eu passei... (Rasga o restante das vestes de Madeleine).
MADELEINE
Você é um maníaco sexual inveterado, Gilbert! Você é a vergonha de qualquer um da classe masculina... Pelo menos comigo isso você deixou muito a desejar... (Gilbert bate fortemente na cara de Madeleine). Porco... (Cospe na cara de Gilbert).
GILBERT
(Joga Madeleine no chão e monta sobre ela, baixando suas calςas e fazendo insinuaςões de uma transa).
MADELEINE
Sai de cima de mim, seu monstro...
GILBERT
Isso é só um comeςo, Madeleine... (Bate na cara de Madeleine). Vaca!
MADELEINE
Delinquente... Socorro... Tirem esse monstro de cima de mim...
GILBERT
Era assim que ele fazia, era? Eu faςo melhor... (Transiςão de cabeςa erguida como se estivesse sentindo prazer)... Vaca... Vadia...
MADELEINE
(Chorando). Ai, que nojo... Eu quero morrer... Estou me sentindo o lixo dos lixos...
GILBERT
Pára de falar asneiras e me ajuda a sentir prazer...
MADELEINE
(Inojada). Monstro! Eu não vou mover uma palha de alho... Pode matar as suas vontades nas minhas entranhas... Mas desde já eu afirmo! O máximo que eu posso fazer é fingir que estou gozando...
GILBERT
(Tomado pelo ódio). Vagabunda! (Bate na cara de Madeleine novamente).
0. MADELEINE
(Cai e alisa o rosto). Hum... Gostei dessa parte... Faz de novo...
GILBERT
O que?
MADELEINE
Bate na minha cara novamente, porra... Agora eu senti de verdade algo diferente...
GILBERT
(Bate com mais forςa e Madeleine grita de prazer cada reaςão brusca de Gilbert. Vários movimentos são feito nesse instante acompanhados de luz e som, passando pra platéia que ambos estão transando há bastante tempo). Vamos com calma que eu já não tenho mais idade pra tanto tempo de sacanagem...
MADELEINE
Não pára... O vulcão já está a beira da erupςão... Vai molenga...
GILBERT
(Com expressão de muito cansaςo). Eu não estou aguentando mais, madeleine... Estou me sentindo fraco... não faz isso comigo...
MADELEINE
Eu é que falo isso... estou no ápice do prazer... Agora você não vai parar mesmo... Ai... Tá chegando...
GILBERT
Não estou aguentando...
MADELEINE
Segure as pontas que eu estou quase conseguindo...
GILBERT
Eu vou desmaiar...
MADELEINE
Eu quebro tua cara se isso acontecer... (Transiςão como quem está sentindo muito prazer). Ai... ui...
GILBERT
Eu vou morrer... (Fica imóvel).
MADELEINE
Não pára não... (Transiςão decepcionada). Parou... Sacanagem... (Transiςão percebe algo diferente). Gilbert... Pára de brincadeira, levanta daí... Gilbert... Gilbert... Será? (Transiςão aos berros). Gilbert... Eu matei o homem... (Cai em prantos em cima do corpo de Gilbert. A cena escurece totalmente e várias barras de luz recobrem o ambiente dando idéia de que ela está presa, contando a história para alguém.

MADELEINE
Foi assim que tudo aconteceu... Eu jurei perante o juiz que jamais iria mentir diante do tribunal. Eu matei aquele homem... (Chora). Sei lá... ora penso que matei, ora penso que não... Será que eu o matei mesmo? Mas foi por amor, doutor pode confiar... Se eu matei, claro... (Transiςão). Não me faςa lembrar uma coisa dessa, doutor! Eu amei demais aquele homem... Ele tá aqui óh! (Bota a mão no coraςão). Ele me encheu o saco naquela noite... Puta que pariu e tudo por causa daqueles ratos! Aquele cortiço ficou marcado na minha memória até os dias de hoje! Agi como uma louca... Aliás; acho que a loucura anda coladinha comigo... Posso dizer... É minha irmã gêmea, sabe... (Querendo chorar, mas, contida). Juro que eu não sabia, doutor! Eu não podia fazer uma coisa dessas! Ele morreu como um passarinho... Nos meus braços... Todos os gatos se reuniram em volta do corpo... Como em sinal de protesto... Até hoje eles me condenam... Não me perdoaram... Eles miavam em prantos... (Como em loucura). Que dó eu tenho daqueles gatinhos... (Chora em prantos). Os meus bichanos estão com raiva de mim... (Pára de chorar e vai transionando muito lentamente com um sorriso).  Eu perdi o Gilbert... Mas ganhei a liberdade lá no cortiςo... Meus bichanos comeram aqueles ratos ponposos e aquelas baratas nojentas... Hoje elas estão... No inferno... (Ri). O ulugar delas é no inferno... (Ri com mais intensidade). Assim como é o lugar de vocês... (Olha para a platéia). No inferno... (Gargalha ironicamente). Vão pro inferno vocês... (Gargalha sarcasticamente em vários tons e levanta as mãos mostrando duas correntes grossas presas em seus pulsos como se estivesse acorrentada. A cena vai escurecendo e termina a peςa o cortiςo ).


(FIM).


TEXTO: O Cortiςo
Autor: Flávio Cavalcante
Mês: outubro de 2007
Flavio Cavalcante
Enviado por Flavio Cavalcante em 03/06/2009
Código do texto: T1629446

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Flavio Cavalcante
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 46 anos
531 textos (314862 leituras)
31 áudios (3750 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/10/14 23:22)