Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Minha Doce Flor que não és Minha

   Minha doce flor que não és minha,
Tu pensaste que posso assim viver,
Dos favores que sempre hei de fazer
               P’ra ti sem hesitar?

   Deixas que eu te regue. Mas não queres
Que eu veja como vais, esplendorosa,
Crescendo forte muito mais que a rosa,
               Mais alva que o luar?

   Vinte outonos há que espero alguém.
Mas sempre desejei as belas flores
Que nunca ousei tocar, e sempre em dores
               Fiquei em castidade.

   Tens meu coração mas tu não penses
Que teu amor e tua paixão exoro.
Percebe que se calmo sofro e choro
               É que amo de verdade.

   Vê que não te peço nada em troca.
Mas vê também que sofro cada vez
Que me magoas, mais e mais — não vês?
               Mas hei de perdoar.

   Queiras que eu te não chame de ingrata.
Vãmente eu me detenho em tua presença.
Se nunca expresso qual é mi’a doença,
               Não sei o que é amar.
Thiago Leite
Enviado por Thiago Leite em 20/04/2005
Código do texto: T12147
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Thiago Leite
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 35 anos
35 textos (1308 leituras)
1 e-livros (11 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:22)
Thiago Leite