Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Telefônica

Nem falta de respeito é seu nome,
Nas teclas tanto número digito,
Que me canso e às vezes eu cogito,
Jogar contra a parede o telefone.

E finalmente atende quem me entende,
Mas questiona até meu tipo sanguíneo,
E depois, tão treinado e exímio,
Me passa para outro atendente.

Entre os ramais sem dó vão me jogando,
E o problema maior que no início,
Complica de uma forma eletrônica.

E quando a paciência acabando,
Só resta confessar-te este meu vício:
Que é te odiar, oh Telefônica!
Lupo
Enviado por Lupo em 25/04/2006
Código do texto: T145212
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lupo
Ilha Comprida - São Paulo - Brasil, 41 anos
44 textos (1391 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:47)
Lupo