Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Parado às vezes sem saber aonde ir...

Parado às vezes sem saber aonde ir
Me salta aos olhos e à idéia um interesse
Que me dispõe a um pôr-do-sol de persistir
De após estar num intensamente florescer

Como quem sabe do mais alto e puro ouvir
Era o crepúsculo de um sonho que viesse
Tão embalado em luz quanto uma carta a vir
Trazer de súbito o melhor do acontecer

Pois a beleza que banhava o meu ser
Que porventura sob as vestes sendo um mar
Bravio, rebelde, de enfeitiçar desejos

Em tal rubor se colorindo esse prazer
Até meus olhos se cerravam do ofuscar
Ante as faícas que emergiam desses beijos
Miguel Eduardo Gonçalves
Enviado por Miguel Eduardo Gonçalves em 05/06/2006
Código do texto: T170055
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Eduardo Gonçalves
São Paulo - São Paulo - Brasil
909 textos (30688 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:48)
Miguel Eduardo Gonçalves