Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto à Traição


“Quem vem lá?” – Sou eu, respondo,
E o coração baixa as armas e descansa;
Deixa o escudo, a espada, a lança;
Não se esconde mais, também já não me escondo.

“Que desejas?” – Conversar contigo!-  e, supondo
Que eu esteja desarmado, confiante, ele avança...
Olho-o; vejo-o em sua ingenuidade de criança
E desisto do fim que estou propondo.

- De nada adianta este combate;
Não vou tripudiar sobre o vencido,
Não tem graça bater em quem não bate!...

(Minhas armas, então, ponho de lado
e, mal viro às costas pro bandido,
me apunhala outra vez o desgraçado!)
Fábio Olizário
Enviado por Fábio Olizário em 04/10/2006
Código do texto: T256006
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fábio Olizário
Três de Maio - Rio Grande do Sul - Brasil, 43 anos
2 textos (65 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:03)
Fábio Olizário