Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto $%&*#

Os derradeiros quatorze versos
Que escrevo, para desdém do mundo
Encontram-se, agora, quase submersos
Em um fétido pântano imundo

Doces poetas que erram as rimas
Quiçá quando delas não abrem mão!...
Se regozijam das obras-primas
Que são tudo, mas soneto não!

E então me pergunto: como pode
Chamar de soneto até prosa, ode?
Transformar em tora esse graveto?!

Permitam-se prosa, uma elegia!
Mas não acabem com a poesia
Matando, dessa forma, o soneto!
Márcio Ribeiro
Enviado por Márcio Ribeiro em 27/09/2007
Reeditado em 08/10/2007
Código do texto: T671004
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Márcio Ribeiro
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
67 textos (3262 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 03:58)
Márcio Ribeiro