Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Profano

Queria um texto azul sem forma ou rima,
Um verso brando escrito em folha clara.
Poema neutro em prosa e sombra rara,
Composto ao fim da noite, minha estima.

No entanto nada vem de encontro a mim,
Nem letra ou frase feita por vaidade.
E assim a vida escorre pela idade,
E escreve em verso frouxo um certo fim.

Não sei mais dos meus sonhos nem da vida,
Fugi do que não tenho rumo ao nada,
E nada trouxe além da vã jornada,

Jogada, nua e velha, tão ferida.
Não quero a forma azul do verbo insano
No vão do sonho fútil tão profano.
Amargo
Enviado por Amargo em 16/10/2007
Código do texto: T697306

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Alessandro Martins Gonçalves). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Amargo
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 41 anos
339 textos (15148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 01:46)
Amargo