Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INDIFERENÇA

   
De verdade, sinto muito, agora é tarde,
Nada mais me consola ou me atormenta,
Sou formiga no meio da tormenta,
Que fenece, na lama, sem alarde.

Paciência, sinto muito, agora é tarde,
Nada mais me machuca ou me acalenta,
Se a noite é fulgente ou nevoenta,
Ou se o sol é ameno ou se me arde.

Não duvido da crença de ninguém,
Porém isso não quer dizer também
Que desacredito da ciência.

Quando morrer deixo nada, pois sou só,
E, se nada houver, depois da vida viro pó,
Mas, se houver, vivo de novo - paciência...
Luiz Gonzaga Leite Fonseca
Enviado por Luiz Gonzaga Leite Fonseca em 12/11/2005
Reeditado em 18/10/2012
Código do texto: T70424
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Gonzaga Leite Fonseca
São Paulo - São Paulo - Brasil, 2015 anos
30 textos (1893 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:24)
Luiz Gonzaga Leite Fonseca