Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SONETO À LENI

Estes versos nasceram para ti
Da fúria de um amor ameno e terno
Cega paixão! -Cegueira na qual vi
Que este amor inexiste, mas é eterno.

O amor primaveril é quase inverno
Amor que nunca tive e que perdi
O qual sussurro agora a um caderno
Em versos com um nome -O teu, Leni.

Porquê o amar, as vezes, é só dor
Sublime o amor transforma-se em mau fado
A quem deu-lhe esta vida um grande amor

Amou, mas sobretudo foi amado
O paraíso em terra lhe foi dado
A mim... Meu céu será quando eu me for.
Claudio Camargo Martins
Enviado por Claudio Camargo Martins em 28/11/2007
Código do texto: T756992

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Claudio Camargo Martins
São Paulo - São Paulo - Brasil, 66 anos
260 textos (55924 leituras)
2 áudios (422 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 20:46)
Claudio Camargo Martins