CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Realismo no Brasil e em Portugal

O Realismo é uma corrente literária surgida na segunda metade do século XIX, onde a sociedade passava por mudanças profundas, lutas sociais, tentativas de revolução, novas ideias políticas, científicas, filosóficas e artísticas. A obra que marca o início do Realismo mundial é Madame Bovary, de Gustave Flaubert.

Na literatura há uma mudança drástica, devido a grande diferença do Realismo para o Romantismo. Segundo Eça de Queirós “[...] o Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos – para nos conhecermos, para que saibamos se somos verdadeiros ou falsos, para condenarmos o que houve de mau na sociedade”. A citação de Eça de Queirós, fala sobre as características românticas que eram condenadas pelos realistas, gerando assim, o antirromantismo. Fuga da realidade, culto do eu, viver de idealizações, estas são algumas das características.

O Realismo brasileiro se resume a dois grandes autores: Raul Pompeia e Machado de Assis, este conseguiu o maior legado artístico realista, mesmo tendo iniciado suas produções em pleno Romantismo. Percebendo essa mudança de estilo literário, Memórias Póstumas de Brás Cubas representa-a e marca o início do Realismo no Brasil, sendo uma obra polêmica que apresenta críticas à sociedade burguesa do Rio de janeiro. A obra já se mostra realista pela sua dedicatória: “Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas memórias póstumas. Brás Cubas”. O autor fez essa dedicatória, porque é um defunto-autor, ou seja, escreveu a obra depois de morto.

Machado de Assis aborda em Dom Casmurro a temática mais apresentada do Realismo mundial, a traição, porém essa temática é geradora de dúvida nos leitores da obra. Machado de Assis criou uma narrativa ambígua, que oscila entre dois polos: Capitu teria ou não traído Bentinho? O elemento da narrativa que nos leva a essa ambiguidade é o narrador-personagem Bentinho, pois ele não sabe se foi traído, e ele que nos conta a história, então Bento nos transmite sua dúvida.

Além de Machado de Assis, o Realismo brasileiro teve Raul Pompeia que protagonizou uma cena polêmica no meio literário nacional, onde com ressentimentos marcou um duelo com Olavo Bilac, mas acabou apanhando, sendo esse o motivo de sua morte, segundo boatos da época. Com apenas uma obra, ele conseguiu notoriedade no cenário literário brasileiro, esta obra narra a história de um jovem que cresceu em um internato que dá nome a obra O Ateneu.

O Realismo em Portugal teve início com a Questão Coimbrã, episódio ocorrido em 1865. Coimbrã, importante centro cultural e universitário da época, ligava-se diretamente à Europa por meio da estrada de ferro. Esse movimento tinha o objetivo de implantar o novo estilo artístico que nascia na França. Para os participantes a Questão Coimbra era a reação do velho contra o novo, do conservadorismo contra  o progresso, da literatura de salão contra a literatura viva. Percebendo o intuito desse movimento luso, o autor mais se destacou na Questão Coimbrã foi  Antero de Quental.

 O Realismo em Portugal significou mais que uma renovação na literatura quanto a temas, linguagem e visão de mundo. Representou também uma tentativa de livrar o país da mentalidade romântico-cristã e levá-lo à “modernidade” por meio do contato com as novas ideias filosóficas e científicas que circulavam na Europa. Das produções literárias, um gênero alcançou grande prestígio na época, Antero de Quental foi o grande nome na produção da Poesia Lírica.

Eça de Queirós é considerado o mais importante ficcionista do Realismo português, sua principal característica: a ironia contante. O autor lança três obras que marcam o Realismo em Portugal, lançando assim, sua trilogia que é formada por O crime do Padre Amaro, O primo Basílio e Os Maias.

O Romance O primo Basílio, de Eça de Queirós, critica a família pequeno-burguesa de Lisboa. Apresenta um típico triângulo amoroso realista, formado por personagens sem caráter e com muitos defeitos. Jorge é um homem desinteressante, Luísa sofre com gases, e é capaz de trair o marido com o primo Basílio, que não a ama e não passa de um Don Juan . Além da traição, que é uma das temáticas mais abordadas no Realismo, tem também a chantagem, que  é prática pela personagem Juliana, a escrava de Luísa e Jorge.
Luiz Juniores
Enviado por Luiz Juniores em 09/08/2012
Reeditado em 09/08/2012
Código do texto: T3821309
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Luiz Juniores
Reriutaba - Ceará - Brasil, 22 anos
20 textos (36783 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/10/14 01:23)