Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CIRCO DOS PERSONAGENS

“Embora a razão seja comum a todos, cada um procede como se tivesse um pensamento próprio. O caminho que sobe e o caminho que desce são um único e mesmo.”
– Citações do grego no poema “Burt Norton”, por T. S. Eliot, in QUATRO QUARTETOS, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967, p. 17, tradução de Ivan Junqueira.

Depois de três dias do primeiro momento de criação, continuo a limpeza do texto, procurando escoimar as impurezas gramaticais e linguísticas. Também é necessário despersonalizá-lo ao máximo. Deste modo, a presença do autor (e a de seus alter egos) se torna cada vez mais rarefeita. A verbalização não é mais a do autor e, sim, o exercício de sua própria palavra enquanto texto: um novo personagem. Ele vai ser mais visível quanto mais constatável a ausência do primeiro autor: o Eu. Agora, ao ser lido, ele já é o Nós. Este é o essencial desafio, na criação literária. Fernando Pessoa e os seus heterônimos que me perdoem: há, em seus discursos, uma presença imensa do “eu” e das diatribes dele próprio e seus fantasmas. É muito provável que seja devido por esta percepção que Pessoa tenha criado os seus heterônimos, enumerando e identificando as diversas “psiques” que ele possuía dentro de si. Este é o seu maior mérito no campo psíquico e parapsicológico: o mestre da língua lusa abriu-se ao mundo em suas vertentes pessoais. É a criatura humana variegada, mergulhada em seus conflitos. Talvez a tradução factível, prática, do “Eu sou eu e minhas circunstâncias...”, como quer Ortega y Gasset. No discurso, é essencial esta providência: a menor interferência possível (de seu autor) na fala do personagem que fala na lavratura textual. Com este proceder, aumentam as chances de que o leitor se aposse do escrito, decida “ficar com ele para si”, por empatia e/ou por amor à sua proposta, ainda mais no caso de poema ou prosa poética. É nestas peças que o intimismo é mais incidente, e, pateticamente, maior a sua abrangência na alma humana. Seguramente, em cada ser humano não há unicidade, e muito mais no escritor, cujo universo é multifacetado. Veja-se o exemplo: de relance, acabo de descobrir que tenho de retirar tudo o que existe de fato, e que situa o relato em algum momento fático, puxando-o para o real: “À frente dos olhos, em Osório, no meu Rio Grande de Deus...”, no texto O VENTO DAS ESCOLHAS, publicado no Recanto das Letras: http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/731688 , expressão circunstancial que tive de suprimir na publicação atual, cujo link acessa. No caso, era apenas o cochicho da observação dos atos e fatos que se encontram no entorno do autor, à frente de seus olhos, em sua circunstancial percepção, no momento do exsurgir do texto. O discurso em exame é todo no plano abstrato (qualquer criatura humana consigo mesmo) e esta vinculação à realidade, aos seus atos e fatos, se torna dispensável. Vale num primeiro momento como alegoria, com os pés na realidade, mas são asas – mesmo que as de Ícaro – que se desprendem frente ao sol dos sadios dias da “transpiração”, ao se efetivar o segundo momento do processo de criação do texto, tão ou mais importante que o do primeiro momento, em que o emocional produz a “inspiração”.  No segundo transe textual prepondera o mundo da intelecção, mas nunca o da razão pura...

– Do livro A POESIA SEM SEGREDOS, 2007/16.
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/734038
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 12/11/2007
Reeditado em 24/07/2016
Código do texto: T734038
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2823 textos (765182 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 10:32)
Joaquim Moncks