Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Contos e crônicas; diferenças

                                           



Esta tarefa de distinguir o que é um conto ou uma crônica costuma confundir escritores, críticos e professores.
Alguém termina de escrever um texto e quer publicá-lo.  Vem a dúvida.  É crônica ou conto?
A maioria das pessoas acha que a distinção é fácil, quando de fácil não tem nada.  Depende do autor, se o texto é nitidamente uma história, com muitos diálogos e envolvendo um grau de poesia, tudo faz crer que seja um conto.  Já é um bom início de distinção da crônica, que é sempre mais direta.
Há quem afirme que a crônica não comporta diálogos.  Mas esta regra não está escrita em nenhum livro de teoria literária, pelo que sei.  Se os diálogos caracterizam a peça, então podemos ter um conto.
É interessante notar como quase todos os professores escrevem sobre o assunto, mas quem vai dizer com segurança se o texto é conto ou crônica é o autor.  Se quando ele escreveu tinha intenção de informar sem ser repórter, é crônica.
Caso esteja com o objetivo de criar um fato, uma situação e usa personagens para atingir o seu objetivo, é um conto.  Eu penso assim, embora possa estar completamente equivocado – coisa que não acredito.  Diria que quando escrevo, tenho um objetivo certo.  Ou informar, sem ser jornalista, ou ser um pouco mais poeta dentro da prosa, embelezando o texto e conduzindo o leitor a um final determinado.  A primeira hipótese seria uma crônica; a segunda, um conto.
Muitos teóricos são adeptos desta maneira de pensar.  Se tiver alguma poesia na escrita, é conto, e não se fala mais no assunto.  Mas quantos são os autores que escrevem belas crônicas cheias de poesias!  Quem já leu uma crônica de Affonso Romano de Sant’Anna sabe disso, embora o autor seja mais poeta e suas crônicas não andam soltas em jornais, revistas ou sites literários.  Por ser poeta por excelência, quando escreve algo o traço vai se fazer notado, é impossível ser de outra forma.  Seria uma "crônica poética"?
Já Nelson Rodrigues, embora teatrólogo e por esta razão acostumado com as paixões humanas, escreveu no fim de sua produtiva atividade muitas crônicas impregnadas de um falso sarcasmo, mas que na verdade era um lirismo.  Daí, quem afirmar que escreveu contos, não está apartado da realidade.
Guimarães Rosa, em “Sagarana”, publicou contos e assim os classificou, sendo a obra-prima o “A hora e a vez de Augusto Matraga.”
O assunto não é nada tranqüilo quanto parece.  Já houve quem dissesse que se o autor colocar como crônica passou a ser, mesmo que se trate de belo conto.  Fernando Sabino arremata: "crônica é tudo aquilo que chamamos de crônica."

Complicado... Acho que acabei de escrever uma crônica, aliás, não acho.  Tenho certeza.  Mas haverá quem diga que foi um artigo didático, ou uma lição.
E estão enganados, por que não estou a fim de dar lição a ninguém...  Gosto de esclarecer pontos limites.
Jorge Cortás Sader Filho
Enviado por Jorge Cortás Sader Filho em 20/05/2008
Reeditado em 02/07/2008
Código do texto: T997613

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Cortás Sader Filho
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
575 textos (75607 leituras)
1 e-livros (96 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/11/14 00:39)
Jorge Cortás Sader Filho



Rádio Poética