Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOU UM EMPREGADO OU OUTRA ESPÉCIE DE TRABALHADOR?

Talvez o título seja confuso, pois, como ser um trabalhador e empregado ao mesmo tempo? O empregado já não é um trabalhador?
Você sabe quais são os requisitos da relação de emprego? E os sujeitos desta relação? E mais, já leu os artigos 2º e 3º da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT?

Com o objetivo de esclarecer as dúvidas criadas a partir da semelhança das relações, além de estudarmos neste breve artigo as principais diferenças entre a relação de emprego e a relação de trabalho, estudaremos a configuração da relação entre empregado e empregador.

Em observância à primeira pergunta é possível sim ser um trabalhador empregado, visto que, todo empregado é classificado como um trabalhador, mas nem todo trabalhador será classificado como empregado. Como assim?

É fácil, pois, o que ocorre é que a relação de trabalho é gênero da qual a relação de emprego é uma espécie, isto é, o emprego é um dos vários tipos de trabalho.

Se a relação de emprego é um dos tipos de relacionamento trabalhista, qual seria a espécie da relação de trabalho que não rotularia o trabalhador de empregado?

Entendeu a pergunta? Todas as outras, porém, com o objetivo de ilustrar o artigo, vejamos: Uma espécie da relação de trabalho que não rotularia, e, se de acordo com a lei, jamais rotulará o trabalhador de empregado, é a relação de trabalho autônomo, posto que, trata-se de uma relação sem a presença de um dos principais requisitos da relação de emprego, qual seja: a subordinação. Quer mais, o trabalho prestado por consultores, pelas diaristas entre outros. Está sentindo a diferença?

Muito embora cada relação de trabalho tenha as suas vantagens próprias, a CLT ampara apenas o trabalhador empregado, ou seja, garante a esta modalidade de trabalhador, um rol de direito nitidamente mais interessante que as demais relações de trabalho.

Contudo, para o acesso aos direitos trabalhistas inerentes à relação de emprego, a CLT exige o preenchimento de requisitos que quando não verificados, impedem o reconhecimento da relação como sendo a empregatícia.

Vejamos o artigo 2º da CLT:

Art. 2º - Considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço.

Com a leitura simples do artigo acima é possível saber quem será o primeiro sujeito na relação que estudamos, eis que, poderá ser uma pessoa física e/ou jurídica (individual ou coletiva) e que, mediante o pagamento de salários, assumirá os riscos da atividade econômica; o que seria assumir os riscos da atividade econômica?

A assunção dos riscos nada mais é que ter e ultrapassar os prejuízos da atividade sem passar-lhes ao empregado. Vejamos um exemplo:

Um posto de gasolina que, em seu contrato de trabalho, não dispõe de cláusula que assegure o direito de ressarcir-se do empregado em casos de cheques sem fundos emitidos pela clientela, terá em casos tais que suportar sozinho o cheque recebido.

Isto porque, não havendo cláusula que obrigue o empregado do posto a verificar a procedência do cheque e, mais, treinamento para impedi-lo de receber a cártula, todo e qualquer desconto que o posto fizer no salário e/ou remuneração do empregado será visto como abusivo, tendo em vista que, é um risco do negócio receber cheques sem fundos.

Outro exemplo de risco do negócio seria o caso de um açougue que não recebeu de seus fornecedores os produtos para o final de ano e, por tal razão, resolve descontar do salário e/ou remuneração dos empregados, pois, decorrente da falta de produtos, eles não atenderam aos clientes.

O fato do açougue não ter recebido a mercadoria dos fornecedores e claramente ter tido um prejuízo, não significa que está autorizado a transferi-lo aos empregados, pois, não é problema destes. Entendeu o risco o negócio?

Quanto à admissão e o fato de assalariar, entendo que não há dúvidas tão grandes, eis que, admitir nada mais é que, por meio de entrevistas e testes, contratar o futuro empregado. Assalariar é o pagamento da contraprestação em razão da prestação de serviços.

Sendo certo que, superficialmente, já conhecemos as obrigações do empregador, passemos ao estudo dos requisitos que compõem o trabalhador empregado.

Art. 3º - Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário.

Toda pessoa física: Entende-se por pessoa física o ser humano capaz de exercer alguma atividade, de preferência maior de 18 anos. Isto é, você, que dentro de suas limitações, tem condições de trabalhar em alguma atividade. Assim, o empregado jamais será uma pessoa jurídica.

Observa-se que, há a possibilidade de se contratar pessoas menores de 18 anos, mas, isto veremos no próximo artigo a ser publicado.

Prestação de serviço não eventual: O que é isso? A prestação de serviços não eventuais significa continuidade, ou seja, frequência na realização das atividades; deve ocorrer se possível, diariamente e sempre para o empregador descrito no artigo 2º da CLT.

Dependência: O presente requisito nada mais é que depender do empregador, ser deste um subordinado e, realizar as atividades propostas a fim de receber o salário estipulado no contrato.

Mediante salário: A onerosidade é um dos principais requisitos da relação de emprego, visto que, o trabalho sem salário e/ou remuneração não pode encaixar-se na modalidade empregatícia.

Vistos os requisitos insertos nos artigos 2º e 3º da CLT, se numa relação de trabalho estiverem presentes, mesmo que não haja registro em carteira de trabalho, a relação será a de emprego.

Em sede de conclusão, se a sua relação de trabalho é pautada por subordinação a horários de entrada e de da saída, cumprimento de metas mediante ordens dadas pelo empregador, é prestada todos os dias para o mesmo empregador, inclusive nos domingos e feriados, e, ao final do mês você recebe pelo trabalho prestado, saiba que, mesmo sem registro em carteira de trabalho você é visto como empregado.


Dr Carlos Eduardo
Enviado por Dr Carlos Eduardo em 30/10/2010
Reeditado em 06/01/2011
Código do texto: T2586895

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dr Carlos Eduardo
Taubaté - São Paulo - Brasil, 33 anos
12 textos (14362 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/10/14 13:54)
Dr Carlos Eduardo



Rádio Poética