Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O papel do profissional de Direito no mundo contemporâneo

Apesar do nível de civilização alcançado por esta sociedade politicamente organizada, o Direito - como regulador da conduta humana e responsável por manter o convívio social pacífico e harmônico - continua tão primitivo quanto à época de seu surgimento.
Na verdade, a velocidade dos avanços exigiu dos indivíduos uma rápida adaptação às mudanças e tornou as relações interpessoais ainda mais complexas. Isso contribuiu notoriamente para o aumento da necessidade de atuação do profissional de Direto na manutenção da ordem social. No entanto, o papel de tais profissionais não se resume a simples mantenedores da ordem. Eles possuem uma função ainda mais relevante, a função de transformação social.
O fortalecimento do capitalismo e do consumismo fez com que a maioria dos seres humanos desenvolvesse uma mentalidade egocêntrica, o que tornou o mundo pós-moderno um palco de violência e injustiças. É neste cenário que os operadores do Direito devem trabalhar e lutar por efetivas mudanças. Não basta saber muito sobre leis, é preciso saber mais sobre justiça, porque quando esta se confronta com o Direito, deve-se optar pela primeira.
Pelo menos é isso que se conclui com a redação do artigo 3º da Carta Magna nacional e do artigo 5º da Lei 4.657/42, os quais estabeleceram que se deve construir uma sociedade livre, justa e solidária, e que a aplicação da lei deve atender aos fins sociais e às exigências do bem comum.
Desta forma, fica claro que os profissionais de Direito têm como principal papel a busca pela diminuição das disparidades sociais e pelo resgate dos princípios éticos e morais, deixados de lado no mundo atual. Devem empenhar-se na construção de uma nova realidade social com efetiva igualdade de condições entre todos os cidadãos. Transformando, assim, esta sociedade individualista em uma sociedade de convívio pacífico voltada para a coletividade e para o bem-estar comum.
Para isso, no entanto, é preciso não só garantir o direito de acesso ao Judiciário, mas principalmente o acesso à justiça. E, segundo Aristóteles, justiça significa ao mesmo tempo legalidade e igualdade. Logo, justo é tanto aquele que cumpre a lei, quanto aquele que realiza a igualdade.
Portanto, é agindo, principalmente, de maneira justa, que advogados, juízes, procuradores e todos os profissionais desta área serão capazes de exercer seu importante papel social: fazer do Direito mais do que um instrumento de pacificação, fazer dele um instrumento de transformação.
Joana da Silva Rigo
Enviado por Joana da Silva Rigo em 04/12/2007
Código do texto: T765157

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (deve citar a autoria de Joana Rigo). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Joana da Silva Rigo
Castelo - Espírito Santo - Brasil, 30 anos
3 textos (1544 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 03:21)
Joana da Silva Rigo