Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Autores

Sobre o autor
Eurico de Andrade
Brasília - Distrito Federal - Brasil
46 textos (17073 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/21 13:41)
Eurico de Andrade

Textos do autor
Perfil
Um menino que nasceu e começou a crescer lá no interior do interior pescando piabas, traíras e chorões no anzol e no puçá... pegando juritis e saracuras na arapuca... chupando ingá, gabiroba, peidorreira, baco-pari, araçá, mangaba e cagaita... montando cavalo em pêlo... bebendo leite direto dos peitos de vacas, éguas, cabras e ovelhas... comendo pururuca, angu com couve e torresmo... morrendo de medo de assombração, evitando mato para não virar comida de onça... fazendo promessas pra São Sebastião, São Jorge e Santa Bárbara... garrando com o chefe de tudo quanto é santo para não deixar nenhum insatisfeito... acreditando no coisa ruim, em mal olhado, em assombração e no saci pererê... curando cobreiro e inflamação de aroeira na Maria Geroma às custas de muita Ave-Maria e fio frio da faca afiada... educado sob a batuta do chicote e ameaças de castigo de Deus, nosso Senhor... trabalhando como candieiro guiando carro de boi... trabalhando como meeiro e tarefeiro no cabo da enxada... ajudando vaca na hora do parto... vendo a Joaninha apanhando do Zé da Ponte do Bode enquanto ele cobria de mimos e beijos a mocinha Julieta... bebendo chá de mané turé, carqueja, fedegoso, chapéu de couro, congonha... comendo beldroega, broto de aboboreira, miolo de gueroba, frango com pequi, angu com quiabo, quibebe, inhame com leite... assistindo a boiada passar... vendo o trem de ferro apontar na boca de um corte e sumir na outra carregando boi, muquiça e gente... vendo a enchente destruir as roças de arroz e milho do pai... arrancando mandioca no muque pra farinha e o polvilho do ano... fazendo paçoca de carne seca e socando arroz e café no monjolo de pé... indo pra escola a uma légua de distância no cavalinho da orelha murcha... convivendo e conversando com João Pelota, Zé Rosa, João Garrote, João Geada, Zé Ficiano, Zé Pelotinha, João Garrotinho, João do Zé Ficiano, Zeca do Zé Ficiano, Zé Albino, João Miguel, Zé do Orico, Zé Taviano, João Vergina, Zé Cota, Zé Ramo, João do João Vergina, Severo... só podia dar no que deu: um escrevedor de coisas da roça.

Assim é Eurico de Andrade. Para contar ele não leva muito jeito não. Mas para escrever!... Sai por aí a fora e entra discretamente, como bom mineiro, em qualquer cantinho onde tá rolando uma boa prosa. E anota tudo o que ouve para depois transformar em assunto pros seus causos e contos extremamente localizados naquele ponto onde tudo, para ele, começou, fiel ao ensinamento que um dia leu num livro de um mestre russo "se queres alcançar o mundo, escreve sobre tua aldeia".


Última atualização em 26/09/21 13:41