Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A sorte do divino

    Entrou no bar e pediu secamente uma dose de vodca. Enquanto o garçom servia observou a barata no espelho do banheiro. Bebeu e sonhou com a vida em misteriosas circunstâncias. Queria morrer de propósito, estava cansado. O mundo havia devorado seu corpo. A mulher dizendo que acabaria fazendo loucura. Respondia, exaltado.
    - Não ganho para tanto! Nem para enlouquecer. Professor não ganhava para tanto e trabalhava feito condenado naquela infernal escola primária.
    – Você quer dizer que alguém é capaz de matar divindades só para pôr a culpa no Diabo?  Disse o garçom, vindo da mesa dos fundos, sem gravata, mangas arregaçadas, as mãos rosadas de frio.
     Ficou um instante a escutar o ruído de louça.
    - Deus não existe! É abstração, invenção.
    - Seria a certeza nascida de uma indecisão?
    A mãe do menino era  mulher de quarenta e poucos anos, de feições cínicas, apesar de certa beleza e um pouco maltratada pela vida. Jurou tirar o garoto da escola, (caso o professor não retirasse suas palavras), afinal Deus é poderoso. E existe! No bar o professor ria o riso  ebirridente emanado do calor da vodca. O salário era de sacerdote e a confusão espiritual antiga.  Bateu com o punho na mesa dizendo:
    - Não sou padre!  Em sua cabeça havia um jogral: Deus não existe!
     O delegado estava de olho nele. Ficou um instante observando o relatório: ateu professor e ateu. Foi interrompido pelo som da sirene do carro carregado de delinqüentes. O escrivão penetrou no recinto jogando o jornal na mesa do comissário adjunto. Manchete:

        "Deus está morrendo no coração dos homens!"

Havia queixas contra o monstro e assassino do divino.  A vida sem ele seria monótona, faltaria algo na hora das apostas. O delegado mandou entrar a primeira testemunha. Tratava-se de Maria Aparecida de Jesus. O comissário lhe mostrou o retrato.
     – A senhora conhece este cidadão?  Ela observou com seriedade.
     – Ele mesmo. Ah é ele – repetiu com gosto.  No fim quis ir lá abraçar o filho na escola, quando fiquei sabendo, mas aquilo ficou pouco claro. Afinal, Deus é poderoso, não pode morrer assim tão fácil.
     – E o garoto? O garoto está traumatizado?
     – Ficou de telefonar na saída da escola.  As religiosas estavam agitadíssimas, Deus morrendo e elas sem fazer nada. Absolutamente nada.
     O comissário coçou a nuca e perguntou.
     – Nem rezar?
     – Não, disse secamente a mulher. A gente não entende...
     Quando o telefone tocou, a mulher aproveitou e desandou a chorar, olhando fixamente para o crucifixo ao lado do retrato do Presidente.
     O escrivão datilografava concluindo que talvez desse tempo de salva-lo. Deu com os olhos em Maria Aparecida de Jesus, sem compreender muito bem porque devia se curar do priapismo, concluindo rapidamente que ela  apenas bastaria para alcançar a cura. No corredor, um bandido era levado pelo guarda, algemado e de cabeça baixa. Foi o que bastou para que secasse o prazer mental daquele instante.
      Chamou o guarda.
      – Quem é este vagabundo?
      – Adamastor, respondeu o guarda.
      – Até que ano estudou?
      – Fez o ginasial completo.
      – Qual a escola?
      – Municipal.
O professor não lecionava na escola municipal, era-lhe impossível reunir os fatos. Respirou fundo, aborrecido.
      – Francamente, comissário, esse é o homicídio mais difícil da minha carreira. Não sei por onde começar.
     Quando a mulher terminou o relato já era noite. O recorte de jornal mantinha-se sobre a mesa. A servente apavorada juntou nos autos do processo a versão do cafezinho derramado “sozinho” sobre a manchete. Ela mesma havia feito a limpeza. Decerto a morte da criatura divina libertaria o demo, o capeta. Havia concluído na noite de faxina entre gemidos e gritos vindo das celas. Era o fim.  Se morresse, coisa que não ousava supor verdadeira, como seria possível exclamar: pelo amor de Deus! Na noite anterior havia sonhado com vagalhão desabando sobre o barraco. Uma tragédia medonha. Necessitava de alguém imenso para evitar a catástrofe. No sonho sentiu-se vaidosa porque ela, tão pequenina, era tratada com tanta decência. A procela fez uma curva e a casinha amanheceu enxuta e salva. Fora rebentar nos casebres do lado. Há tantas religiões no mundo que se tornou insuportável não possuir nenhuma. Deus não dá trabalho, comentou.
     - Mas é injusto, comentou o delegado.
     - Qual nada! Injusto é o diabo criado para ser incorreto e danado.  (No júri revelaria uma porção de coisas perversas sobre o Demo). Superstição. O mesmo que saci, mula-sem-cabeça. Histórias trazidas do oriente pelos portugueses. Tínhamos que rezar para Anhangá desabafou. O Juarez estava pálido sob efeito daquelas palavras. O colega de geografia era a segunda testemunha. Juarez diante dele acusando-o aos pouquinhos. Era preciso reconverter os alunos. Juarez examinou sorrateiramente os cadernos guardando uma folha escrita: “Deus é uma invenção do nosso instinto de sobrevivência”. Era a prova. A palavra de um professor de geografia devia valer muito.
     A mulher parecia calma. O depoimento de duas horas forçava um alívio. Pelo menos se o criador morresse, ela havia dado o seu testemunho. Sentou-se mecanicamente na cadeira da cozinha exibindo um pouco as coxas dentro da saia sumária. O marido havia chegado do serviço. Julião Taborda era veterinário, ficava apoquentado quando alguém lhe chamava por engano de médico. Convencera a mulher. “Leve o caso até a polícia!”. Esse homem está matando o Divino sem dó nem piedade.
     Alisou o vestido dela e quando sentiu o desejo se retirou para o escritório. Estava estudando um caso de aftosa no campo dos Tavares. Nesse dia pensou em trair Maria Aparecida de Jesus. Sentiu que não amava o seu vestido azul e curto o suficiente para se manter fiel.  Maria de Jesus detida na cozinha lembrava o delegado.Com ele seria diferente. Revisou o assunto em detalhes e desabafou  o peso em dinheiro com a escola do guri. Os gastos exagerados, o dinheiro escasso.  Sonhou com aquele delegado, másculo, elegante. Taborda era magro e feio. O delegado querendo saber tudo dela, do marido, do professor.
     - Onde trabalha o seu marido? Uma mulher bonita deve exigir muito dele.
    Em casa na cozinha sentia a cadeira firme grudada em seu corpo. O filho entrou correndo atrás de café. Procurou saber detalhes sobre a escola e se  já tinha namorada.
    – Por que está perguntando isso, mamãe?
    – Porque não se pode amar sem Deus. Deus é a demonstração de seus segredos no corpo e na alma.
    – O que a senhora quer dizer com isso?  Ela sorriu nas nuvens.
    - Nada. Esqueça. É que estava pensando na morte. O rapazote já não ouvia mais, bebia o copo de leite, ruidosamente. Sorriu e disse que estava na hora de estudar na casa de Zizinha. Precisava completar o trabalho sobre o dilúvio, mito da Mesopotâmia, um aguaçal. Cristo nem existia quando já se empregava a expressão chuva diluviana. Noé não era nascido, tudo havia sido recriado e revivido. Na catástrofe, Deus é a esperança, meu filho, repetiu várias vezes. Sentiu pena do garoto indo até a casa de Zizinha.  Ergueu-se da cadeira com ar melindrado. Sentiu vontade de se queixar dos problemas corriqueiros.   Rita  sempre disposta, vizinha,  ouvia-lhe  todos os azares da vida.  Reviu a carantonha do delegado dizendo ao moleque.
    – Não tem importância e não acredite. O que não quero é que vá até a casa de Zizinha e fique sozinho com ela. Permaneça em casa, faça os temas.O garoto saiu, sem ligar para as palavras da mãe, correu até lá. Aguardou escondido no bambual para ver o que Zizinha fazia com as janelas esquecidas, para lá de tão abertas.
    Enquanto aguardava na biblioteca o professor rabiscava na folha branca do caderno para afinar a ponta do lápis. “Escrever é tão difícil quanto apertar parafusos”, pensou. Sorriu como quem supera todas as dificuldades. Na rua havia desaparecido a neblina. Quebrou a ponta novamente. Sem levantar os olhos atirou o lápis na lata do lixo com exatidão. O sino tocou e a algazarra dos alunos foi geral.
    - Tenho visto coisas. Sei lá, disse o Escrivão para o Delegado.
    - O professor fechou todas as igrejas da cidade. Não se pode encontrar divindade em lugar nenhum. A palavra ficou gasta e vazia de sentido.
    – Pode ser. O que você acha deste caso? Certeza quem é que pode ter?
    – Para mim tem mulher metida na história. São elas que enfeitiçam a vida com fantasias. A história não está bem explicada.
    – Vou lhe dizer uma coisa. O professor está sozinho. Não há nenhuma mulher no caso. O escrivão chupou os dentes, sentindo necessidade de um palito de fósforo.
    – Há muito tempo não existe nada aqui dentro. Se existisse a prisão estaria vazia, disse resignado. E Barrabás condenado. O Comissário se ergueu, foi até a janela e gritou para o guarda da esquina.
   - Norato! O guarda se apresentou. Vá até aquela sala de aula e traga o professor para a delegacia. Acrescentou: Não sei como este soldado agüenta ficar tanto tempo na mesma esquina.
    - Eu sei, disse o Escrivão. A cidade é pequena e os criminosos estão na cadeia.(Uma verdade útil).
    - Certeza, certeza quem é que pode ter?  O soldado subiu as escadas, magro, cansado e tímido.
    - Norato! O senhor crê em Deus?  Após a continência, tirou o quepe e respondeu.
    - Não senhor! Quero dizer, quando a bala vem vindo, sim. (Era dos que acreditava em Deus no campo, mas na cidade não.)
    - E se o senhor tirasse a sorte grande?  Bem, eu poderia emprestar dinheiro. O Delegado estava perplexo. Pela janela dava para ver o vigário pendurando a batina molhada no varal. Gesto de abandono. Pronto! Acabou.
    - Norato me traga o homem aqui, disse ao soldado. E nem foi preciso declarar o nome do acusado.
     Naquela mesma tarde a polícia entrou na escola.   O professor no meio da lição desmontava em partes os reinos bárbaros germânicos observando o trabalho servil quando se deu a abordagem.
     – Sinto interromper o seu modo de produção, mas tenho que levá-lo comigo. Norato algemou o professor em seu próprio braço e foram até a delegacia.
     – Cumpro ordens, disse conformado.Começou a chover e ambos chegaram molhados. Com o professor na delegacia o soldado apontou para o recém chegado e para fazer média disse:
     – Está aqui o homem sem Deus.
     – Muito livro e nenhuma Bíblia, retrucaram, tirando-lhe as algemas. Não sei se o senhor precisa de mim, perguntou o Escrivão para o Delegado.
     – Vá até o investigador e solicite um resumo da vida deste vivente.
      –  Chamo o Juarez?
      – Não tem ouvido? Ande! Corra! Mesmo perturbado o Comissário transmitiu suavidade.
      – Lembro do senhor, professor, quando desembarcou na cidade. Não posso dizer que não lhe tenho admiração, fui seu aluno. Estimava suas aulas.
      – O senhor acredita que matei a crença?
      – Certeza mesmo ninguém tem...  Apontou-lhe um dedo ameaçador arrematando.
       –... Mas à moda comunista.  Desejamos saber como matou e onde está o corpo. Arregalou os olhos como se tudo aquilo não se tratasse mais de coisa abstrata.
       – Uma figura tão distinta e heróica deve estar em algum canto deste mundo, argumentou o professor.
       – Perdão, delegado, disse o Comissário adjunto, mas não vejo como o acusado poderia possuir forças para arrastar um corpo inerme de proporções tão gigantescas.
       – Não teme ser castigado?
       – Sim, respondeu o professor, pelo senhor.
       – Pois bem, um dia o senhor amanhecerá com a boca cheia de formiga por não querer acordar no céu, mesmo o empíreo sendo o lucro dos lucros da imaginação. O escrivão riu. Levantou-se e saiu para lavar as mãos. Devo chamar Josué para dar um trato nele, pensou o Comissário. Uma boa sova talvez resolvesse,  lhe devolvesse a fantasia ingênua e poética da natureza glorificada. Esfregou as mãos.
       – Vou lhe dar um conselho, professor, porque não se mata e põe a culpa no Demo? Deus é bonzinho, serve para tudo. Use um sabonete descarrego e largue este palavrório.  Eu posso ser ignorante, professor, mas de uma coisa eu tenho certeza: Deus existe! Ele somente poderia criar uma pedra grande, a mais pesada, que somente ele pudesse levantar.
      – Está muito certo, respondeu o professor, tenho que voltar para a sala de aula. Terminar o período antes que a sala desabe com uma idéia que ela mesma não possa sustentar.O Escrivão deu um passo a frente pensando que a frase fosse para ele.
      – Assine primeiro, disse o Delegado.
Aquilo não era caso para hostilidades. Quem não tinha duvidas metafísicas?
      -  Vamos assine!
   Estava escrito no documento: "Deus existe! Dou fé!"

Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 10/11/2007
Reeditado em 23/12/2017
Código do texto: T731310
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 55 anos
1631 textos (62010 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (45 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/01/18 02:51)