Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nenê Macaggi - Uma história para ser lembrada!

Macaggi foi uma mulher
Avançada pro seu tempo
De beleza exuberante
E tinha na mente um templo
De conhecimento e força
Guiada por grande intento

Nasceu de nome Maria
Em vinte e quatro de abril
De novecentos e treze
No Paraná, (Meu Brasil!)
Mas foi com a graça Nenê
Que na Amazônia surgiu

Chegou do Rio de Janeiro
A mando da Presidência
E o próprio Getúlio Vargas
Foi quem lhe deu a incumbência:
Registrar o Estado novo
No véu de sua inteligência

Com o projeto Rondon
Na Amazônia chegou
Na década de quarenta
E a muita gente encantou
Aquela jovem bonita
Que tanta garra mostrou

Com os índios missionários
Começou a trabalhar
Pois foi logo nomeada
Delegada do lugar
E fez, no SPI,
Trabalho espetacular

Quando chegou a Roraima
Na época, Rio Branco
Território Federal!
Ali se vestiu de encanto
E a célebre escritora
Fez de seu ninho esse canto

Tudo o que era do Norte
Lhe falava ao coração
E então resolveu ficar
Tomada pela emoção
Fazendo da causa indígena
A sua luta e brasão

E foi com imensa bravura
Que percorreu esse Estado
Ficando bem conhecida
Pois não mandava recado
Dizia o que era preciso
Sem temer o resultado

Chamava os índios de filhos
E era bastante querida
Mas a batalha era enorme
E a estada muito sofrida
Ainda assim foi adiante
Com sua bandeira erguida

Certo dia aconteceu
De por ali encontrar
O senhor José Soares
Chegado do Ceará
Com ele Nenê casou
E um filho pode embalar

Viveu ali, entre índios
E entre muitos garimpeiros
Sem ter comunicação
Com seu Rio de janeiro
Por isso, às vezes, viajava
Indo e voltando ligeiro

E foi numa dessas viagens
Quando a moça retornou
Que recebeu a notícia
Tão triste, cheia de dor
“-Foi há dois dias, senhora
Que enterramos seu amor”

Nenê, agora viúva
Cuidava de seu herdeiro
Não desistiu um instante
(Era destino certeiro!)
Na honraria da causa
Do seu motivo primeiro

E conta o povo dali
Que aquela mulher guerreira
Se disfarçou foi de homem
Com calça, bota e peixeira
Pra trabalhar no garimpo
Usando enxada e peneira

Cortou cabelo bem curto
Meteu-se naquela lama
Falava pouco com os outros
Pra não estragar sua trama
Seguia assim, bem discreta
Pra desviar-se de drama

Pois tudo o que ela queria
Era colher informação
De forma bem mais precisa
Além do lápis na mão
E assim, a moça, algum tempo
Passou-se por “cidadão”

E nesse seu trabalhar
No barro do Tepequém
A vida do garimpeiro
Ela traçou muito bem
Com a história da pecuária
Com a dos índios também

Até que um dia um senhor
Achou um tanto estranho:
Que aquele “moço” calado
Não se mostrava no banho
E assim, Nenê foi-se embora
Vendo o perigo tamanho

Mas que ela foi corajosa
Está bem claro de ver
Depois publicou seu livro
Deixou pra mim, pra você
Foi “A mulher do garimpo”
Tesouro do escrever!

Uma herança pra história
Firmada com louvação
Traçada em linhas bem postas
De um tempo em que o cidadão
Ganhava ou perdia a vida
Tirando ouro do chão

E voltando a Boa Vista
(De Roraima, a Capital)
Foi trabalhar no Governo
Pela Imprensa oficial
Se dedicando na vida
Aos livros e ao jornal

Se foi em quatro de março
Do ano dois mil e três
Fazendo mais uma viagem
Foi lá pro céu, dessa vez
Deixando muita saudade
E exemplo pelo que fez

Agora, Nenê Macaggi
Divinamente intitula
A casa de nossa arte
Grandiosa arquitetura
Um patrimônio do povo
O Palácio da Cultura

E ao escritor roraimense
O dia que lhe foi dado
O vinte e quatro de abril
Quando é homenageado
É o dia em que ela nasceu
Hoje também consagrado

Nas linhas do extremo norte
Sua história é sempre lembrada
Como um exemplo de força
Que é uma marca registrada
Na vida dessa mulher
Por todos tão respeitada
      - Fim -

______¬¬¬-__________________________
NOTA: Nenê Macaggi já era uma escritora renomada quando chegou a Roraima mas, sua importância no Estado intensificou-se quando passou a escrever sobre a vida do povo roraimense. Foi revisora, redatora e colaboradora do jornal Boa Vista e, além da imprensa, dedicava suas horas à elaboração de seus livros sendo o romance “A Mulher do Garimpo” (escrito na década de 1970) considerado como o marco inicial da produção literária no Estado.
1.FONTE: Site Overmundo - “Nas entrelinhas da história de Nenê Macaggi - Gilvan Costa - 24/4/2006.(http://www.overmundo.com.br/overblog/nas-entrelinhas-da-historia-de-nene-macaggi)
2.Documentário “Nenê Macaggi: Roraima Entre Linhas”, vencedor do DocTV II Direção: Elena Fioretti.
Zanny Adairalba
Enviado por Zanny Adairalba em 10/10/2012
Código do texto: T3925979
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autora: Zanny Adairalba (zannyadairalba@gmail.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Zanny Adairalba
Boa Vista - Roraima - Brasil
15 textos (3751 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/11/19 06:01)
Zanny Adairalba