Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um novo poeta por favor!

                Sábado passado estive em Vicente de carvalho. Bairro do subúrbio carioca onde, dizem os especialistas, encontra-se o melhor bolinho de bacalhau do Rio de Janeiro. Lá estava eu, naquela conhecida adega que por tradição concentra boêmios de todas as partes da cidade, e traz consigo um clima que une a malemolência do samba e os lamentos lusitanos do fado.
Numa conversa pra lá de etílica com meu querido primo Ricardo Julio, me deparo com a conclusão aterradora sobre a ausência de grandes letristas e poetas para a nossa geração pré-quarentona,  após as perdas de Renato Russo e Cazuza.
Ricardo inclui neste hall, o “paralâmico” Herbert Viana, como um outro mestre das letras musicadas de nosso tempo. Concordo com ele, e para melhor exemplificar as características destes poetas oitentistas, propus imaginarmos uma viagem de trem em que, além de nós dois, estariam Herbert, Renato e o nosso exagerado. Todos em vagões separados e puxados por uma locomotiva que soltaria a sua fumaça pelos ares caminho afora.
Imaginei que, após a partida, Herbert se acomodaria numa poltrona confortável junto à janela, e que de posse de caderno e lápis, anotaria suas observações sobre a paisagem. Falaria dos alagados, tenderia à lua, e fotografaria com palavras toda as visualizações e seus personagens, percebidos nos rápidos flashs de vida que corriam diante de seus olhos. Um excelente retratista.
Ao mesmo tempo, Renato Russo estaria quieto e sozinho numa cabine particular, e escreveria sobre os medos que sentia sobre o que encontraria na próxima estação. De como gostaria que a próxima parada fosse marcada pela compreensão entre os homens, e que o amor pudesse vencer os monstros e as angústias que assombravam as pessoas, que não percebiam a grandiosidade de uma gota d’água ou de um grão de areia.Ele pediria um mundo melhor com certeza, a começar por pais e filhos mais compreensíveis e compreensivos.
Neste momento, percebo que a velocidade do trem aumenta, e Cazuza grita e gargalha já abraçado ao maquinista, lhe contando os absurdos da noite na última estação, e falando dos personagens imaginários que surgiam nas formas da fumaça liberada pela locomotiva, e entre mais uma dose e outra, diria que o dia também morre, e é lindo, como eram lindos os tais moinhos de vento.
Na adega, intermináveis segundos separam a história da viagem do comentário seguinte. Eu e Ricardo estamos com os olhos marejados, e ante ao ultimo bolinho de bacalhau, percebemos o quanto nossa geração ficou despedaçada dessas linhas geniais.Tenho o impulso contido de gritar ao garçom:
- Um vinho do Porto e um novo poeta por favor!


(Este texto foi extraído pelo autor, de seu blog na internet, http://andersonjulio.flog.oi.com.br)

Anderson Julio Lobone
Enviado por Anderson Julio Lobone em 15/01/2006
Reeditado em 11/02/2007
Código do texto: T99101
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Anderson Julio Lobone
Alto Paraíso de Goiás - Goiás - Brasil, 54 anos
110 textos (10093 leituras)
1 e-livros (186 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/20 23:35)
Anderson Julio Lobone

Site do Escritor