Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Louco é pouco


Na insanidade de uma insônia Tola e fria
Sou um poeta em busca do sono insolente
Que angustiante quis fazer-me tão somente
E neste instante surge a inspiração sadia
 
No emaranhado surgem versos e palavras
Notas reversas d’uma louca sinfonia
Quais semifusas confusas sem Harmonia
E o sono cujo que fugiu já não me agrava

Viro pra o lado e no criado folhas virgens
Empunho a pena assentando meus rascunhos
Rabisco e risco de versos a próprio punho
E a insônia a meus poemas dão origem

Sou um poeta um facultativo um louco
Um pierrô, um pandego um religioso.
Sou peça chave verdadeiro e mentiroso
Sou personagem sou ator, de tudo um pouco.

Se minhas rimas não convergem não dão liga
Eu não explico, não preciso provar nada.
Pouco me importa se me impõem concordâncias
Perdi o sono e já é mais que madrugada

Tô nem aí pra seus protestos e contextos
Para seus textos, suas métricas e regras.
Uso somente providencialmente a insônia
 Não me preocupam seus pitacos e pretextos

                                    Idalécio Coutinho
IDAL COUTINHO
Enviado por IDAL COUTINHO em 30/06/2020
Reeditado em 04/07/2020
Código do texto: T6992022
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
IDAL COUTINHO
Lins - São Paulo - Brasil, 66 anos
299 textos (10245 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/07/20 17:50)
IDAL COUTINHO