Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

poema a schopenhauer

eu não sei quê que é que eu quero,
sinto só uma dor doendo,
sinto forte e eu nem entendo,
talvez minhas vontades de chorar

(ou quem sabe de sorrir...)

— a vida não foi feita pra lembrar,
a vida foi é feita pra mentir.

a mentira tem pernas curtas, meu amigo,
pernas curtíssimas,
as singularíssimas pernas tortas da mentira

— talvez minhas vontades de chorar
que eu não sei de onde vêm.

a vida não foi feita pra sonhar, amigo meu,
a vida foi é feita pra morrer.

vamos todos juntos,
caminhando um mesmo passo,
que sofrer é sempre (eu calo.)
vamos todos juntos,
o caminho é sempre um só,

deus está de tão distante!,
hei, adianta olhar, meu filho?
— ele está distraído com as brasas do churrasco
e há véus cor de canela em dança, em dança,
e sátiros e ninfas nas florestas do senhor,
os orixás dançando capoeira nos corpos nus de adão e eva.
vamos todos juntos,
talvez minhas vontades de viver,
quando a barata corre do chinelo
sem saber se é azul ou cor qual é,
ela corre porque existe uma vontade.

talvez minhas vontades de chorar,
e a vida não é mais do que um soslaio,
e a vida não foi feita pra pensar,

mexer as coisas velhas num balaio.

talvez minhas vontades de acabar,
ou quem sabe eu vá sorrir!,
a vida não foi feita pra lembrar,
a vida foi é feita pra mentir.

(06/10/2004)

este e outros poemas do autor fazem parte da obra "Esquizolira e Desalinho" publicada neste link:
http://perse.doneit.com.br/paginas/DetalhesLivro.aspx?ItemID=669
andré boniatti
Enviado por andré boniatti em 21/04/2006
Reeditado em 21/07/2011
Código do texto: T142948
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
andré boniatti
Corbélia - Paraná - Brasil
380 textos (51288 leituras)
18 áudios (1382 audições)
12 e-livros (777 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/03/21 22:56)
andré boniatti