Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REGRESSO

(para Carlos Nejar)

A morte vinha em comboio nos celeiros de trigo.
Em comboio vinha nas mãos de meu povo.
A morte vinha em comboio no vinho,
vinha, que adoça a boca,
e amaina o tempo do regresso.

A morte vinha em comboio
solidão de aboio, sangrando solidão.

A morte vinha nos vagões da despedida.
A morte vinha em comboio sobre mim,
sobre os trilhos e na estrada sorria.

A morte veio em comboio, em comboio sorriu:
triste sorriso o da manhã
que nasce no rosto do espelho.

A morte veio na mão do mendigo, na côdea de pão.
A morte veio em comboio, e cobriu os que lutaram.

A morte veio em comboio nos vagões da despedida
do amor entre os homens, na face da solidão da vida.

– Do livro O SÓTÃO DO MISTÉRIO. Porto Alegre: Sul-Americana, 1992, p. 111:2.
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/42269
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 13/08/2005
Reeditado em 01/03/2008
Código do texto: T42269
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
3608 textos (907484 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/08/20 09:32)
Joaquim Moncks