REFLEXO...

Quem já não olhou no espelho

Perdido em sombras de uma vida de lutas

Tanto por querer ainda conquistar!...

Viu-se diante de sonhos desfeitos

Outros, sabendo do impossível,

Questionou-se,

Sentindo o gosto amargo das injustiças

De quem foi e nada teve em troca...

-Serei mesmo eu?

Quem sou eu? Porque comigo?

Que faço eu aqui! Isso é vida?!

O que são estes sentimentos que me sufocam

Devoram minha alma causando tanta dor

Chibata que a carne esfola, rasga!...

E apesar de tudo, tanto desespero por viver!

Como se cada um, fosse o último momento...

Aqui!...

Diante de mim!... Sem mascaras...

Tantas perguntas...

Onde estarão as respostas...

Por que?

O que me faz ser assim?

Chama ardente!

Desejo!

Paixão!

Tanta inconformidade

E mesmo assim, ainda querer lutar!

O pranto que não acalma, molha o peito que sofre...

No reflexo do espelho, olhos tristes!

No rosto marcas que o tempo desenhou

Que o sofrimento fez mais profundas...

Porém ainda percebe-se

No fundo do olhar a esperança

A sede insaciável de sentir, de viver...

Quem já não olhou no espelho

E sentiu quanto já sofreu!...

O tanto que a vida lhe foi madrasta

Quanto procurou e não encontrou

E apesar dos pesares a fome ainda não saciou...

Quem diante do espelho...

Olhando mais uma vez

Como último reflexo do momento

Maneando a cabeça, com um meio sorriso...

Balbuciou:

-Será que não resisti a tanta dor e de vez enlouqueci?...

Santo André

SP-BR

24.05.2005

CARMEN CRISTAL
Enviado por CARMEN CRISTAL em 24/05/2005
Reeditado em 30/07/2009
Código do texto: T19445
Classificação de conteúdo: seguro
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.