Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

JANELA ABERTA

Quantas vezes busquei as estrelas,
Na visão imaginária do teu sentimento,
Quantas suplicas elas testemunharam,
Mas sem resposta, ficava só o silêncio.

Haviam dias em que a poesia amargurada,
Ensinuava-se sobre o papel  amarelado,
Mostrando a  janela aberta do meu coração.
Que aos poucos perdia-se no tempo e na solidão.

Rasguei versos, destrui lembranças,
E de mentiras posicionei-me na vida,
Guardando na minha triste saudade,
Ainda, um resquísio de esperança.

Tantas vezes temi ver no horizonte,
Apenas a tristeza ao meu dispor,
Refletindo a distância do nosso amor,
E destruindo de vez os meus sonhos.

Sobrevivi a duras noites sem as estrelas,
Minhas únicas e irreais confidentes,
Que nunca puderam me confortar,
Tão pouco questionar meus sentimentos.

Mas, o vento mudou a direção das nuvens negras,
E o que estava escrito as estrelas reacenderam,
Teus olhos finalmente puderam perceber,
A janela do meu coração puro, mais verdadeiro,
E que apesar de ainda estarmos tão distantes,
Te fita com amor e a alma, através das estrelas.


Sônia Ferraz /SereiaSP - 25/10/09 - 19:30 hs



 

 

Sonia Ferraz
Enviado por Sonia Ferraz em 25/10/2009
Reeditado em 28/10/2011
Código do texto: T1886907
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Sonia Ferraz
São Paulo - São Paulo - Brasil, 64 anos
673 textos (38549 leituras)
33 áudios (5916 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/19 01:18)
Sonia Ferraz