Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SEM DERRAMAR PRANTO, SEM DAR BANDEIRA

Não há lição nem manual que ensine
a atravessar tempestades
Sou eu e um vulcão acesso no peito. Só.

Não é um jogo de verdade/ mentira
O amor é inundação e trovão todo dia
Raios que aparo no peito

Não tem jeito, não há freios
A paixão é arreio partido
Cavalo louco dividindo a vida ao meio

Não é miragem nem é virtual
A vida é um pipoco renitente
Que não dá um tempo nem fica silente

E quem se divide sou eu
Ao conciliar razão e paixão
Sem derramar pranto nem dar bandeira

Respostas de amor não caem do céu
Nem milagre ou ET pra me socorrer
Tudo pode ser sim, ou vinagre e fel .
Célio Pires de Araujo
Enviado por Célio Pires de Araujo em 03/10/2005
Código do texto: T55995


Comentários

Sobre o autor
Célio Pires de Araujo
São Paulo - São Paulo - Brasil
1371 textos (38261 leituras)
2 e-livros (241 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/10/20 19:02)