Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MULHERES

Altas. Baixas. Magras. Anafadas.
Olhos azuis. Verdes. Pretos. Castanhos.
Cabelos soltos. Presos. Lisos. Tranças frisadas.
Em todas encantos e desejos tamanhos.

Mulher mãe, mulher amiga ou companheira.
Mulher que luta, combate e dá guarida.
Mulher que trabalha, ama e é verdadeira.
Mulher que nunca será vencida.

Amar, sofrer, amamentar, satisfazer,
Educar, proteger. Fado repetido
Em todas elas. Sem parar ou retroceder
Como vaga alterosa que trai desprevenido.

Mulher menina, foste muito pouco tempo.
A vida não te deixou ser mais assim.
Entraste neste mundo sem alimento
Sem princípios, valores ou melhor fim.

Vitima das vitimas da sociedade,
Que juntamente com velhos e crianças
Exploradas e violentadas em qualquer idade,
São o farol que encaminha e dá esperanças.

Parideira de sonhos, muitos nunca concretizados
Por realidades bem mais duras de aceitar.
Namorados perdidos e não reconquistados
Maridos ganhos e perdidos. Para não lembrar.

Teu corpo esbelto disse que existe.
Com ele sofreste e amaste,
Amaste e perdoaste. Também traíste.
Satisfizeste prazeres e desejos que não negaste.

Teu corpo, teu mundo, tua riqueza,
Por ele e com ele viveste. Dele nasceu vida.
Vidas para repetir este ritual de beleza,
Que cada dia e todo o dia te convida.

Gravidezes de vidas e desejos,
Abortadas em frustrações de esperanças,
Como promessas e ensejos
Esperados pela alegria de crianças.

Percurso longo desde o nascimento.
Quanta amargura vivida até à morte.
Quantos momentos de contentamento,
Mas também alguns (muitos) de má sorte.

Teus cabelos tomaram da vida a feição.
Frágeis, depois fortes, caídos ou em trança,
A seguir início de nova coloração,
Para se tornarem brancos, para a mudança…

Teus seios se engalanaram na puberdade,
Tornaram-se firmes e elegantes.
Neles se mostraram tua personalidade
E fonte de desejo dos amantes.

As pernas das correrias de menina,
Deram lugar a desejos fatais
Que a juventude despertou em sina
Para mundos, muitas vezes irreais.

Foste menina, jovem, senhora, mãe, avó.
Teus dias se aproximam do fim.
Teu corpo que foi lindo e gostoso, vai ser pó.
De ti ficará boa recordação. Melhor assim.
Povo Lusitano
Enviado por Povo Lusitano em 15/09/2007
Código do texto: T653981

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Povo Lusitano
Portugal, 62 anos
311 textos (24343 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 19:18)
Povo Lusitano