Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MINHA CANÇÃO DO EXÍLIO

A minha pátria sem palmeiras
onde eu pudesse sonhar
esta pátria, como um rio
como um monte verde, um cio
uma chuva intensa e o estio.
Ah, pátria minha
que me agride
mas ensina-me a evitar a morte.
Na permanência e na poeira,
a minha pátria é rasteira.
E eu, mais um cristão sem sorte.
No corpo da minha pátria
carpindo, carpindo
eu faço brotar o grão.
Ah, a minha pátria mesmo
é o beijo da mulher
que me ativa e alimenta:
Saliva feita de vinho
boca com gosto de pão.
RicardoSReis
Enviado por RicardoSReis em 29/10/2007
Reeditado em 08/11/2007
Código do texto: T714920
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RicardoSReis
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 59 anos
25 textos (921 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 08:18)
RicardoSReis